Connect with us
Publicidade
Publicidade

Opinião

Saiba qual é a importância dos diferentes rácios de CBD:THC

Publicado

em

Moléculas de CBD e THC. Foto: D.R.

Depois de termos abordado as principais diferenças entre canábis “medicinal” e  “recreativa”, vamos agora tentar perceber os diferentes rácios dos principais canabinóides: CBD (canabidiol) e THC (tetrahidrocanabinol). Este é um factor importante a ter em consideração quando se utiliza canábis, pois basicamente diz respeito à quantidade de CBD existente em relação ao nível de THC. A maneira como os canabinóides interagem com o corpo humano influenciam quase todos os aspectos da experiência e a sensação do consumo. Saber os diferentes rácios mais comuns e os seus efeitos pode ajudar a escolher o tipo de canábis certo para cada um e para cada situação.

A comunidade canábica está cada vez mais madura no que toca ao desenvolvimento e inovação. Os breeders começam agora a diversificar as suas variedades com diversos rácios de CBD:THC e a comunidade científica está numa corrida para tentar descobrir o seu potencial.

THC e CBD, quais são as diferenças?

THC e CBD são os canabinóides que mais têm sido alvo de estudos. A maioria das investigações têm sido feitas in vitro ou em animais, embora também já tenham sido feitos uma série de ensaios clínicos com seres humanos e com resultados promissores.

Ambas as moléculas exercem os seus efeitos através do sistema endocanabinóide, comum a todos os vertebrados, que inclui uma série de receptores espalhados por vários tipos de células ao longo do corpo. Este sistema é maioritariamente composto por dois tipos de receptores, CB1 e CB2.

Dependendo do rácio que cada um se apresente, irão causar diferentes efeitos visto que actuam em conjunto ou sinergia, o chamado efeito entourage.

O THC actua maioritariamente nos receptores CB1, que estão localizados no sistema nervoso. Ao interagir com estes receptores, o THC é capaz de exercer os seus característicos efeitos psicotrópicos. Em contraste, o CBD tem uma baixa afinidade para com os receptores CB1, o que faz com que o CBD seja considerado não-psicotrópico, produzindo os seus efeitos nos receptores de serotonina e vanilloid entre outros. É através destes mecanismos de interação que o THC e o CBD demonstram algumas das suas intrigantes qualidades.

Porque é que os rácios de CBD:THC são importantes?

Conforme abordado antes, o rácio de CBD e THC na canábis é importante, uma vez que afecta a reacção química que irá ocorrer no corpo. No que toca, por exemplo, à “moca”, o CBD ajuda a moderar os efeitos psicotrópicos causados pelo THC, ou seja, quanto maior for o rácio de CBD face à quantidade de THC, mais toleráveis serão os efeitos da “moca”.

Ao mesmo tempo, o CBD ajuda a reduzir os potenciais efeitos negativos que podem ocorrer no consumo de grandes quantidades de THC, como ataques de pânico, paranóia ou ansiedade. De forma contrária ao descrito antes, caso a quantidade de CBD seja baixa em comparação à quantidade de THC, tanto a “moca” será mais psicoactiva como também os possíveis efeitos mais negativos das elevadas concentrações de THC serão mais acentuados, caso sejam experienciados. Cada variedade de canábis apresenta sempre diferenças no que toca aos níveis de THC e CDB, sejam elas grandes ou pequenas, e a quantidade de canabinóides irá afectar os efeitos que cada variedade proporciona em cada pessoa.

O CBD produz um efeito não-psicotrópico e mais limpo, que pode ajudar a acalmar tanto a nível nervoso como a nível mental. Por sua vez, o THC produz um efeito muito mais psicoactivo, que vai também variar bastante dependo do conteúdo a nível de terpenos.

A “moca” pode ser tanto mais relaxante e suave como produzir efeitos mais energéticos e eufóricos. O THC ajuda tanto a elevar o estado de espírito de uma pessoa como pode ajudar a proporcionar algum alívio a nível corporal, mas os efeitos dependem muito de pessoa para pessoa, da sua predisposição e do contexto em que se encontra.

Rácios mais comuns de CBD:THC

A oferta de produtos canábicos com diferentes rácios de CBD e THC começam a ser cada vez mais procurados e populares, sendo que a maioria dos bancos de sementes apostam numa variadíssima oferta a este nível. Em baixo, ficam algumas explicações dos rácios mais comuns e quais os efeitos que podem ser obtidos com eles.

CBD:THC — 0:1 (“FULL THC”)

Um rácio de 0:1 de CBD para THC não é propriamente algo muito comum. No entanto, algumas das variedades que tentam chegar a esse patamar acabaram por marcar o mercado e o mundo canábico.

Alguns utilizadores preferem as variedades com alto teor de THC e baixo teor de CBD, principalmente para experiências mais psicoactivas. Estas variedades muitas vezes proporcionam experiências muito mais intensas e eufóricas, assim como os famosos efeitos de couch locking.

