Connect with us
Publicidade
Publicidade

Saúde

CBD VS THC: quais as principais diferenças?

Publicado

em

Foto: D.R. | cibdol.pt

A planta Cannabis sativa é constituída por centenas de componentes, entre os quais canabinóides, terpenos e flavonóides. Os mais conhecidos e investigados são o CBD (canabidiol) e o THC (tetrahidrocanabinol). Ambos podem ter potencial terapêutico, mas quais são as principais diferenças entre eles?

Em primeiro lugar, e ao contrário do THC, o CBD não tem qualquer efeito psicotrópico, sendo extremamente seguro de utilizar, inclusive por crianças e animais. Normalmente, o CBD é extraído de variedades de cânhamo, ou Cannabis sativa L., a vertente mais industrial da planta, que tem menos de 0,3% de THC. Em 2017, a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconheceu o potencial medicinal do canabidiol (CBD) e considerou que o seu consumo não representa qualquer perigo de dependência nem riscos para a saúde. A evidência mais robusta demonstrou a eficácia do CBD no tratamento da epilepsia refratária, mas além do efeito anti-convulsivante, este canabinóide tem sido utilizado também como um potente anti-inflamatório, analgésico, ansiolítico, anti-psicótico, anti-oxidante ou estimulador do crescimento ósseo. 

Uma vez que o CBD não é tóxico, os seus efeitos adversos são negligenciáveis, salvo algumas interações com outros medicamentos, como o clobazam ou alguns corticóides. O CBD é bem tolerado pela grande maioria dos seus utilizadores, mas convém tomá-lo a horas diferentes de outras medicações, começar com uma dose pequena (apenas uma gota) e ir aumentando lenta e progressivamente, até encontrar a dose adequada a cada um. Apesar de, normalmente, não se sentir qualquer efeito após a toma do CBD, e de este canabinóide ser bem tolerado, algumas pessoas relataram sonolência, diarreia, perda de peso e diminuição do apetite, pelo que convém estar atento aos sintomas. Também é recomendável tomar o CBD a horas desencontradas de outros medicamentos, para evitar qualquer tipo de interacção ou potenciação de efeito de outras substâncias activas.

THC pode ter efeitos psicotrópicos, mas a toxicidade é baixa
Por seu lado, o THC é o único canabinóide com efeitos psicotrópicos, mas estes variam bastante consoante a pessoa, a dose ou o contexto em que é utilizado. Apesar de algumas pessoas consumirem cannabis precisamente para obter esse efeito psicotrópico, outras não apreciam as sensações provocadas pelo THC, que podem incluir relaxamento muscular, aumento da frequência cardíaca, alterações de raciocínio, boca seca, dificuldade de coordenação motora, enjôos ou desfasamento temporal.

Apesar de o THC ter uma toxicidade extremamente baixa e não representar risco de morte ou overdose, os seus efeitos podem ser traumáticos para algumas pessoas e a sua utilização é desaconselhada em quem tiver predisposição para esquizofrenia ou psicoses. A nível medicinal, está demonstrado que o THC tem muitos benefícios na saúde, devido ao seu potencial analgésico, anti-tumoral, anti-emético, neuroprotetor, imunomodulador, anti-neoplástico, anti-pruriginoso, broncodilatador, anti-espástico ou redutor da pressão intra-ocular. Tal como o CBD, é recomendável que o THC seja tomado progressivamente, começando com uma dose mínima e ir aumentando de forma lenta e progressiva.

Por fim, o CBD pode minimizar os efeitos intoxicantes do THC, fazendo com que este tenha um efeito psicoativo menos intenso. Assim, os produtos com uma mistura de CBD e THC são ótimos para os consumidores de primeira viagem, principalmente aqueles que nunca consumiram THC e que precisam dele por motivos de saúde.

Publicidade

Mais recentes

internacional2 dias atrás

Zimbabwe: Presidente pede 27 milhões de canábis medicinal à Swiss Biocieuticals

O Presidente do Zimbabwe, Emmerson Mnangagwa, comissionou a empresa de canábis medicinal Swiss Biocieuticals a produzir cerca de 27 milhões de...

Opinião7 dias atrás

A canábis pode ajudar a estudar?

No mundo contemporâneo, entrar na Universidade tornou-se sinónimo de “futuro”, ao mesmo tempo que também se podem viver as primeiras experiências...

internacional1 semana atrás

Tailândia: Ministro da Saúde quer oferecer um milhão de plantas de canábis à população

O Ministro da Saúde Pública da Tailândia, Anutin Charnvirakul, surpreendeu, mais uma vez, o mundo, ao anunciar que quer oferecer...

Opinião1 semana atrás

O papel da Enfermagem no cuidado ao paciente submetido a tratamento com canabinóides

Hoje, dia 12 de Maio, assinala-se o Dia Mundial do Enfermeiro. De acordo com o código ético e deontológico de...

Opinião2 semanas atrás

Legalização da canábis em Nova York: Equidade social e económica no licenciamento e extinção de condenaçãoCannabis Legalization in New York: Social & Economic Equity Licensing and Conviction Expungement

A aplicação draconiana anti-canábis, perseguida ao longo dos anos nos Estados Unidos, é uma das coisas mais insanas que uma...

Dá-me música!2 semanas atrás

Playlist da Canábis: #2 – Peter Tosh – “Legalize it”

A pedido dos leitores – porque também vos ouvimos – a seguinte entrada na nossa playlist é o hino pró-legalização...

Eventos2 semanas atrás

PTMC – Portugal Medical Cannabis regressa em 2022 a Lisboa e à Madeira

A PTMC – Portugal Medical Cannabis está de volta! Lisboa – 16 e 17 de Junho – Auditório dos Contabilistas...

internacional2 semanas atrás

Alemanha: Ministro da Saúde vai avançar com a legalização do uso adulto de canábis

O Ministro da Saúde alemão, Karl Lauterbach, anunciou ontem novas medidas sobre a assistência médica na Alemanha, onde incluiu a...

Entrevistas3 semanas atrás

Tej Virk tem uma mensagem para o Governo Português: “Legalizem antes da Alemanha!”

Tej Virk, CEO da Akanda Corporation, que recentemente adquiriu a portuguesa Holigen por 26 milhões de euros, ganhou reputação no espaço global...

internacional3 semanas atrás

Depois da Itália, Curaleaf obtém licença para medicamentos à base de extractos de canábis em Malta

A Curaleaf International obteve licença para uma linha de medicamentos à base de extractos de canábis em Malta. A gama de...

Publicidade