Connect with us

Cânhamo

Última hora: Fundador da cooperativa de cânhamo Lusicanna está detido desde ontem em Beja

Publicado

em

Um dos fundadores da cooperativa Lusicanna e agricultor que se dedica ao cultivo de cânhamo industrial, Hugo Monteiro, foi ontem detido pela GNR em Serpa, no distrito de Beja. O Cannareporter sabe que Hugo Monteiro, um dos agricultores que tem criticado a actuação e os atrasos da DGAV, já tinha enviado três vezes o pedido com o formulário e respectivo pagamento das taxas para a atribuição da autorização de cultivo de cânhamo para fins industriais, mas até à data ainda não a tinha obtido.

Ao telefone, o Capitão Pestana, do Comando Territorial de Beja, confirmou a detenção de Hugo Monteiro, no seguimento de “um patrulhamento normal, em que foi detectada uma plantação de canábis”, ontem, dia 9 de Setembro, e que o agricultor se encontra detido e a aguardar ser ouvido por um juiz ainda hoje. O mesmo agente referiu não ter certeza se se trata de canábis ou de cânhamo, mas afirmou que o pedido do agricultor à DGAV tinha sido “indeferido”. O comunicado de Imprensa encontra-se a aguardar autorização superior e deverá ser enviado ainda hoje.

Vários agricultores admitiram já ter cultivado cânhamo por “deferimento tácito”, uma vez que as respostas da DGAV podem levar meses e a época de sementeira ocorre entre Abril e Maio, no máximo. Após este período será demasiado tarde para cultivar e perde-se todo um ano de colheita. Um dos casos recentes e idênticos ao de Hugo foi o de Barry McCullough, que foi detido a 28 de Julho, acusado de tráfico de estupefacientes. Na altura, a GNR admitiu não conseguir distinguir cânhamo de canábis e remeteu para o Laboratório de Polícia Científica.

O Cannareporter falou com alguns agricultores que estão a cultivar cânhamo actualmente em Portugal, que se mostraram indignados, pois acreditam que “é a própria DGAV que está a denunciar os agricultores a quem não foi atribuída ainda a autorização à GNR”. Dizem ainda estar a sofrer “uma perseguição sem precedentes” e acusam a DGAV de “incompetência” e “bloqueio” desta cultura.

O Cannareporter contactou a DGAV e o Gabinete da Ministra da Agricultura, que pediram que quaisquer questões fossem remetidas por e-mail.

A Lusicanna, fundada em 2018,  é uma cooperativa que pretende re-introduzir o cânhamo industrial em Portugal. No seu site, diz que acredita que “o cânhamo é uma cultura com enorme potencial, que pode ajudar agricultores em todo o país” e a “revitalizar a economia das áreas rurais”.

*******************************************************************************
Apoie o Cannareporter e o jornalismo independente! Se considera importante o acesso a informação especializada em canábis ou cânhamo em Portugal e no resto do mundo, considere ser um dos nossos patronos. Pode contribuir com a partir de apenas 3€ / mês ou investir em publicidade no nosso site, dando visibilidade à sua marca em mais de 30 países. Veja as contrapartidas em www.patreon.com/cannareporter ou peça mais informações através do e-mail publicidade@cannareporter.eu. Obrigado!

O CannaReporter é um projecto independente e completamente suportado pela comunidade. Para continuar a desenvolver este projecto, o apoio dos leitores é fundamental.
Clique abaixo e torne-se apoiante do CannaReporter desde 3€ por mês !
Publicidade
1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Serpa: GNR diz que desmantelou plantação ilegal com 944 pés de canábis – CannaReporter

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *