Connect with us

internacional

Tailândia: Governo produz óleos e autoriza auto-cultivo de 6 plantas

Published

on

A Tailândia legalizou a utilização de canábis medicinal há 8 meses, no entanto, perante a falta de medicamentos à base de canábis, o governo produziu um lote de óleos que serão distribuídos pelos hospitais públicos e cuja prescrição pode começar de imediato. Um projecto piloto que permite o auto-cultivo de 6 plantas também já está em vigor.

Se tudo correr como planeado, os cidadãos tailandeses que são pacientes de cancro e de várias outras doenças e distúrbios podem começar a tomar as primeiras doses legais de canábis medicinal do país dentro de dias. Uma Organização Farmacêutica do Governo entregou seu primeiro lote de óleo de canábis ao Ministério da Saúde na semana passada, oito meses após a aprovação da canábis medicinal naquele país. A Tailândia tornou-se, no inicio de 2019, o primeiro país a legalizar a canábis como medicamento no Sudeste Asiático, uma região conhecida pelas suas duras leis antidrogas.

As garrafas, de 5 mililitros, estão a ser distribuidas por 12 hospitais em todo o país que, por sua vez, irão dispensá-las aos primeiros 4.000 pacientes registrados. Somsak Akkslip, diretor geral do Departamento de Serviços Médicos do Ministério da Saúde, declarou que esses hospitais poderiam começar a prescrever o medicamento.

Canábis apenas para uso medicinal

Apesar do recente lançamento do óleo de canábis medicinal, Anutin tem vindo a recuar daquilo que prometeu em campanha desde que assumiu o cargo, disse Chokwan Kitty Chopaka, da Highland Network, um grupo local a favor da legalização do uso recreativo. “não vejo a canábis para fins recreativos a ser legalizada num futuro próximo”, disse Chokwan.

Somsak concordou que havia pouco apetite para legalizar o uso recreativo entre os membros do novo governo, dominado por ex-generais e pelo partido pró-militar de Palang Pracharath. O partido democrata, tipicamente conservador, outro participante importante da coligação de governação, posicionou-se firmemente contra o consumo recreativo. Convencê-los a deixar que as famílias cultivem suas próprias plantas de canábis para venda no mercado médico será complicado, acrescentou, e só acontecerá se o projecto piloto com voluntários de saúde e cânhamo for bem-sucedido.

“Se conseguirmos fazer isto com qualidade, e se a população tailandesa tiver uma disciplina alta, podemos cultivar, quer dizer, as pessoas podem cultivá-la em casa”, disse Somsak. “Mas para isto é preciso algum tempo.”

Ainda assim, o diretor de serviços de saúde foi optimista quanto ao futuro da indústria tailandesa de canábis medicinal. “A canábis pode ser cultivada na Tailândia com muita facilidade, e acho que o nosso clima é muito bom para o cultivo de canábis, então acho que existe um enorme potencial muito alto”, disse Somsak Akkslip. Chokwan e Somsak afirmam que provavelmente serão necessários pelo menos três anos até que a Tailândia esteja pronta para exportar seu produto em termos de quantidade e qualidade. 

Bryan Arkaporn tem dúvidas relativamente à capacidade do governo 

Laboratório onde o governo tailandês irá cultivar canábis para fins medicinais

O executivo de 21 anos descobriu que tinha epilepsia há cinco anos, depois de desmaiar durante sua primeira convulsão em uma viagem de comboio no Japão. Actualmente e desde o ocorrido toma pílulas todos os dias para manter as convulsões sob controlo, mas também cultiva sua própria canábis para obter ajuda adicional e, ocasionalmente, compra óleo de canábis de um amigo que o produz.

Ele espera que o óleo de canábis do governo seja mais barato do que as pílulas que ele toma, por pouco mais de 5 Euros por dia, e que sejam melhores para o fígado a longo prazo. Mas os vídeos que o governo postou on-line das suas estufas e dos trabalhos no laboratório deixaram-lhe sem inspiração. “Se eu conheço alguém que faz preparações melhores, talvez eu escolha ir para o mercado negro”, disse ele.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *