Connect with us
Publicidade
Publicidade

Uncategorized

Executivos do Grupo Cronos debatem os desafios da exportação de Canábis como um medicamento comparticipado

Publicado

em

O grupo Cronos Inc. é um dos maiores produtores licenciados de Canábis no Canadá, apenas à altura de alguns gigantes da indústria como Canopy Growth CorporationAphira INC e Aurora Cannabis Inc .

Há alguns dias, o Benzinga teve a oportunidade de conversar com o presidente da empresa e CEO Michael Gorenstein e seu chefe de marketing e comunicação, Eric Klein. Embora existam muitos aspectos interessantes para este negócio verticalmente integrado e geograficamente diversificado ficamos particularmente curiosos sobre um: a exportação de marijuana.

Cronos não só produz e vende canábis em várias províncias canadenses, mas também envia produtos para a Alemanha para distribuição pelo parceiro Pedanios. “Somos um dos dois produtores canadenses que atualmente distribuem produtos lá”, revelou Gorenstein, acrescentando que cerca de 200 farmácias no país europeu atualmente vendem seus produtos.

Javier Hasse: Quais são os desafios de ser um exportador de canábis? Quais são as dificuldades que você enfrenta para negociar com esta substância, tendo em conta que as Nações Unidas ainda a consideram um narcótico?

Gorenstein: Acho que existem alguns desafios. O primeiro é realmente encontrar um parceiro sólido e confiável; Eu acho que na indústria da canábis você tem um monte de pessoas diferentes que estão entrando. E, por causa de quão jovem a indústria é, há um monte de empresários aspirantes que poderão não ter um negócio estável.

Então, quando estamos à procura de um parceiro comercial num país como a Alemanha, onde o programa [de canábis legal] está apenas a começar. Encontrar alguém com experiência e que seja um parceiro confiável, não é algo fácil . Então, nós somos realmente afortunados por termos encontrado os sujeitos da Pedanios.

Então, acho que o primeiro passo seria encontrar alguém para trabalhar do outro lado.

Em seguida, tens de realmente ser capaz de ter uma ligação entre as duas agências reguladoras e governos. Então, só ai consegues ter um programa legal federal para que o governo reconheça a capacidade e de lhe emitir uma licença de importação e licença de exportação.

REGULAMENTOS CANADENSES E AMERICANOS

Discutindo as licenças de exportação, Klein realsou que uma das principais diferenças entre o Canadá e os Estados Unidos é que “nos EUA, não se pode transportar canábis através de linhas estaduais, enquanto que no Canadá existe a capacidade de exportar tanto entre províncias como internacionalmente (potencialmente) à medida que as regras e regulamentos evoluem em uma escala global. ”

Outra diferença notável entre as duas nações norte-americanas é que nos Estados Unidos, parece haver uma diferença muito maior entre a canábis medicinal e recreativa, acrescentou Gorenstein. “Eu acho que se pode ver isso especialmente com os recentes comentários“.

MEDICINAL & RECREATIVO

Voltando aos desafios da exportação de canábis, Gorenstein disse, “estamos a exportar sob um quadro médico para a Alemanha; Isso torna mais fácil. Mas quando se fala sobre uso recreativo, aí existem alguns problemas com a Convenção da ONU, e a sua visão sobre as coisas.

“Dando um passo a frente […] para passar por algumas das barreiras comerciais internacionais, é preciso estar à altura com boas práticas de fabricação, e de ser um produtor e instalações farmacêuticas de raiz.

ERVA SUBSIDIADA PELO ESTÁDO

Uma das características mais originais do mercado alemão de canábis é que o Estado aprovou subsídios para a canábis medicinal, destacou Klein. “Nós pensamos que isto abre portas para uma oportunidade muito maior, como a dos médicos e da ajuda para que o mercado evoluía”.

Vemos a Alemanha e outros países da Europa como mercados extremamente atraentes porque a canábis é vista como um remédio. Como qualquer outro remédio, é dada uma receita do respetivo médico, e os seguros são obrigados a cobrir. Gorenstein acrescentou. “Isso, eu acredito, é o que separa o país alemão de outros lugares onde todo mundo está se perguntando quando a legalização recreativa virá. Acredito que um mercado médico seguro é pelo menos tão bom, se não superior, a um mercado recreativo. ”

Apenas a Cronos e as GW Pharmaceutical, estão a negociar canábis internacionalmente como um produto de seguro reembolsado, concluiu.

UMA PRESENÇA INTERNACIONAL

Hasse: Qual a sua visão do Futuro?

Klein: Numa última análise, estamos mais focados em deixar uma presença internacional como esses grandes conglomerados, como a Philip Morris International Inc. e Diageo plc (ADR), que estão distribuindo seus produtos de forma global num mercado de escala global.

Gorenstein: A maioria da equipe começou nos EUA e muitos de nós foram para cá, mas realmente foi isso que vimos no Canadá: foi um sistema muito progressista. Vimos a habilidade, por causa do programa de legalidade federal, para obtermos uma vantagem pioneira no plano internacional, e pensei que era enorme.

Ao contrário dos negócios nos EUA, onde preocupam-se com as microeconomias dentro de cada estado e não se pode fazer negócios entre dois estados, cá podemos enviar entre as províncias e também internacionalmente. É por isso que as exportações são tão importantes para o Canadá.

Fonte : Yahoo – Bazinga

Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional6 horas atrás

Como vão funcionar as associações de canábis em Malta?

A Autoridade para o Uso Responsável de Canábis (ARUC), entidade Maltesa com responsabilidade na regulamentação da indústria legal e recreativa...

Corporações6 horas atrás

Organigram notificada pela Nasdaq por falhar valor mínimo de negociação

A Organigram Holdings Inc. foi notificada pela Nasdaq de que terá até ao próximo mês de Julho para atingir o...

Cânhamo1 dia atrás

EUA: FDA recusa regulamentar CBD devido a preocupações de segurança

A Food and Drug Administration (FDA) rejeitou iniciar o processo de regulamentação do CBD em produtos alimentares, por não considerar...

Internacional1 dia atrás

Hong Kong: Proibição do CBD entra em vigor a 1 de Fevereiro, com multas milionárias e penas de prisão perpétua

Hong Kong vai classificar oficialmente o Canabidiol (CBD) como uma “droga perigosa” já a partir desta quarta-feira, 1 de Fevereiro,  e...

Internacional4 dias atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações5 dias atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...

Internacional5 dias atrás

Malta: Registo para obter licenças de canábis inicia a 28 de Fevereiro

Já passou quase um ano desde que Malta aprovou a legislação para regulamentar o uso adulto da canábis, permitindo a posse...

Internacional6 dias atrás

França dá um passo em frente na legalização da canábis

O Conselho Económico, Social e Ambiental (Cese) de França propôs uma “legalização supervisionada” da canábis, num esforço para “ser orientado...

Comunicados de Imprensa6 dias atrás

Suíça: Linnea obtém licença para produção e exportação de API’s com alto teor de THC

A Linnea SA obteve a licença de narcóticos da Swissmedic, a equivalente suíça ao Infarmed I.P., tornando-a numa das primeiras...