Connect with us

Cânhamo

Agricultores ponderam desistir de investimentos no cânhamo em Portugal

Publicado

em

Ouvir este artigo
Agricultor num campo de cânhamo industrial | Foto: D.R.

Se o cânhamo industrial já não era um sector de fácil investimento em Portugal, com a Portaria 14/2022 hoje publicada em Diário da República, vários agricultores e potenciais investidores antevêem ainda mais dificuldades, equacionando desistir dos seus potenciais projectos. Acusam a DGAV e o Ministério da Agricultura de nunca os ter ouvido e criticam as contradições da Ministra da Agricultura, que por um lado assinou um protocolo para incentivar a agricultura familiar e a agro-ecologia, mas que por outro, ao definir um mínimo de 0,5ha, acaba por limitar os pequenos agricultores de cultivar cânhamo, uma cultura que consideram “essencial para a sustentabilidade e a regeneração dos solos”, tal como a Comissão Europeia já tinha confirmado.

André Morais, 39 anos, Enfermeiro Especialista no Reino Unido, estava a considerar o regresso à região do alto Minho, de onde é oriundo, para se dedicar à produção de cânhamo industrial. Com a publicação das novas regras, admite que, provavelmente, irá desistir. “Como potencial produtor de cânhamo em escala mais pequena, definitivamente não compreendo a posição do governo Português em relação a esta planta, que poderia, sem exagerar, revolucionar a economia e a agricultura deste país. Definitivamente, esta portaria desencoraja seriamente o meu retorno a Portugal para produzir cânhamo industrial”. André lamenta ainda que “em vez de progredir, Portugal tem vindo sempre a regredir” em relação às regras, implementando restrições cada vez maiores para “uma planta com tanto potencial para a sustentabilidade”.

Desde há dois anos que também Luís Sezões, 40 anos, a viver há oito na Alemanha, estava a pensar regressar a Portugal com a família. “Andei a pesquisar possíveis cultivos para alguns hectares de terreno que tenho no Alentejo e queria investir no cânhamo. Sempre acreditei no potencial desta planta e acho que é o cultivo do futuro, mas com tudo o que tenho andado a acompanhar em Portugal começo a ficar com dúvidas. Este bicho de sete cabeças que o governo cria em torno de algo que podia ser tão simples e que traria vantagens a muitas pessoas e ao país é simplesmente incompreensível”, lamenta.

Portaria “fecha as portas aos pequenos agricultores”

Rita Oliveira, consultora na área do cânhamo industrial, representa vários agricultores e investidores do sector em Portugal e diz que o facto de a portaria definir 0,5 ha como área mínima de cultivo vem “fechar as portas aos pequenos agricultores. Dos sete pedidos que foram deferidos no ano passado a agricultores que representei, apenas dois tinham mais do que 0,5 ha”. E continua: “Esta é uma planta com potencial de regeneração imenso e os pequenos agricultores, como eu, que estão a fazer regeneração e a trabalhar para a sustentabilidade, fazendo agro-ecologia, não deixam usar esta planta. As parcelas onde faço cânhamo, nos anos a seguir onde planto outras coisas, noto que as hortícolas têm outra qualidade”.

Rita, que já tinha apresentado reclamações na DGAV – Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – no ano passado e feito queixa na Provedoria da Justiça, faz ainda referência à contradição que esta portaria representa pouco depois de a Ministra da Agricultura ter assinado um protocolo para a constituição do Centro de Competências da Agricultura Familiar e Agroecologia (CeCAFA), que visa reforçar a investigação, a difusão do conhecimento, a promoção da inovação e a qualificação dos produtores na valorização da agricultura familiar. “Se queremos estimular a agricultura familiar é impensável que, no século XXI, tirem esta cultura aos pequenos agricultores. Havendo já várias forças políticas a trabalhar para a regeneração, proibir ou limitar o cultivo de cânhamo industrial não faz qualquer sentido”.

Agricultores não foram ouvidos
Os agricultores lamentam que, mais uma vez, não tenham sido chamados nem ouvidos para dar o seu contributo para as novas regras do cultivo de cânhamo, apesar dos vários pedidos de reunião. “Desde 2018 que estamos a tentar dialogar com a DGAV e com o Ministério, para que sejam feitas portarias adaptadas à realidade dos agricultores, e de facto estão de portas fechadas. Esta portaria vem confirmar que a DGAV e o MA não estão a trabalhar com os agricultores nem a ouvi-los”, diz Rita Oliveira, que acrescenta ainda:  “A DGAV e quem fez a portaria parece não ter dados reais agronómicos. Por exemplo, a data de 31 de Julho, estabelecida na portaria como limite para submeter os pedidos, não é realista, porque não se planta cânhamo em Agosto.”

