Connect with us

internacional

França: 80,8% dos cidadãos a favor da legalização da canábis recreativa

Laura Ramos

Published

on

Foto: D.R. | Zamnesia.fr

A esmagadora maioria dos franceses é favorável à legalização da canábis para fins recreativos, anunciou esta semana o Le Monde. Mais de 250 mil pessoas participaram num inquérito parlamentar de informação e 80,8% é a favor de uma autorização de consumo e produção em regime legislativo. Além disso, 86% concorda com a possibilidade de auto-cultivo.

“O fim de um tabu?”, pergunta o Le Monde, citando a AFP – Agence France Presse. Em pouco mais de seis semanas, 253.194 pessoas participaram numa consulta online aos cidadãos sobre canábis recreativa, lançada a 13 de Janeiro por uma missão parlamentar de informação, que terminou no domingo, 28 de Fevereiro.

De acordo com os resultados da consulta, 80,8% dos inquiridos concorda com a autorização para o consumo e produção de canábis num quadro regulamentado por lei, afirmaram fontes parlamentares à AFP. Além disso, 13,8% afirma ser a favor da descriminalização dessa droga, cujo uso é proibido em França. Em contrapartida, 4,6% diz ser favorável ao reforço das sanções e apenas 0,8% concorda com a manutenção do enquadramento legal em vigor.

No caso de legalização ou descriminalização, a esmagadora maioria dos entrevistados (86%) é a favor de que o Estado permita que os próprios indivíduos cultivem plantas de canábis dentro dos limites estabelecidos por lei.

Cerca de 30% dos entrevistados nesta consulta declarou nunca ter usado canábis e 38,3% disse consumir ocasionalmente, 17% regularmente e 13,9% afirmou ter um consumo diário.

Comércio deverá ser feito em lojas especializadas
Em resposta à pergunta “No caso de legalização, como é que imagina o comércio de canábis?”, 62,4% dos participantes imagina que a canábis é comercializada em lojas especializadas, 24,2% nas vendas regulamentadas no modelo ‘álcool’, 8,6% nas tabacarias e 3,8% no balcão.

Este inquérito dá conta da ineficácia da legislação em vigor. “Sabemos agora que a legalização da canábis deixou de ser tabu em França e que os nossos concidadãos estão cientes da ineficácia da legislação em vigor nesta área”, afirmou a deputada Caroline Janvier, do partido La République en Marche (LRM), e relatora da “componente recreativa” da missão parlamentar.

“Será necessário lançar uma verdadeira consulta popular e, porque não, um referendo”, avançou à FranceInfo Jean-Baptiste Moreau, deputado LRM de La Creuse, e relator geral da missão de informação, assegurando que pretende fazer propostas dentro de um mês. “Hoje enfrentamos uma proibição, mas um consumo recorde, então a situação não é sustentável”, acrescentou, deixando claro ser a favor da legalização da canábis. “Temos uma economia paralela muito grande que cresceu e financia outras redes, tráfico de armas e coisas do género”.

Apesar da proibição, a França continua a ser o país europeu com o maior consumo regular de canábis, de acordo com o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência. O ministro do Interior, Gerald Darmanin, que priorizou a luta contra o narcotráfico, disse em Setembro que era contra a legalização “dessa merda”.

A canábis recreativa é uma das áreas em que a missão parlamentar cuidou da canábis medicinal e do CBD. Autorizado em 2019 pela Assembleia Nacional, mas adiado pela crise de saúde ligada à Covid-19, a experimentação com canábis terapêutica (excepto para fumar) para pelo menos três mil pacientes que sofrem de doenças graves deve começar no máximo no final de 31 de Março.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *