Connect with us
Publicidade
Publicidade

Internacional

Ex-Primeira Ministra da Nova Zelândia apoia canábis recreativa

Publicado

em

A ex-primeira-ministra da Nova Zelândia, Helen Clark, pediu aos Kiwis (expressão que identifica internacionalmente os neozelandeses) que votem a favor da legalização da canábis para fins recreativos no referendo que ocorre no próximo ano.

Clark criou recentemente um grupo de reflexão chamado “The Helen Clark Foundation” e acaba de publicar um relatório chamado “The Case for YES”. No relatório, é recomendada a eliminação de condenações menores por canábis bem como a regulamentação de um mercado legal onde a canábis seja transacionada de maneira responsável.

“Não é este [o foco actual] um desperdício de tempo e dinheiro do sistema judiciário?”, Disse Helen Clark. “Será que a polícia não tem coisas melhores para fazer? Não teremos a capacidade de enfrentar a realidade de que 80% dos kiwis vão consumir canábis em algum momento de suas vidas?”

Clark liderou o país de 1999 a 2008, tendo sido a 37ª a ocupar o cargo de primeiro ministro. Se tivesse conseguido o quarto mandato, Helen Clark afirma que teria procurado legalizar o uso recreativo da canábis.

No entanto, o seu governo não avançou a política de canábis de maneira significativa, ao passo que o actual governo decidiu que os cidadãos é que devem escolher se o uso da canábis por adultos deve ser permitida. Os cidadãos poderão votar se a canábis recreativa deve ou não ser legalizada num referendo que ocorrerá no mesmo dia que a eleição geral neozelandesa (possivelmente daqui a um ano, por volta de Setembro de 2020).

A Nova Zelândia tem um dos níveis mais altos de consumo de canábis no mundo, de acordo com o World Drug Report. A Nova Zelândia legalizou o uso de canábis medicinal em 2017 e a indústria está começando a ganhar forma. A Helen Clark Foundation acredita que a Nova Zelândia deve seguir os passos do Uruguai, Canadá e vários estados dos EUA, que adoptaram uma atitude mais madura em relação ao uso de canábis.

Ela afirma que um voto “sim” em 2020 promoverá os objetivos de saúde pública e promoveria maior equidade social. Acrescenta que a proibição não funciona, não pode erradicar o consumo, e que é uma perda de tempo policial, que pune desproporcionalmente a comunidade indígena Maori.

A ex-primeira ministra, quer ver a Nova Zelândia a reconhecer o uso de canábis como uma questão social e de saúde pública, e não como criminal, tal como o modelo português defende. Clark insiste que a descriminalização não é suficiente e que a Nova Zelândia deve estudar os desenvolvimentos no Uruguai e na América do Norte antes de iniciar uma indústria comercial regulada.

Além destas medidas, Clark defende também que os indivíduos e comunidades que foram mais afetados pela proibição, devem de beneficiar das mudanças na lei, permitindo uma oportunidade justa de se tornarem vendedores de retalho e produtores. Clark deixou o alerta de que grandes conglomerados de canábis com fins lucrativos não deveriam dominar o cultivo e o comércio da Nova Zelândia.

 

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional15 horas atrás

High Tide e Sanity Group unem forças para a legalização na Alemanha

A High Tide Inc., uma empresa canadiana especializada na distribuição de acessórios para fumadores e produtos ligados ao consumo de...

Internacional19 horas atrás

Suíça iniciou vendas legais de canábis com software de rastreio focado na transparência

Após 6 meses de atraso, a Suíça está pronta a fazer história com a venda legal de canábis no país,...

Internacional20 horas atrás

Argentina cria Agência Regulatória da Indústria do Cânhamo e da Canábis Medicinal

A Argentina deu um passo ousado no sentido de se tornar um actor importante no mercado global da canábis, ao...

Internacional2 dias atrás

Como vão funcionar as associações de canábis em Malta?

A Autoridade para o Uso Responsável de Canábis (ARUC), entidade Maltesa com responsabilidade na regulamentação da indústria legal e recreativa...

Corporações2 dias atrás

Organigram notificada pela Nasdaq por falhar valor mínimo de negociação

A Organigram Holdings Inc. foi notificada pela Nasdaq de que terá até ao próximo mês de Julho para atingir o...

Cânhamo2 dias atrás

EUA: FDA recusa regulamentar CBD devido a preocupações de segurança

A Food and Drug Administration (FDA) rejeitou iniciar o processo de regulamentação do CBD em produtos alimentares, por não considerar...

Internacional3 dias atrás

Hong Kong: Proibição do CBD entra em vigor a 1 de Fevereiro, com multas milionárias e penas de prisão perpétua

Hong Kong vai classificar oficialmente o Canabidiol (CBD) como uma “droga perigosa” já a partir desta quarta-feira, 1 de Fevereiro,  e...

Internacional6 dias atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa7 dias atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações7 dias atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...