Connect with us

Entrevistas

Testemunho: “A canábis ajudou o meu filho a sobreviver a um tumor no cérebro”

Publicado

em

Ouvir este artigo

Residente num país da Europa Central onde a Canábis Medicinal ainda não foi aprovada, Bob passou pela situação mais difícil da sua vida, ao ser confrontado com o tumor cerebral do filho de 8 anos, em 2017. Esta é a sua história, contada na primeira pessoa. Os nomes são fictícios, para protecção das suas identidades.

“O meu nome é Bob e sou pai do Luke, de 11 anos.
O que vos vou contar a seguir pode ser algo que já tenham lido, ou talvez não.
Vou partilhar convosco a nossa jornada e todas as decisões difíceis que tivemos de tomar enquanto pais, depois de o nosso filho ter sido diagnosticado com um tumor no cérebro.

Tudo começou em Agosto de 2017.
O meu filho Luke, na altura com 8 anos de idade, começou a sofrer de dores de cabeça uma vez por semana, dores essas tão fortes que o faziam chorar e vomitar a toda a hora. Após a sua terceira dor severa, fomos ao hospital para consulta com um neurologista. Fez alguns exames e disse-nos que estava tudo bem com ele e que os sintomas se deviam a algum tipo de reacção alérgica sazonal. Porém, eu e a minha esposa insistimos que lhe fosse feita uma RM (Ressonância Magnética) e no dia seguinte a nossa vida mudou. Eu estava na RM com o Luke e, quando os médicos pararam o exame para lhe dar uma injecção de contraste, senti que algo estava mal. Alguns minutos depois, os meus piores medos tornaram-se realidade. Enquanto me dirigia ao encontro da minha esposa, que estava com o nosso filho de 3 anos ao colo, não sabia como lhe dizer que o Luke tinha um tumor cerebral. Seis dias depois, foi submetido a uma cirurgia na Alemanha e, graças a Deus, o nosso extraordinário neurocirurgião conseguiu remover o tumor por completo. Este foi o melhor desenlace e isto deu-nos o melhor prognóstico. Contudo, após a saída do relatório anatomopatológico, tivemos outro baque, porque a expectativa inicial era a de um Ependimoma de Grau I, mas revelou-se ser, afinal, um Ependimoma anaplásico de Grau 3. Em suma, foi assim que começou a nossa jornada.

Enquanto a minha mulher estava no hospital com o Luke, eu mal conseguia dormir. Passava o dia com eles, mas após as 18 horas não me era permitido ficar no hospital e então saía. Era nestes momentos que eu me fechava no quarto de hotel e passava a noite a escrever emails e a ler, a ler muito. Na semana seguinte, dormia cerca de duas a quatro horas por noite e tentei ganhar vantagem recolhendo informação sobre os próximos passos a seguir. Todos os dias conversava com a minha esposa sobre o que tinha aprendido na noite anterior.

Já ambos sabíamos que os passos seguintes seriam a radioterapia e a quimioterapia. Mas que tipo ao certo, e porquê, não sabíamos nessa altura. Comecei a pôr tudo em questão. Entretanto fomos dispensados do hospital e ficámos num hotel a 100 metros. Cinco dias depois, marquei uma consulta com o nosso principal oncologista pediátrico. O Departamento de Oncologia sugeriu-nos o protocolo padrão para cancro do cérebro, que inclui quimioterapia e radiação de fotões convencional. Graças a Deus que fizemos o trabalho de casa antes da consulta com o médico oncologista e estávamos preparados. Mostrei-lhe então três estudos científicos, nos quais se testava se a quimioterapia era benéfica para o tratamento do Ependimoma ou não. A conclusão era de que não era benéfica, apesar de ser ainda prescrita como protocolo padrão. Deste modo, rejeitámos a proposta, bem como a radiação de fotões e optámos pela terapia de protões, apoiados novamente em investigação científica e opiniões de neurocirurgiões e oncologistas pediátricos de topo do mundo inteiro.

