Connect with us

internacional

Croácia: Deputada propõe legalizar canábis para fins recreativos

Publicado

em

A deputada Mirela Holy, do partido Sustainable Development Party (SDP) apresentou um projecto de lei que prevê a legalização da canábis para fins recreativos na Croácia, anunciou recentemente o site Total Croatia News. O projecto de lei, que prevê o auto-cultivo de até nove plantas por pessoa, está agora em debate público, antes de ir a debate parlamentar. 

O projecto inclui “a plena legalização da canábis, o que significa que se prevê o aproveitamento de todo o potencial da planta para fins económicos, recreativos e medicinais.”, explicou Mirela Holy, Presidente do Conselho de Desenvolvimento Verde do SDP, ao RTL Direkt, no passado mês de Fevereiro.

Nos últimos anos, a HDZ (União Democrática Croata) tem vindo a aliviar a sua posição relativamente à canábis, mas cada vez mais pessoas acreditam que a descriminalização não é suficiente. Uma delas é Mirela Holy, uma das figuras públicas mais proeminentes que apoia a “Lex Cannabis”, uma biblioteca online internacional de leis relativas à canábis.

De acordo com Mirela Holy, a proposta de um modelo híbrido de actividade governamental ou privada poderá manter a alta qualidade do produto no mercado. “Quando se trata do uso da canábis para fins recreativos, o projecto permitirá que cada adulto possa cultivar um limite de nove plantas com alto teor de THC para as suas necessidades pessoais”, afirmou a deputada croata. “A agricultura da canábis tem um grande potencial económico. Devido à sua alta qualidade em termos de limpeza do solo e da absorção de quatro vezes mais de CO2, o cultivo de canábis também pode ser uma ferramenta importante na luta contra as mudanças climáticas. Os benefícios económicos são enormes, para o desenvolvimento da ciência, uso de cosméticos e produção de papel”, acrescentou Holy.

A deputada referiu que os actuais modelos de regulamentação recreativa estão sob o controlo do governo, como no Uruguai, ou através do sector privado, como no Canadá e nos Estados Unidos da América.

A experiência noutros países mostra que ainda existe um mercado negro, e segundo Holy, com a regulamentação do governo o papel do mercado negro pode ser minimizado. A deputada explicou que as estimativas referentes à venda de produtos relacionados com a canábis no Canadá e nos EUA atingem 43,7 mil milhões de dólares por ano (cerca de 40 mil milhões de euros). “Além disso, o potencial da canábis ainda não foi aproveitado totalmente, podendo a planta ser usada para o fabrico de carros e de materiais na indústria da construção”, continuou Mirela.

No Canadá, Uruguai, Geórgia e África do Sul, a canábis é legal não só para fins medicinais, bem como para fins recreativos, além de onze estados dos EUA: Alasca, Califórnia, Colorado, Illinois, Maine, Massachusetts, Michigan, Nevada, Oregon, Vermont e Washington.

O uso recreativo da canábis é descriminalizado, mas ilegal nos seguintes países da União Europeia: Áustria, Bélgica, Croácia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Holanda, Itália, Moldávia, Portugal e República Checa.

Croácia poderá ser o primeiro país da Europa a legalizar totalmente a canábis 

A Croácia legalizou a canábis para fins medicinais em 2015 e poderá ser o primeiro país da União Europeia a legalizar a canábis recreativa. Segundo a actual lei croata, o cultivo ou venda de canábis é considerado crime punível com uma sentença de prisão obrigatória (três anos no mínimo). A posse de uma pequena quantidade de canábis e outras drogas leves é considerada como uma ofensa e pode levar a uma multa de 5.000 a 20.000 HRK (671 a 2.682 EUR), dependendo do caso.

No entanto, muitos se questionam se a Croácia não será, ainda, demasiado conservadora enquanto sociedade para legalizar completamente a canábis. Mirela Holy tem a sua visão: “Quando comecei a falar sobre isso há alguns anos, as reacções foram muito negativas, mas as coisas mudaram. As pessoas precisam de ser educadas primeiro para mudar de atitude. O potencial viciante (da canábis) é muito menor que o potencial viciante de álcool ou da nicotina. E, que eu saiba, nunca ninguém morreu com uma overdose de canábis natural. Ainda assim, existem grandes preconceitos que são alimentados pelos interesses de determinados grupos e indústrias”, concluiu.

_________________________________________________________________________
Imagem de Destaque: Mirela Holy | RTL Direkt

O CannaReporter é um projecto independente e completamente suportado pela comunidade. Para continuar a desenvolver este projecto, o apoio dos leitores é fundamental.
Clique abaixo e torne-se apoiante do CannaReporter desde 3€ por mês !
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Copyright © 2020 CannaReporter. Todos os direitos reservados.
O CannaReporter é um projecto mantido e apoiado na totalidade pela comunidade. Sem o indispensável suporte dos nossos patronos não conseguiríamos tornar este projecto possível. Agradecemos a todos os nossos patronos pelo apoio !

Blooming Patron:
CannaDoca
Grower Patron:
CannaCasa, Barry McCullough, Joao Xabregas, High Lit
Seed Supporter
Julio Teixeira, Pedro Spinola, Helio Cafua, Seven Sisters, Eduardo Continentino, Soraia Tomás, Beatriz Pamplona, Julia Lindsay, Tregardock Farm, Rita Machado