Connect with us
Publicidade
Publicidade

Internacional

Itália: A canábis light está mesmo proibida?

Publicado

em

No dia 30 de Maio foi conhecida a decisão do Supremo Tribunal da Cassação em Itália, relativamente aos produtos com baixo teor de THC derivados de cânhamo industrial. Como noticiou o CannaReporter, a decisão foi de retirar os produtos do mercado, no entanto especialistas mostram-se confiantes de que pouco mudará na indústria.

Em 2017, entrou em vigor em Itália uma lei com o intuito de promover o cultivo do cânhamo, a qual possibilitou o aparecimento no mercado de uma gama de produtos produzidos a partir de canábis industrial e que rapidamente popularizaram-se como “canábis light”, pela interpretação de vários especialistas de que estes produtos poderiam conter quantidades mínimas de THC.

Decisão judicial

A linguagem em questão diz que a venda de derivados de canábis como “folhas, flores, óleo e resina” não se encaixa nas permissões que a lei 242/2016 confere, que são o cultivo de cultivares incluídas no “Catálogo Comum de Variedades e Espécies Agrícolas da União Europeia” (Artigo 1) e uma lista limitada de usos possíveis (Artigo 2) que não inclui os usos mencionados anteriormente.

No entanto, o final do documento judicial contém uma excepção que aparentemente permite a comercialização de produtos que não têm um efeito intoxicante ou narcótico (em italiano: “saline che tali prodotti siano in concreto privi di efficacia drogante”). Esta pode ser uma condição suficiente para a indústria continuar operando como está, mas não existem certezas quanto a esta questão.

A decisão completa, que irá responder e clarificar todas estas questões, ainda não foi tornada pública, algo que se espera que venha a acontecer nas próximas semanas. Esta decisão do tribunal, no dia 30 de maio veio apenas algumas semanas depois da promessa de Matteo Salvini, vice-primeiro ministro e ministro do Interior, de fechar todas as lojas de “canábis light”.

Implicações legais

Giuseppe Libutti, um advogado especializado em canábis, disse à MJBizDaily: “O negócio da “Canábis light” não está previsto na lei civil (lei 242/2016) nem na lei penal (dpr 309/1990) usada para a decisão judicial e para justificar esta decisão. Isto significa que, teoricamente, os produtos de canábis não intoxicantes poderão ser vendidos, mesmo que não tenham origem em sementes certificadas do catálogo da UE.”

“Com relação à exceção ‘efficacia drogante’ que a decisão faz no final, a ciência médica estabeleceu que o limite é de 0,5% THC e foi reconhecido em sentenças anteriores deste Supremo Tribunal”, disse Libutti, esclarecendo que desde que os produtos finais permaneçam abaixo deste limite – como estão agora -, as vendas não devem ser proibidas.

“Neste momento, temos que permanecer calmos e esperar pela versão (da decisão) na íntegra para entender completamente os impactos. Tudo o resto é especulação”, disse ele.

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional6 horas atrás

Como vão funcionar as associações de canábis em Malta?

A Autoridade para o Uso Responsável de Canábis (ARUC), entidade Maltesa com responsabilidade na regulamentação da indústria legal e recreativa...

Corporações6 horas atrás

Organigram notificada pela Nasdaq por falhar valor mínimo de negociação

A Organigram Holdings Inc. foi notificada pela Nasdaq de que terá até ao próximo mês de Julho para atingir o...

Cânhamo1 dia atrás

EUA: FDA recusa regulamentar CBD devido a preocupações de segurança

A Food and Drug Administration (FDA) rejeitou iniciar o processo de regulamentação do CBD em produtos alimentares, por não considerar...

Internacional1 dia atrás

Hong Kong: Proibição do CBD entra em vigor a 1 de Fevereiro, com multas milionárias e penas de prisão perpétua

Hong Kong vai classificar oficialmente o Canabidiol (CBD) como uma “droga perigosa” já a partir desta quarta-feira, 1 de Fevereiro,  e...

Internacional4 dias atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações5 dias atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...

Internacional5 dias atrás

Malta: Registo para obter licenças de canábis inicia a 28 de Fevereiro

Já passou quase um ano desde que Malta aprovou a legislação para regulamentar o uso adulto da canábis, permitindo a posse...

Internacional6 dias atrás

França dá um passo em frente na legalização da canábis

O Conselho Económico, Social e Ambiental (Cese) de França propôs uma “legalização supervisionada” da canábis, num esforço para “ser orientado...

Comunicados de Imprensa6 dias atrás

Suíça: Linnea obtém licença para produção e exportação de API’s com alto teor de THC

A Linnea SA obteve a licença de narcóticos da Swissmedic, a equivalente suíça ao Infarmed I.P., tornando-a numa das primeiras...