A consulta estava marcada para as 10 horas da manhã. Cheguei 20 a 30 minutos mais cedo e aguardei. Neste período de tempo vi coisas que nunca mais esquecerei. Crianças pequenas a andar pelo corredor com os seus pais, a empurrar o suporte da quimioterapia. Observava-os e tentava conter o choro, apenas para não os deixar tristes. Chocou-me o ar deles. Já tinha lido sobre isso, mas agora estava a ter a experiência real. Nem consigo encontrar palavras para o descrever, não consigo. Olhar para aqueles anjinhos, que deveriam estar a brincar ao ar livre e a gozar a sua infância feliz… eles estavam a lutar pelo direito à vida, pelo seu único sonho… de se curar e viver como as outras crianças. Esta constatação estava a despedaçar-me o coração.

Por isso, perguntei-me: a quimioterapia é tão prejudicial, tão tóxica e basicamente destrói o teu corpo… como é possível que te cure? Torna-te ainda mais doente e, possivelmente, mata-te antes mesmo de o cancro o fazer. Li algures que só a própria quimioterapia já aumenta a possibilidade de recidiva e/ou, mais tarde, de desenvolvimento de outro tipo diferente de cancro em 20-30%. A radioterapia acrescenta mais 15-20%. Portanto, com os cuidados padrão que recebemos do tratamento, teremos 40-50% de aumento de hipótese de ter cancro.

De qualquer forma, às 10h a Oncologista chamou-me para conversar na sala de consultas. Não estava à espera da conversa que se seguiu, para ser franco. Ela mostrou-me uma folha com a descrição do protocolo padrão: cirurgia, seguida de quimioterapia e radioterapia de fotões. Comecei a fazer perguntas sobre o porquê de o devermos fazer e que experiência tinha de outros pacientes com o mesmo diagnóstico. Ela disse-me apenas: “Este é o protocolo que vamos seguir, porque não há outro”. Nesse momento, apercebi-me que ela não se importava com o meu herói. Éramos apenas o caso SEGUINTE, apenas mais uma pasta da estante. Interrompi-a e pedi-lhe para me fornecer provas de que todos aqueles tratamentos eram eficazes e benéficos. Tirei do casaco três estudos sobre casos semelhantes ao nosso, que mostravam que a quimioterapia não tinha bons resultados com o nosso diagnóstico e que não providenciava resultados estatísticos relevantes, comparado com grupos-controlo. Todos estudos científicos. Ela não acreditou no que eu estava a dizer e aborreceu-se comigo.

Ao mesmo tempo, recebi uma mensagem da minha mulher, a dizer que o Luke tinha desmaiado no quarto de hotel e que ia imediatamente com ele para o hospital. Este foi o ponto de viragem e o momento em que a minha família precisava mais de mim do que da Oncologista. Por isso, basicamente disse à médica: “Ouça, eu conversei sobre isto com a minha mulher e decidimos rejeitar a quimioterapia como opção, com base nos dados e relatórios científicos que temos. Estou a mostrar-lhe três estudos científicos relativos à quimioterapia e ao facto de ela não funcionar. Peço-lhe para me mostrar apenas um relatório. Um relatório apenas e eu concordo consigo. Assinamos os documentos e começamos a quimioterapia de imediato.” Nesse momento, disse-me: “Ouça, Bob, eu concordo consigo. Mas mesmo que não haja provas de resultados que se adequem ao seu diagnóstico, quero atacar o cancro com tudo o que temos, com punho de ferro.”

Tudo o que me ocorria eram aquelas crianças no corredor com a “quimio” presa aos braços ou ao peito. Por isso, eu queria era terminar a conversa e correr para o hospital, não sabendo ao certo o que se estava a passar com o Luke. Assim, disse-lhe: “Rejeito o vosso protocolo! Não faremos a “quimio” nem os fotões. Queremos a terapia de protões (algo que não estava disponível naquele hospital). Assinámos os documentos e voltei ao hospital. Por sorte, o meu filho teve apenas um ligeiro colapso do sistema nervoso vegetativo, devido à sua extraordinária recuperação pós-cirúrgica. Ficaram mais dois dias no hospital. A seguir, fomos a outra instituição, que nos facultava terapia de protões. Quero acrescentar que não rejeitámos a terapia de fotões sem mais nem menos. Baseámo-nos na comunicação pessoal com vários neurocirurgiões pediátricos de renome do mundo inteiro. Todos me disseram: se tiver essa hipótese, escolha a terapia de protões. É a melhor opção de terapia de radiação para crianças. Por isso, seis semanas após a cirurgia, começámos a terapia de protões.