Comissão Europeia salienta papel do cânhamo na sustentabilidade
Em 2021, a Comissão Europeia lançou uma página específica para o cânhamo industrial, destacando que “a produção de cânhamo oferece amplas oportunidades para agricultores, sectores industriais e consumidores na União Europeia”, além dos seus benefícios ambientais e da sua importância para a sustentabilidade. A página destaca ainda que “o cultivo de cânhamo contribui para os objectivos do ‘Pacto Ecológico Europeu‘ e que o cânhamo tem vários benefícios ambientais, entre os quais armazenamento de carbono, quebra do ciclo de doenças, prevenção da erosão do solo, contribuição para a biodiversidade e baixo ou nenhum uso de pesticidas. A página da UE faz ainda referência aos diferentes usos do cânhamo, desde a indústria têxtil à construção, passando pela produção de papel ou pelos alimentos e rações, entre outros usos que contribuem para a sustentabilidade. O cultivo de cânhamo na Europa aumentou 75% nos últimos anos, com França a liderar os maiores países produtores.

O Cannareporter enviou um pedido de esclarecimento ao Ministério da Agricultura e à DGAV e encontra-se a aguardar resposta. Contactámos ainda a Cannacasa – Associação do Cânhamo Industrial e a ACCIP – Associação dos Comerciantes de Cânhamo Industrial de Portugal e publicaremos as suas reacções logo que possível.

3 Comments
Subscribe
Notify of
3 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

[…] Agricultores ponderam desistir de investimentos no cânhamo em Portugal […]

[…] The minimum production area has been set at half a hectare (5,000 square metres), shutting out some small farmers. […]

2 anos atrás

El Càñamo tradicional industrial debe ser de cultivo obligado en campos abandonados. La falta de verde, la semilla emisiones de gases tóxicos legales petroquímicos y el despilfarro de los basureros y sus emisiones de gas metano que destruyen capa de ozono y provoca achicharre solar DEBE PARAR. Más info al whatsapp 34 641650992 Canamovida.com , antes Alsativa.com, la nueva web de la futura cooperativa cañamera CAÑAMOVIDA

Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Cânhamo14 horas atrás

Cultivo de Cânhamo nos Açores vai ter sessão de esclarecimento na Ilha Terceira

A Confraria Internacional Cannabis Portugal e a CannAzores unem esforços para promover uma Sessão de Esclarecimento sobre o Cultivo de...

Saúde5 dias atrás

CBD e CBC mostram resultados promissores no carcinoma espinocelular de cabeça e pescoço

Um estudo publicado na revista Cancers descobriu que os extractos de canábis ricos em CBD (canabidiol) podem matar células cancerosas da...

Internacional6 dias atrás

Ucrânia: Zelensky assina projecto de lei para legalizar a canábis medicinal

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky assinou um projecto de lei que legaliza a canábis medicinal na Ucrânia, prevendo-se que os...

Nacional2 semanas atrás

Portugal: Associação Mães pela Canábis publica e-book sobre canábis medicinal

A Associação de Mães pela Canábis (AMC) anunciou o lançamento de um e-book intitulado “Fronteiras da Cannabis: CIÊNCIA, TERAPÊUTICA &...

Corporações3 semanas atrás

Akanda assina carta de intenção para vender RPK Biopharma à Somaí. “Será uma das poucas empresas verticais de canábis da UE”, diz Michael Sassano

A Akanda Corporation, uma empresa internacional de canábis medicinal cotada na Nasdaq (AKAN) e que detém a empresa portuguesa Holigen, anunciou...

Cânhamo3 semanas atrás

Portugal: DGAV admite que o CBD é a sua “grande dor de cabeça” e produtores reclamam utilização da planta inteira

A conferência “Cânhamo Industrial – o (Re)nascer da Fileira em Portugal” promovida pela Cânhamor e pela Consulai, que decorreu dia...

Internacional3 semanas atrás

Pensionista espanhol contorna segurança do aeroporto de Lisboa com 21 kg de canábis

Um pensionista espanhol de 63 anos foi detido em Malta, depois de aterrar no aeroporto num voo proveniente de Lisboa,...

Cânhamo3 semanas atrás

Portugal: O futuro do cânhamo industrial discute-se amanhã em Beja

  O auditório EDIA, em Beja, vai receber amanhã, dia 30 de Janeiro, a partir das 14 horas, uma ronda...

Internacional4 semanas atrás

Espanha: Directora da Fiscalia Especial Antidroga propõe campanhas sobre o risco do consumo de canábis

A directora da Fiscalia Especial Antidroga, Rosa Ana Morán Martínez, alertou recentemente que Espanha se tornou ‘o principal produtor de...

Entrevistas1 mês atrás

Elena Battaglia, Veterinária: “Tenho pacientes oncológicos que se esperava que morressem há dois anos e ainda estão vivos”

Falámos com a veterinária italiana Elena Battaglia, que tem vasta experiência a utilizar canabinóides em animais, e nos explicou de...