Connect with us
Publicidade
Publicidade

Entrevistas

Paulo Tavares: “A canábis medicinal deve ser fornecida gratuitamente aos doentes”

Publicado

em

Foto: D.R.

Médico Oncologista do Serviço de Oncologia do Hospital da Universidade de Coimbra, Paulo Freitas Tavares nasceu em Outubro de 1961 e licenciou-se em Medicina pela Universidade de Coimbra em 1985. Há mais de 30 anos que Paulo Tavares aconselha a utilização de canábis aos seus doentes oncológicos, monitorizando e orientando o seu consumo.

Especialista em Hematologia Clínica desde 1993 e em Oncologia Médica desde 1997, Paulo Tavares é também consultor em Hematologia Clínica. Trabalha essencialmente como Oncologista e é responsável pela Unidade de Tumores do Aparelho Locomotor do CHUC (Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra), nomeada “Centro de Referência de Oncologia de Adultos — Sarcomas das Partes Moles e Ósseos” e integrante da European Reference Network (ERN EURACAN). Deu entrevistas na rádio e na televisão e foi convocado como perito por tribunais sobre a importância da utilização médica de uma substância proibida na altura.

No seguimento da notícia da aprovação das flores de canábis com 18% de THC em Portugal, as primeiras a serem autorizadas pelo Infarmed, enviámos algumas questões a Paulo Freitas Tavares, para saber de que modo as poderá utilizar na sua prática clínica.

Na sua opinião, o que representa a aprovação deste primeiro produto no mercado?
Estou espantado com esta aprovação face à informação apresentada. Tudo é estranho. Desde ser uma empresa canadiana a viver de fundos europeus até conseguir plantas com <1% de CBD seguramente por engenharia genética. Não é este o produto que os doentes precisam, e atrevo-me a dizer que até pode ser perigoso. Na canábis é sabido que é a mistura de vários canabinóides naturais que a tornam eficaz e segura, contrariando uns os efeitos secundários de outros.

O folheto para os profissionais de saúde tem toda a informação de que precisa para prescrever?
É claro e notório que não. Os médicos necessitam saber a composição exacta da preparação, saber todos os compostos presentes e em que quantidades. No caso da canábis, conhecer detalhadamente o conteúdo em canabinóides e terpenos. Para além disso, é de boa norma assegurar que foram analisados e não encontrados vários possíveis contaminantes, como metais pesados, pesticidas, bactérias ou fungos.

Quantos pacientes é que estima que possam vir a beneficiar dele?
Prescrito por mim, nenhum.

Qual o preço de venda ao público que, na sua perspectiva, seria o mais acessível e adequado a este tipo de produto?
Defendo que a canábis medicinal, dada a sua importância, deve ser fornecida gratuitamente aos doentes pelas farmácias hospitalares sob prescrição médica. Exactamente como é feito para a maioria dos tratamentos do cancro, das hepatites, da SIDA. O doente não paga nada.

Que outros produtos espera ver aprovados no futuro em Portugal ou quais são os que neste momento mais falta fazem aos pacientes?
Os doentes precisam de uma boa canábis natural, criada ao ar livre, sem pesticidas nem contaminantes e com toda a panóplia de canabinóides que ela possui. Sempre com informação completa da composição! A canábis como produto agrícola terá variações com os terrenos, as sementes usadas, e no mesmo terreno e com a mesma semente, será diferente em cada colheita, como o vinho.

Tem uma ideia de quantos dos seus pacientes beneficiam actualmente de canábis e como a adquirem?
Tenho dezenas de doentes que têm de utilizar canábis para sobreviver e que infelizmente têm que a comprar no mercado negro, a preços especulativos.

Publicidade

Mais recentes

internacional2 dias atrás

Zimbabwe: Presidente pede 27 milhões de canábis medicinal à Swiss Biocieuticals

O Presidente do Zimbabwe, Emmerson Mnangagwa, comissionou a empresa de canábis medicinal Swiss Biocieuticals a produzir cerca de 27 milhões de...

Opinião7 dias atrás

A canábis pode ajudar a estudar?

No mundo contemporâneo, entrar na Universidade tornou-se sinónimo de “futuro”, ao mesmo tempo que também se podem viver as primeiras experiências...

internacional1 semana atrás

Tailândia: Ministro da Saúde quer oferecer um milhão de plantas de canábis à população

O Ministro da Saúde Pública da Tailândia, Anutin Charnvirakul, surpreendeu, mais uma vez, o mundo, ao anunciar que quer oferecer...

Opinião1 semana atrás

O papel da Enfermagem no cuidado ao paciente submetido a tratamento com canabinóides

Hoje, dia 12 de Maio, assinala-se o Dia Mundial do Enfermeiro. De acordo com o código ético e deontológico de...

Opinião2 semanas atrás

Legalização da canábis em Nova York: Equidade social e económica no licenciamento e extinção de condenaçãoCannabis Legalization in New York: Social & Economic Equity Licensing and Conviction Expungement

A aplicação draconiana anti-canábis, perseguida ao longo dos anos nos Estados Unidos, é uma das coisas mais insanas que uma...

Dá-me música!2 semanas atrás

Playlist da Canábis: #2 – Peter Tosh – “Legalize it”

A pedido dos leitores – porque também vos ouvimos – a seguinte entrada na nossa playlist é o hino pró-legalização...

Eventos2 semanas atrás

PTMC – Portugal Medical Cannabis regressa em 2022 a Lisboa e à Madeira

A PTMC – Portugal Medical Cannabis está de volta! Lisboa – 16 e 17 de Junho – Auditório dos Contabilistas...

internacional2 semanas atrás

Alemanha: Ministro da Saúde vai avançar com a legalização do uso adulto de canábis

O Ministro da Saúde alemão, Karl Lauterbach, anunciou ontem novas medidas sobre a assistência médica na Alemanha, onde incluiu a...

Entrevistas3 semanas atrás

Tej Virk tem uma mensagem para o Governo Português: “Legalizem antes da Alemanha!”

Tej Virk, CEO da Akanda Corporation, que recentemente adquiriu a portuguesa Holigen por 26 milhões de euros, ganhou reputação no espaço global...

internacional3 semanas atrás

Depois da Itália, Curaleaf obtém licença para medicamentos à base de extractos de canábis em Malta

A Curaleaf International obteve licença para uma linha de medicamentos à base de extractos de canábis em Malta. A gama de...

Publicidade