Ao longo destas semanas de correria e burocracia na preparação para o tratamento, continuei a ler e a pesquisar sobre aquilo que poderíamos fazer para ajudar o meu anjinho e para o curar. Espiolhei todos os scams na internet e diferentes opções de terapia. Eram, na sua maioria, fraudes, na tentativa de sugar o teu dinheiro, porque sabem quão desesperada uma pessoa se encontra numa situação destas. Toda a gente me fazia recomendações de terapias e protocolos alternativos. Tinha medo de rejeitar qualquer um que fosse. Por isso, pesquisei um por um e acabei por rejeitá-los todos. Senti-me desamparado, a dado momento. Tudo era scam e desprovido de base científica de relevo. Este foi o momento em que me senti desesperado, porque nada parecia funcionar.

Uns dias depois, um amigo perguntou-me se já tinha explorado a opção do óleo de Canábis. Depois outros, independentemente, fizeram-me a mesma pergunta. Pensei: “Bem, ouvi tanto disparate ultimamente, por que não tentar mais uma vez?” E foi assim que tudo começou. Inicialmente, comecei a ler e a ver algumas histórias incríveis de sucesso na internet. Em seguida, virei-me para a ciência e para o trabalho de pesquisa científica. Pela primeira vez, em algum tempo, vi uma luz ao fundo do túnel. Comecei a telefonar e a enviar emails com questões a uma série de pessoas envolvidas na investigação científica sobre a Canábis. Depois de quase um mês de leituras e pesquisas sobre canábis medicinal, decidimos começar com o óleo. O Luke começou a tomá-lo durante a radioterapia, visto que, em vários trabalhos de pesquisa, era dito que aquele poderia potenciar o efeito da terapia padrão e tornar as células cancerígenas mais sensíveis às radiações.

Após os primeiros seis meses, decidi que necessitávamos de aumentar o protocolo de óleo de Canábis e levá-lo ao nível seguinte, ao adicionar folhas de Canábis frescas à sua dieta. Comecei a ir ao maior número e variedade possível de conferências sobre Canábis medicinal para recolher mais dados, mais investigação, e para conhecer os investigadores em pessoa. Um ano mais tarde, consegui incluir igualmente, no nosso protocolo, os canabinóides THCA E CBDA, aproveitando tudo o que a planta tem para oferecer. Assim, o nosso protocolo passou de CBD e THC para CBD, CBDA, THC, THCA e sumo de folhas frescas de Canábis. Usamos diferentes laboratórios para testar cada lote para o nosso herói e para nos certificarmos com 100% de precisão da quantidade exacta, em miligramas, que ele deve tomar. No início, obtínhamos o CBD e o THC de diferentes fornecedores. O problema residia no facto de as concentrações do óleo serem sempre diferentes. Tínhamos que lidar, por vezes, com fornecedores ilegais, unicamente para podermos obter o medicamento de que o Luke tanto necessitava, sem sabermos ao certo o que nos vinha parar às mãos, o processo pelo qual era extraído, etc. Seria tão mais simples se, ao menos, pudéssemos ter a hipótese de conseguir o óleo de laboratórios legais ou fornecedores com métodos e certificações rastreáveis. Para além disso, mesmo que fosse legal, seria difícil o fornecimento de matéria-prima para o sumo da folha fresca de Canábis e para as preparações de CBDA e THCA. Infelizmente, tal não era possível.

No meu país, tudo o que esteja relacionado com a Canábis é ilegal e eu arriscava a prisão. Num milissegundo, a minha decisão foi clara. A minha única opção era tratar o Luke ilegalmente. Comecei a aprender a cultivar o medicamento e a fazer o processo todo sozinho. Conheço o meu medicamento da semente até ao produto final. Testo a potência de cada lote com cromatografia gasosa e fazemos testes de pesquisa de agentes patogénicos a tudo. Nos últimos dois anos, o Luke toma o medicamento feito por nós mesmos. Ultimamente, o Luke quis participar no cultivo das suas próprias plantas e deu-lhes nomes. Hoje em dia, cultivamo-las juntos, porque ele insistiu em envolver-se no processo.

