Connect with us
Publicidade
Publicidade

Internacional

Trinidade e Tobago aprova canábis para fins medicinais e religiosos

Publicado

em

Foto: D.R. | Travel Safe

A República de Trinidade e Tobago, nas Caraíbas, divulgou os seus planos para legalizar e regular a canábis para fins medicinais, religiosos e de pesquisa, noticiou a NewsWeed. Os activistas pedem agora que o cadastro dos condenados pela proibição seja eliminado e se estabeleçam limites para a participação estrangeira, de forma a que os indígenas e os produtores locais também tenham oportunidades na nova indústria.

Após vários anos de adiamentos, a aprovação da nova legislação vai criar a Autoridade de Licenciamento de Canábis, um órgão que governará as licenças para o cultivo, distribuição, venda, importação e exportação de canábis medicinal. O projecto de lei de controle da canábis, apresentado pela primeira vez pelo Procurador-Geral do país, Faris Al-Rawi, em 2019, estabeleceu uma pequena comissão parlamentar mista, composta por membros da Câmara dos Representantes e do Senado. Os membros do comité citaram “a complexidade do projecto de lei” e a necessidade de se envolverem em “consultas com as autoridades de canábis na região” para explicar o longo atraso na aprovação da medida. O grupo legislativo recomendou que uma lista de 25 emendas fosse feita ao projecto de lei inicial.

A principal recomendação é focar as medidas na conformidade regulatória e na transparência na indústria. O projecto de lei emendado também inclui uma categoria especial de licenças, que regulará o cultivo, distribuição e transporte de canábis para fins religiosos.

No entanto, os defensores da reforma expressaram preocupação com algumas recomendações, e pediram justiça social para todos os que foram condenados pela proibição, pedindo políticas que assegurem que os grupos mais afectados possam participar na indústria emergente.

De acordo com Al Rawi, que presidiu o comité, o mais importante é “certificarmo-nos que diversificamos nossa economia. Este projecto de lei de controle da canábis é uma ótima notícia para nós, porque vai apresentar o conceito de marketing da semente ao produto”, disse o procurador à NewsWeed.

Activistas pedem limites à participação estrangeira

O projecto de lei permite que até 70% da propriedade em empresas locais de canábis seja estrangeira, uma das cotas de participação mais altas da região. No entanto, activistas como Nazma Muller, que defendem uma representação local mais forte, querem que os limites sejam semelhantes aos da Jamaica, que estabelece que a propriedade estrangeira em empresas de canábis seja no máximo de 49%. Muller afirma que os acordos de propriedade mais rígidos podem garantir os direitos dos agricultores indígenas e darão aos locais um maior controlo sobre esta indústria. Reduzir a propriedade estrangeira protegerá a indústria de choques futuros no mercado global.

A activista Nazma Muller, numa manifestação pela legalização da canábis em Trinidade e Tobago. Foto: Christopher Samlal | Cannabis Wire

“Não queremos que as empresas internacionais venham com seu dinheiro no bolso e controlem a nossa indústria”, disse Nazma Muller em entrevista ao Cannabis Wire. Muller também argumenta que os reguladores têm de fornecer caminhos mais claros para os pequenos proprietários ou para aqueles que estão a sair do mercado ilegal, criando micro-licenças para cultivo e processamento, como licenças abaixo de mil dólares, como na Jamaica, destinadas especificamente aos produtores indígenas. Nesse sentido, Al-Rawi acredita que a redacção do projecto de lei, que exige a propriedade local de pelo menos 30% de todas as licenças concedidas, com excepção das licenças de pesquisa, desenvolvimento e de laboratório, limitará os problemas apontados pelos críticos da legislação. Afirma, no entanto, que as grandes empresas estrangeiras podem já ter a experiência necessária para que Trinidade e Tobago seja competitiva na exportação de canábis e produtos derivados da planta. Vários grupos da sociedade civil, como o All Mansions of Rastafari, alertaram, porém, que as recomendações não conseguem criar condições na indústria para as pessoas afectadas pela proibição do passado.

*******************************************************************************
Apoie o Cannareporter e o jornalismo independente! Se considera importante o acesso a informação especializada em canábis ou cânhamo em Portugal e no resto do mundo, considere ser um dos nossos patronos. Pode contribuir com a partir de apenas 3€ / mês ou investir em publicidade no nosso site, dando visibilidade à sua marca em mais de 30 países. Veja as contrapartidas em www.patreon.com/cannareporter ou peça mais informações através do e-mail publicidade@cannareporter.eu. Obrigado!

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional15 horas atrás

High Tide e Sanity Group unem forças para a legalização na Alemanha

A High Tide Inc., uma empresa canadiana especializada na distribuição de acessórios para fumadores e produtos ligados ao consumo de...

Internacional19 horas atrás

Suíça iniciou vendas legais de canábis com software de rastreio focado na transparência

Após 6 meses de atraso, a Suíça está pronta a fazer história com a venda legal de canábis no país,...

Internacional20 horas atrás

Argentina cria Agência Regulatória da Indústria do Cânhamo e da Canábis Medicinal

A Argentina deu um passo ousado no sentido de se tornar um actor importante no mercado global da canábis, ao...

Internacional2 dias atrás

Como vão funcionar as associações de canábis em Malta?

A Autoridade para o Uso Responsável de Canábis (ARUC), entidade Maltesa com responsabilidade na regulamentação da indústria legal e recreativa...

Corporações2 dias atrás

Organigram notificada pela Nasdaq por falhar valor mínimo de negociação

A Organigram Holdings Inc. foi notificada pela Nasdaq de que terá até ao próximo mês de Julho para atingir o...

Cânhamo2 dias atrás

EUA: FDA recusa regulamentar CBD devido a preocupações de segurança

A Food and Drug Administration (FDA) rejeitou iniciar o processo de regulamentação do CBD em produtos alimentares, por não considerar...

Internacional3 dias atrás

Hong Kong: Proibição do CBD entra em vigor a 1 de Fevereiro, com multas milionárias e penas de prisão perpétua

Hong Kong vai classificar oficialmente o Canabidiol (CBD) como uma “droga perigosa” já a partir desta quarta-feira, 1 de Fevereiro,  e...

Internacional6 dias atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa7 dias atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações7 dias atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...