Connect with us
Publicidade
Publicidade

internacional

Estudo: Consumo de CBD não afecta a condução

Publicado

em

Foto: Why Kei - Unsplash

Um estudo pioneiro da Universidade de Sidney, publicado no passado dia 2 de Dezembro no Journal of the American Medical Association, revela que o consumo de canabidiol (CBD) não afecta a condução. O mesmo estudo concluiu também que doses moderadas de THC resultam numa incapacidade ligeira para conduzir, podendo equiparar-se ao consumo de álcool, sendo que os efeitos perduram até quatro horas após o uso.

A investigação, levada a cabo pela Lambert Initiative for Cannabinoid Therapeutics na Universidade de Maastricht, na Holanda, demonstrou que o CBD, o canabinóide mais utilizado para fins medicinais, não tem um impacto perceptível ou mensurável na capacidade de resposta dos condutores.

Este é o primeiro estudo dedicado à relação directa entre o consumo de canábis e a condução e torna-se particularmente importante por analisar os efeitos de tomar CBD e THC em separado. Para Thomas Arkell, que liderou o estudo, as conclusões “indicam, pela primeira vez, que o CBD, quando tomado sem THC, não afecta a capacidade do indivíduo para conduzir, o que são “boas notícias para quem usa ou considera fazer tratamentos com produtos à base de CBD”, conclui.

Tendo em conta o crescente número de utilizadores destas substâncias a nível global para o tratamento de doenças como a epilepsia, a ansiedade ou a dor crónica, este estudo acaba por se revelar fundamental, podendo tornar-se uma ferramenta muito útil para as autoridades que, eventualmente, terão de definir limiares de consumo permitidos, e mesmo para os consumidores que precisem de saber até que ponto a utilização destes produtos pode afectar o seu dia-a-dia.

Estudo é importante para os consumidores se sentirem mais seguros enquanto conduzem

Para Ian McGregor, director académico da Lambert Initiative, “este resultado deve reconfortar as pessoas que usam produtos só com CDB, porque indica que muito provavelmente podem conduzir em segurança, enquanto também ajuda os pacientes que usam produtos com base predominante de THC a perceberem quanto tempo dura o seu efeito”.

A metodologia usada envolveu 26 participantes saudáveis, a quem foram dados quatro tipos de canábis diferentes (com mais THC, com mais CBD, ambos combinados ou um placebo) de forma aleatória para vaporizar em quatro ocasiões distintas. Foi avaliado o desempenho de cada participante após 40 minutos e após 4 horas da toma, durante cerca de 1 hora de cada vez, ao longo de 100 quilómetros, numa auto-estrada pública. A quantidade de THC dada foi suficiente para provocar intoxicação intensa.

Todos os testes foram realizados em carros de escolas de condução, com um instrutor profissional presente. Foi medido também o desvio padrão da posição do veículo (que aumenta com o consumo de álcool e de algumas drogas como o Valium), os número de mudanças de faixa, de desvios e de correcções da marcha. 

Publicidade

Mais recentes

internacional1 dia atrás

Zimbabwe: Presidente pede 27 milhões de canábis medicinal à Swiss Biocieuticals

O Presidente do Zimbabwe, Emmerson Mnangagwa, comissionou a empresa de canábis medicinal Swiss Biocieuticals a produzir cerca de 27 milhões de...

Opinião5 dias atrás

A canábis pode ajudar a estudar?

No mundo contemporâneo, entrar na Universidade tornou-se sinónimo de “futuro”, ao mesmo tempo que também se podem viver as primeiras experiências...

internacional1 semana atrás

Tailândia: Ministro da Saúde quer oferecer um milhão de plantas de canábis à população

O Ministro da Saúde Pública da Tailândia, Anutin Charnvirakul, surpreendeu, mais uma vez, o mundo, ao anunciar que quer oferecer...

Opinião1 semana atrás

O papel da Enfermagem no cuidado ao paciente submetido a tratamento com canabinóides

Hoje, dia 12 de Maio, assinala-se o Dia Mundial do Enfermeiro. De acordo com o código ético e deontológico de...

Opinião1 semana atrás

Legalização da canábis em Nova York: Equidade social e económica no licenciamento e extinção de condenaçãoCannabis Legalization in New York: Social & Economic Equity Licensing and Conviction Expungement

A aplicação draconiana anti-canábis, perseguida ao longo dos anos nos Estados Unidos, é uma das coisas mais insanas que uma...

Dá-me música!2 semanas atrás

Playlist da Canábis: #2 – Peter Tosh – “Legalize it”

A pedido dos leitores – porque também vos ouvimos – a seguinte entrada na nossa playlist é o hino pró-legalização...

Eventos2 semanas atrás

PTMC – Portugal Medical Cannabis regressa em 2022 a Lisboa e à Madeira

A PTMC – Portugal Medical Cannabis está de volta! Lisboa – 16 e 17 de Junho – Auditório dos Contabilistas...

internacional2 semanas atrás

Alemanha: Ministro da Saúde vai avançar com a legalização do uso adulto de canábis

O Ministro da Saúde alemão, Karl Lauterbach, anunciou ontem novas medidas sobre a assistência médica na Alemanha, onde incluiu a...

Entrevistas2 semanas atrás

Tej Virk tem uma mensagem para o Governo Português: “Legalizem antes da Alemanha!”

Tej Virk, CEO da Akanda Corporation, que recentemente adquiriu a portuguesa Holigen por 26 milhões de euros, ganhou reputação no espaço global...

internacional3 semanas atrás

Depois da Itália, Curaleaf obtém licença para medicamentos à base de extractos de canábis em Malta

A Curaleaf International obteve licença para uma linha de medicamentos à base de extractos de canábis em Malta. A gama de...

Publicidade