Estarei a fazer algo de errado? De forma alguma. Estou orgulhoso do que faço e da razão pela qual o faço. Para que conste, uso a Canábis apenas com intuito medicinal, não recreativo. Só tenho este sentimento mau e permanente de ter que esconder, cultivar e extrair como se fosse um criminoso. Isto não está certo. Deveria ser legal e acessível a todos os que precisassem. Precisamos também urgentemente de profissionais qualificados para aconselhamento. Os governos deveriam investir mais em investigação sobre Canábis medicinal. Temos já tanta informação e pesquisa, mas precisamos de muito mais, não para amanhã, mas para hoje! Com o nosso diagnóstico, as hipóteses de recidiva durante o primeiro ano são de 60% e decrescem com o tempo.

Estávamos hesitantes, no início, acerca de partilharmos o nosso protocolo com a nossa médica (neurocirurgiã) mas, a dado momento, decidimos avançar e contar-lhe tudo o que estávamos a fazer. Disponibilizámos-lhe, igualmente, relatórios científicos, uma vez que não estava familiarizada com o assunto. Desde esse dia, começou a apoiar-nos, ao ver os resultados. A cirurgia foi já há dois anos e meio, com exames de RM a cada 3-6 meses. Que posso dizer? Até agora tudo bem. De algum modo recuperámos as nossas vidas. Apesar de tudo, a nossa vida mudou e não a teremos de volta tal como ela era. Se isto é bom ou não, é difícil afiançar, mas aprendemos a usufruir e a apreciar cada momento. O nosso herói faz ski, joga ténis e tem ganho torneios no seu grupo etário. É um dos melhores alunos da sua turma do 6º ano.

Começámos a apoiar outras famílias em situações semelhantes à nossa, partilhando informação, pesquisas e conselhos práticos baseados na experiência pessoal. Tivemos que atravessar este deserto sozinhos, de raiz. Desde que possamos indicar a outras pessoas alguns atalhos neste longo percurso, sem necessidade de terem de o percorrer na íntegra, como nós tivemos de fazer, ficamos felizes e tudo o que fazemos ganha ainda mais sentido. Ao longo deste processo, conhecemos inúmeras famílias a administrar óleo de Canábis aos seus filhos e, quase sem excepção, relatam resultados extraordinários. Claro que isto não é uma panaceia e não funciona a 100% com todas as pessoas, mas o que é que o faz, neste mundo?

Por último, mas não menos importante: da nossa experiência, vejo três tipos de caminho trilhados pelos doentes oncológicos:

1 – a via tradicional – crêem em tudo o que o médico diz, sem questionar. Aceitam todas as terapias que a medicina tradicional tem para oferecer e rejeitam liminarmente as terapias alternativas;

2 – a via alternativa – acreditam no poder da natureza e na experiência acumulada ao longo de milhares de anos. Ao mesmo tempo, recusam totalmente as terapias tradicionais, uma vez que não acreditam nelas.

3 – abordagem mista – tentam obter os melhores e os mais comprovados métodos das medicinas tradicionais e alternativas. Admito que nós fazemos parte do grupo misto. Acreditamos que conseguimos retirar o melhor das terapias e do conhecimento, tanto tradicional, como alternativo.

Hoje tentamos viver como antes e aprendemos a apreciar cada dia. O nosso herói está a sair-se muito bem e, à excepção da cicatriz da cirurgia na cabeça, é impossível imaginar aquilo por que passou. Posso apenas sugerir a todas as famílias numa situação semelhante: questionem e exijam respostas dos vossos médicos. Façam as devidas diligências e não parem até ter informação suficiente para tomar a vossa decisão. Devem estar confortáveis com cada decisão que tomam. Espero que a nossa história dê força e energia a todos os que estiverem a passar por este desafio na vida.”

