Connect with us

Internacional

Israel conduz primeiro ensaio clínico em crianças com autismo

O primeiro ensaio clínico do mundo a testar os efeitos da canábis em crianças e jovens com autismo está a ser levado a cabo em Jerusalém e os resultados preliminares revelam-se muito promissores. Uma equipa de investigação da Unidade de Neuropediatria do Shaare Zedek Medical Center em Jerusalém, liderada pelo médico e investigador Adi Aran, […]

Publicado

em

Ouvir este artigo
O primeiro ensaio clínico do mundo a testar os efeitos da canábis em crianças e jovens com autismo está a ser levado a cabo em Jerusalém e os resultados preliminares revelam-se muito promissores.

Uma equipa de investigação da Unidade de Neuropediatria do Shaare Zedek Medical Center em Jerusalém, liderada pelo médico e investigador Adi Aran, está a testar, pela primeira vez no mundo, os efeitos dos canabinóides em crianças e jovens com casos graves de autismo e os primeiros resultados estão a revelar-se bastante promissores, noticiou recentemente o USA Today. O estudo envolve 120 crianças e jovens adultos com idades compreendidas entre os 5 e os 29 anos com casos de autismo de gravidade média a alta. Contactado por e-mail, o investigador confirmou à Cannapress que “o estudo está a decorrer e não teremos resultados finais antes do final de 2018. Terei todo o prazer em discutir o estudo com a Cannapress assim que tivermos resultados”.

O neuropediatra Adi Aran, fotografado por Tomer Appelbaum para o jornal israelita Haaretz

Adi Aran nunca experimentou canábis e até há pouco tempo atrás era muito céptico em relação aos seus benefícios. “Muitos pais pediam canábis para as suas crianças. No início eu dizia: ‘Não, não existem dados que suportem a utilização de canábis para o autismo, por isso não a posso administrar.’”, conta o investigador. Mas a sua visão mudou há cerca de um ano atrás, depois de alguns estudos em Israel terem demonstrado que a canábis ajudava crianças com epilepsia, reduzindo drasticamente as convulsões e melhorando ainda o comportamento daquelas que, além da epilepsia, sofriam também de autismo. “A epilepsia afecta cerca de 20 a 30% das crianças autistas”, explicou Aran. Os pedidos dos pais e a acumulação de evidências de crianças autistas que melhoraram com a canábis levou a que Adi Aran testasse a canábis em 70 dos seus pacientes num estudo de observação. Depois de obter alguns resultados positivos avançou com o primeiro ensaio clínico do mundo: “Precisamos de realizar um estudo clínico para que possamos ter dados”, decidiu.

Mas nem tudo foi um mar de rosas. Apesar do interesse das famílias e da comunidade médica, a falta de evidência científica foi o principal obstáculo para avançar com o estudo, contou Adi Aran ao The Times of Israel. “O dilema não foi apenas o nosso dilema. Muitos médicos e investigadores no mundo estão na mesma posição: as famílias pedem porque ouviram falar ou pesquisaram na internet, mas não existem estudos que comprovem a segurança e a eficácia do tratamento”.

Adi Aran confirmou que quase todos os participantes neste estudo tinham sido anteriormente medicados com antipsicóticos, os únicos fármacos que normalmente são receitados a crianças com autismo, e que cerca de metade reagiu de forma negativa, manifestando vários efeitos secundários adversos. Actualmente existem referências empíricas de que o principal composto não psicoactivo da canábis, o canabidiol (CBD), ajuda as crianças de forma mais eficaz do que qualquer outra medicação e sem quaisquer efeitos secundários. Este estudo pioneiro pretende determinar a veracidade dessa hipótese.

Yael Shulman com a filha Noah, que participa no primeiro ensaio clínico para testar os benefícios da canábis medicinal em crianças com autismo (Foto: Yardena Schwartz, USA TODAY)

O ensaio começou em Janeiro de 2017 e aos 120 participantes estão a ser administradas gotas líquidas de óleo de canábis ou um placebo. “As nossas listas de espera estão cheias. Muitas famílias querem participar e vêm de todas as partes de Israel”, continuou o investigador. “Têm esperança porque ouviram de amigos e de outras famílias que talvez possa funcionar.”

Aran alertou, no entanto, para as conclusões precipitadas sobre a canábis como um tratamento para o autismo, mas disse que muitas crianças mostraram melhorias significativas. “Alguns já não se auto-agridem nem têm acessos de mau humor, outros tornaram-se mais comunicativos e outros foram capazes de voltar às aulas após suspensões por problemas comportamentais”, confirmou.

Tamir Gedo, CEO da Breath of Life Pharma, que fornece o óleo de canábis para este estudo, disse ao USA Today que uma mãe lhe contou o seguinte: “O meu filho fala sem parar, e nunca tinha falado! Tem 12 anos.”

Uma das maiores preocupações, no entanto, é o impacto a longo prazo da administração de canábis em crianças e jovens, disse Sarah Spence, co-directora do Autism Spectrum Center do Hospital Pediátrico de Boston. “É verdade que pode haver perigo para o desenvolvimento cerebral”, afirmou. Mas por outro lado, “os opiáceos e os medicamentos antipsicóticos actualmente prescritos às crianças são mais perigosos. Esta é a única esperança das famílias!”, rematou Tamir Gedo.

O autismo é um distúrbio neurológico que tende a manifestar-se de forma gradual na infância e que persiste durante a adolescência e vida adulta. As perturbações revelam-se essencialmente nas dificuldades de comunicação, de interacção social e em comportamentos repetitivos ou interesses restritos, variando de intensidade consoante os casos e a evolução da doença. Segundo dados recentes da Organização Mundial de Saúde, as perturbações do espectro do autismo afectam uma em cada 160 crianças no mundo, mas de acordo com o Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos da América o autismo afecta uma em cada 68 crianças nos EUA.

Israel foi um dos primeiros países do mundo a permitir o uso de canábis medicinal, em 1992, e é pioneiro nas investigações e estudos sobre canábis como tratamento médico. Neste momento há mais de 110 estudos clínicos sobre a canábis em curso em Israel, o que torna este país o líder mundial na área. De salientar que duas das três plantações de canábis medicinal já autorizadas em Portugal são geridas por empresas israelitas.
_________________________________________________________________
(Imagem de destaque: Luke Tress, The Times of Israel)

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional2 dias atrás

Alemanha: Bundestag votou hoje a favor da legalização da canábis, mas ainda é necessária a aprovação do Conselho Federal

O Bundestag debateu e votou esta tarde o projecto da legalização do uso pessoal de canábis no país, com 407...

Internacional3 dias atrás

Alemanha: Legalização vai ser discutida esta sexta-feira, dia 23

O Bundestag da Alemanha vai finalmente deliberar sobre a legalização da canábis para consumo pessoal no país. O debate, que tem sido...

Cânhamo5 dias atrás

Cultivo de Cânhamo nos Açores vai ter sessão de esclarecimento na Ilha Terceira

A Confraria Internacional Cannabis Portugal e a CannAzores unem esforços para promover uma Sessão de Esclarecimento sobre o Cultivo de...

Saúde1 semana atrás

CBD e CBC mostram resultados promissores no carcinoma espinocelular de cabeça e pescoço

Um estudo publicado na revista Cancers descobriu que os extractos de canábis ricos em CBD (canabidiol) podem matar células cancerosas da...

Internacional1 semana atrás

Ucrânia: Zelensky assina projecto de lei para legalizar a canábis medicinal

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky assinou um projecto de lei que legaliza a canábis medicinal na Ucrânia, prevendo-se que os...

Nacional2 semanas atrás

Portugal: Associação Mães pela Canábis publica e-book sobre canábis medicinal

A Associação de Mães pela Canábis (AMC) anunciou o lançamento de um e-book intitulado “Fronteiras da Cannabis: CIÊNCIA, TERAPÊUTICA &...

Corporações3 semanas atrás

Akanda assina carta de intenção para vender RPK Biopharma à Somaí. “Será uma das poucas empresas verticais de canábis da UE”, diz Michael Sassano

A Akanda Corporation, uma empresa internacional de canábis medicinal cotada na Nasdaq (AKAN) e que detém a empresa portuguesa Holigen, anunciou...

Cânhamo3 semanas atrás

Portugal: DGAV admite que o CBD é a sua “grande dor de cabeça” e produtores reclamam utilização da planta inteira

A conferência “Cânhamo Industrial – o (Re)nascer da Fileira em Portugal” promovida pela Cânhamor e pela Consulai, que decorreu dia...

Internacional4 semanas atrás

Pensionista espanhol contorna segurança do aeroporto de Lisboa com 21 kg de canábis

Um pensionista espanhol de 63 anos foi detido em Malta, depois de aterrar no aeroporto num voo proveniente de Lisboa,...

Cânhamo4 semanas atrás

Portugal: O futuro do cânhamo industrial discute-se amanhã em Beja

  O auditório EDIA, em Beja, vai receber amanhã, dia 30 de Janeiro, a partir das 14 horas, uma ronda...