Connect with us
Publicidade
Publicidade

Entrevistas

Paulo Tavares: “A canábis medicinal deve ser fornecida gratuitamente aos doentes”

Publicado

em

Foto: D.R.

Médico Oncologista do Serviço de Oncologia do Hospital da Universidade de Coimbra, Paulo Freitas Tavares nasceu em Outubro de 1961 e licenciou-se em Medicina pela Universidade de Coimbra em 1985. Há mais de 30 anos que Paulo Tavares aconselha a utilização de canábis aos seus doentes oncológicos, monitorizando e orientando o seu consumo.

Especialista em Hematologia Clínica desde 1993 e em Oncologia Médica desde 1997, Paulo Tavares é também consultor em Hematologia Clínica. Trabalha essencialmente como Oncologista e é responsável pela Unidade de Tumores do Aparelho Locomotor do CHUC (Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra), nomeada “Centro de Referência de Oncologia de Adultos — Sarcomas das Partes Moles e Ósseos” e integrante da European Reference Network (ERN EURACAN). Deu entrevistas na rádio e na televisão e foi convocado como perito por tribunais sobre a importância da utilização médica de uma substância proibida na altura.

No seguimento da notícia da aprovação das flores de canábis com 18% de THC em Portugal, as primeiras a serem autorizadas pelo Infarmed, enviámos algumas questões a Paulo Freitas Tavares, para saber de que modo as poderá utilizar na sua prática clínica.

Na sua opinião, o que representa a aprovação deste primeiro produto no mercado?
Estou espantado com esta aprovação face à informação apresentada. Tudo é estranho. Desde ser uma empresa canadiana a viver de fundos europeus até conseguir plantas com <1% de CBD seguramente por engenharia genética. Não é este o produto que os doentes precisam, e atrevo-me a dizer que até pode ser perigoso. Na canábis é sabido que é a mistura de vários canabinóides naturais que a tornam eficaz e segura, contrariando uns os efeitos secundários de outros.

O folheto para os profissionais de saúde tem toda a informação de que precisa para prescrever?
É claro e notório que não. Os médicos necessitam saber a composição exacta da preparação, saber todos os compostos presentes e em que quantidades. No caso da canábis, conhecer detalhadamente o conteúdo em canabinóides e terpenos. Para além disso, é de boa norma assegurar que foram analisados e não encontrados vários possíveis contaminantes, como metais pesados, pesticidas, bactérias ou fungos.

Quantos pacientes é que estima que possam vir a beneficiar dele?
Prescrito por mim, nenhum.

Qual o preço de venda ao público que, na sua perspectiva, seria o mais acessível e adequado a este tipo de produto?
Defendo que a canábis medicinal, dada a sua importância, deve ser fornecida gratuitamente aos doentes pelas farmácias hospitalares sob prescrição médica. Exactamente como é feito para a maioria dos tratamentos do cancro, das hepatites, da SIDA. O doente não paga nada.

Que outros produtos espera ver aprovados no futuro em Portugal ou quais são os que neste momento mais falta fazem aos pacientes?
Os doentes precisam de uma boa canábis natural, criada ao ar livre, sem pesticidas nem contaminantes e com toda a panóplia de canabinóides que ela possui. Sempre com informação completa da composição! A canábis como produto agrícola terá variações com os terrenos, as sementes usadas, e no mesmo terreno e com a mesma semente, será diferente em cada colheita, como o vinho.

Tem uma ideia de quantos dos seus pacientes beneficiam actualmente de canábis e como a adquirem?
Tenho dezenas de doentes que têm de utilizar canábis para sobreviver e que infelizmente têm que a comprar no mercado negro, a preços especulativos.

Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional9 horas atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa1 dia atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações1 dia atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...

Internacional2 dias atrás

Malta: Registo para obter licenças de canábis inicia a 28 de Fevereiro

Já passou quase um ano desde que Malta aprovou a legislação para regulamentar o uso adulto da canábis, permitindo a posse...

Internacional2 dias atrás

França dá um passo em frente na legalização da canábis

O Conselho Económico, Social e Ambiental (Cese) de França propôs uma “legalização supervisionada” da canábis, num esforço para “ser orientado...

Comunicados de Imprensa2 dias atrás

Suíça: Linnea obtém licença para produção e exportação de API’s com alto teor de THC

A Linnea SA obteve a licença de narcóticos da Swissmedic, a equivalente suíça ao Infarmed I.P., tornando-a numa das primeiras...

Internacional2 dias atrás

Alemanha pretende concluir projecto de lei e parecer técnico sobre a legalização até final de Março

O projecto de lei do governo alemão para a legalização da canábis deverá estar concluído até ao final de Março,...

Internacional4 dias atrás

EUA: Supremo Tribunal do Arizona decide que uso de canábis medicinal durante a gravidez não constitui negligência infantil

O Supremo Tribunal do Arizona decidiu que o uso materno de canábis para enjôos matinais não constitui negligência infantil, avançou a...

Internacional4 dias atrás

República Checa: Projecto para a legalização do uso adulto poderá ser apresentado já em Março

A legislação que regulamentará a canábis para fins recreativos na República Checa poderá ver a luz do dia dentro de...

Nacional4 dias atrás

Clever Leaves despede 63 pessoas e sai de Portugal

A Clever Leaves anunciou hoje que vai abandonar as suas operações em Portugal, tendo procedido ao despedimento colectivo de 63 trabalhadores....