Bob & Luke

“O objectivo das nossas vidas é sermos felizes.” – Dalai Lama

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Licenciada em Jornalismo pela Universidade de Coimbra, Laura Ramos é Jornalista desde 1998, tendo desempenhado funções de redactora e repórter em vários meios de comunicação (RTP, Euronotícias, BiT, A Capital, Sábado, JN). Foi correspondente do Jornal de Notícias em Roma, Itália, em 2004/2005, altura em que fez uma pós-graduação em Fotografia Profissional no Istituto Europeo di Design de Roma. De 2006 a 2009 foi Assessora de Imprensa no Gabinete da Ministra da Educação e criou o arquivo fotográfico de street-art “O que diz Lisboa?”. Co-fundadora do jornal A Folha — Cultura Canábica para Adultos (2008) e da CannaPress (2017), Laura Ramos é actualmente Editora do CannaReporter e da Cannadouro Magazine, tendo realizado o documentário “Pacientes”, sobre os utilizadores de canábis medicinal em Portugal. Fundadora e directora de programa das conferências internacionais de cannabis medicinal PTMC - Portugal Medical Cannabis (2018), Laura integrou ainda a equipa de organização da primeira Pós-Graduação em GMP’s para Canábis Medicinal (2019), em parceria com o Laboratório Militar de Produtos Químicos e Farmacêuticos e a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.

2 Comments
Subscribe
Notify of

2 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Roselyn
3 anos atrás

Olá a todos, meu nome é Sra. Roselyn Mendoza e sou da Califórnia, burbanks, e estou aqui para compartilhar meu testemunho sobre como fui ajudado pelo Sr. Rick Simpson que me ajudou com o óleo de cannabis que me curou do câncer Estou sofrendo há 4 anos, quero aproveitar esta oportunidade para agradecê-lo por me ajudar e nunca acreditei nisso e nunca pensei que o óleo seria entregue a mim como ele prometeu, quero dizer a todos que estão tentando obter este óleo para entrar em contato com Rick Simpson para seu óleo agora

via Email=ricksimpsonoil247@outlook.com

via Whatsapp = + 12048180190

Cumprimentos….

Roselyn Mendoza

3 anos atrás

Olá, a minha mãe tem um ependimoma e já toma o CBD há 3meses, e ainda não nota melhoras. Ao fim de quanto tempo é que começam a notar melhoras?

Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Comunicados de Imprensa4 dias atrás

Cannabis Europa recebe líderes europeus e norte-americanos em Londres para capitalizar o mercado europeu da canábis

A indústria norte-americana de canábis está a criar um movimento significativo através do Atlântico, à medida que os líderes deste...

Internacional1 semana atrás

Polícia alemã esclarece que não sugeriu consumo de canábis (em vez de álcool) aos adeptos ingleses do Euro 2024

A polícia de Gelsenkirchen, na Alemanha, foi citada numa notícia onde afirmou que as atenções estariam mais centradas nos adeptos...

Eventos1 semana atrás

Substâncias sintéticas ameaçam enorme sucesso da Mary Jane Berlin

Era expectável que esta edição da Mary Jane Berlin fosse a maior concentração de sempre da comunidade da canábis na...

Nacional1 semana atrás

ICAD promove inquérito europeu sobre consumo de drogas em Portugal

O Instituto para os Comportamentos Aditivos e as Dependências (ICAD) iniciou a 4ª edição do European Web Survey on Drugs...

Eventos2 semanas atrás

Maren Krings, autora do livro “H is for Hemp”, apresenta documentário sobre a Ucrânia hoje, em Lisboa

Maren Krings, fotojornalista e autora do livro “H is for Hemp” está hoje em Lisboa para apresentar o seu novo...

Internacional2 semanas atrás

EUA: Pediatra Bonni Goldstein lança petição contra a proibição de medicamentos de CBD natural na Califórnia

A pediatra norte-americana Bonni Goldstein está a alertar para a tentativa de proibição de medicamentos derivados de CBD natural na...

Internacional2 semanas atrás

Europa tem quase 23 milhões de utilizadores de canábis, a mais consumida de todas as substâncias ilícitas

A canábis continua a ser, de longe, a substância ilícita mais consumida na Europa. Estas são as conclusões do “Relatório...

Eventos2 semanas atrás

Mary Jane celebra a cultura da canábis legal pela primeira vez na Alemanha

É já no próximo fim-de-semana, de 14  16 de Junho, que se realiza a já habitual Mary Jane, na Messe...

Eventos3 semanas atrás

CB Club reúne profissionais da canábis antecipando a Mary Jane, em Berlim

A antecipar a CB Expo (Cannabis Business Expo and Conference), que acontecerá em Dortmund, em Setembro, a CB Company vai...

Reportagem3 semanas atrás

África do Sul: a legalização de uma indústria que já prospera

Nas semanas que antecederam as eleições para Assembleia Geral na África do Sul, na passada quarta-feira, 29 de Maio, havia...