Connect with us
Publicidade
Publicidade

Corporações

EUA: Rédea curta para empresas que fazem alegações de saúde em produtos com CBD

Publicado

em

Foto: D.R.

A Comissão Federal de Comércio (Federal Trade Comission, FTC) realizou as suas primeiras acções de coacção contra as empresas que comercializam produtos com CBD com alegações de benefícios para a saúde, acusando seis empresas de utilização de publicidade enganosa. A aplicação faz parte da Operação CBDeceit e visa as empresas que fizeram afirmações não comprovadas sobre a capacidade dos seus produtos para tratar doenças e condições médicas como o cancro, diabetes ou doença de Alzheimer.

Durante os últimos anos, a quantidade de produtos com CBD na sua composição tem vindo a aumentar, não só nas lojas americanas mas também em todo o mundo, nomeadamente Portugal. Como resultado, têm surgido vários tipos de marcas e produtos com alegações de saúde não comprovadas, seja nos rótulos de produtos com CBD ou nos websites onde são vendidos. As acções da FTC são uma forma de combater esta situação e a agência tem como objectivo veicular uma mensagem: o novo mercado está sujeito às mesmas leis e medidas de fiscalização que o mercado já estabelecido.

Empresas visadas por notificação para alegações não comprovadas chegam a acordo e pagam multa

As empresas acusadas pela FTC fizeram acordos e pagaram multas pelas falsas alegações. “Os seis acordos anunciados hoje enviam uma mensagem clara para a crescente indústria de CBD: não façam alegações falsas de saúde que não sejam apoiadas pela ciência médica”, disse Andrew Smith, director do Gabinete de Protecção do Consumidor da FTC, no comunicado de 17 de dezembro que anunciou a acção. “Caso contrário, não se surpreenda se você tiver notícias da FTC.”

Em Portugal é possível encontrar alegações de saúde em vários produtos com óleo de sementes de cânhamo

Leslie Fair, advogada sénior do gabinete, foi mais longe e escreveu num blog da agência publicado naquele dia. “ ‘É o Velho Oeste lá fora!’. Quantas vezes é que já ouviu essa declaração sobre alegações de saúde para produtos que contêm CBD? Mas o problema é o seguinte: não é o Velho Oeste”, escreveu ela. “Na verdade, as alegações relacionadas à saúde de produtos contendo CBD estão sujeitas aos mesmos requisitos estabelecidos de comprovação científica que a FTC aplica há décadas a qualquer alegação de saúde anunciada.”

As seis empresas – Bionatrol Health, LLC, CBD Meds, Inc., Epichouse LLC, HempmeCBD, Reef Industries Inc. e Steves Distributing, LLC – fizeram alegações de saúde sem as evidências científicas necessárias. Cada empresa fez um acordo com o governo e foi obrigada a encerrar todas as propagandas enganosas e notificar os consumidores sobre o acordo com a FTC. Além disso, foram aplicadas às cinco empresas multas que variam de entre 20 a 85 mil dólares.

De acordo com o comunicado da agência, as empresas visadas estão também proibidas de fazer qualquer alegação de prevenção, tratamento ou segurança no futuro, a menos que tenham ensaios clínicos em humanos para o comprovar. As empresas também devem ter “evidências científicas competentes e confiáveis” para apoiar quaisquer outros tipos de alegações de saúde.

Em Portugal também há publicidade enganosa, mas autoridades não actuam

Em Portugal, as alegações de saúde (ou indicações terapêuticas) também estão a ser indevidamente utilizadas, nomeadamente em produtos à base de óleo de sementes de cânhamo que estão à venda em lojas de produtos naturais e farmácias e que induzem os consumidores portugueses em erro, até porque estes produtos não contêm CBD. O Cannareporter alertou para esta questão em Maio de 2019 e, na altura, o OPCM – Observatório Português de Canábis Medicinal alertou a Direcção Geral do Consumidor e a ASAE para esta situação, mas não obteve qualquer resposta.

Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional6 horas atrás

Como vão funcionar as associações de canábis em Malta?

A Autoridade para o Uso Responsável de Canábis (ARUC), entidade Maltesa com responsabilidade na regulamentação da indústria legal e recreativa...

Corporações7 horas atrás

Organigram notificada pela Nasdaq por falhar valor mínimo de negociação

A Organigram Holdings Inc. foi notificada pela Nasdaq de que terá até ao próximo mês de Julho para atingir o...

Cânhamo1 dia atrás

EUA: FDA recusa regulamentar CBD devido a preocupações de segurança

A Food and Drug Administration (FDA) rejeitou iniciar o processo de regulamentação do CBD em produtos alimentares, por não considerar...

Internacional1 dia atrás

Hong Kong: Proibição do CBD entra em vigor a 1 de Fevereiro, com multas milionárias e penas de prisão perpétua

Hong Kong vai classificar oficialmente o Canabidiol (CBD) como uma “droga perigosa” já a partir desta quarta-feira, 1 de Fevereiro,  e...

Internacional4 dias atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações5 dias atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...

Internacional5 dias atrás

Malta: Registo para obter licenças de canábis inicia a 28 de Fevereiro

Já passou quase um ano desde que Malta aprovou a legislação para regulamentar o uso adulto da canábis, permitindo a posse...

Internacional6 dias atrás

França dá um passo em frente na legalização da canábis

O Conselho Económico, Social e Ambiental (Cese) de França propôs uma “legalização supervisionada” da canábis, num esforço para “ser orientado...

Comunicados de Imprensa6 dias atrás

Suíça: Linnea obtém licença para produção e exportação de API’s com alto teor de THC

A Linnea SA obteve a licença de narcóticos da Swissmedic, a equivalente suíça ao Infarmed I.P., tornando-a numa das primeiras...