Para os utilizadores menos experientes ou com menos “resistência” o consumo deste tipo de variedades de canábis pode levar a dificuldades em se manterem funcionais, devido aos seus efeitos mais intensos e narcóticos.

CBD:THC — 1:2

Variedades de canábis que possuem um rácio de 1:2 de CBD:THC, são as mais comuns de encontrar no mercado e acabam por proporcionar experiências psicotrópicas, mas de uma forma mais suave e controlável, o que significa que, por norma, no início proporcionam uma experiência mais descontraída e animada, mas caso o consumo seja prolongado poderá levar a experiências mais eufóricas e de couch locking.

Os produtos com um rácio de 1:2 acabam por permitir um maior controlo sobre o tipo de experiência que se pretende ter ao consumir canábis, especialmente para consumidores mais inexperientes, embora também possa levar a experiências mais agressivas caso o consumo seja feito de uma forma mais descontrolada. A razão para isso advém do facto de que níveis elevados de CBD acabam por ter reacções com os receptores CB1, de forma a acalmar os efeitos do THC, o que também ajuda a que os possíveis efeitos negativos do consumo de canábis com elevado teor de THC sejam reduzidos.

É também importante salientar que a maioria das variedades de canábis vendidas nos mercados legais para fins recreativos acabam por ter rácios de CBD:THC entre 0:1 e 1:2. Dificilmente alguma delas irá ter rácios certos e as que por norma se encontram mais ou menos a meio desses valores são as que dão as mais clássicas experiências de stoners, sendo também as que mais se encontram disponíveis nos mercados legais.

CBD:THC — 1:1

As variedades com rácios de 1:1 oferecem iguais quantidades de CBD e THC, acabando assim por proporcionar efeitos mais subtis, bem como uma variedade mais abrangente ao nível da qualidade de ambos os compostos.

A experiência de consumo é, na maioria das vezes, descrita como uma sensação mais suave e descontraída, sem que se percam completamente as funcionalidades para se manter activo no dia a dia. O objectivo destas variedades de canábis não é o de obter a tradicional “moca” com efeitos mais sedativos, mas sim a procura por uma experiência e efeitos que possibilitem o consumo de canábis sem haver tanto o risco de comprometer as restantes funções.

Variedades com rácio de 1:1 não são assim tao comuns, quando comparadas com as variedades mais focadas para o mercado recreativo. Ainda assim, são relativamente fáceis de encontrar, isto porque não só o próprio interesse dos utilizadores por variedades com este tipo de rácio começa a aumentar, mas também devido a muitos começarem a explorar o consumo de CBD, seja por motivos medicinais, seja por motivos mais recreativos, o que também já levou a muitos bancos de sementes e breeders a desenvolver variantes com rácios de 1:1.

CBD:THC — 2:1

As variedades com um rácio de CBD:THC de 2:1 irão induzir na mesma uma ligeira sensação sedativa, mas essa sensação será mínima. No fundo, acabam por ser boas opções para pessoas mais sensíveis aos efeitos do THC, assim como para aqueles que pretendem obter o benefício de ambos os canabinóides nos seus consumos sem ser tão afectado pelos efeitos psicotrópicos do THC. Por norma, os utilizadores ditos “recreativos” não procuram muito este tipo de variedades de canábis, acabando por ser um tipo de rácio mais direccionado para o uso terapêutico ou medicinal.

A experiência de consumo de variedades com rácios de CBD:THC de 2:1 acaba por ser uma sensação que deixa o utilizador completamente funcional, o que está a fazer com que comece a surgir um pequeno nicho de consumidores deste tipo de produtos, ao ponto que nas famosas coffeeshops holandesas já começam a surgir variedades com este tipo de rácio.

CBD:THC — 1:0 (“FULL CBD”)

Não é que existam variedades completamente desprovidas de THC – quanto muito as quantidades serão tão reduzidas que dificilmente são detectadas, afinal o próprio cânhamo industrial contém níveis residuais de THC – mas a quantidade está muito longe de ser suficiente para causar algum tipo de “moca”. Contudo, existem breeders que desenvolveram, e continuam a desenvolver, algumas variedades com o mínimo de THC possível, de forma a que possam ir o mais perto possível de rácios de CBD:THC iguais a 1:0.

De uma forma geral, estas variedades oferecem todos os benefícios provenientes do CBD sem qualquer tipo de efeitos de toxicidade provenientes do consumo de THC, o que faz delas a opção ideal para quem não tem qualquer interesse nos efeitos do THC e apenas procura a experiência e os efeitos do consumo do CBD.

À medida que a industria canábica cresce, vai-se adaptando às “exigências” dos consumidores

Apesar de a indústria da canábis ser ainda algo bastante “novo”, tanto os breeders como os próprios produtores dos mais variados produtos canábicos, começam a prestar cada vez mais atenção aos diferentes rácios de CBD e THC, isto também devido a investigações e estudos que estão a ser realizados com foco nessas relações.

Novas variedades de plantas, com mais atenção aos rácios de CBD e THC começarão a surgir no mercado muito em breve, o que irá, desde logo, abrir também as portas a uma maior gama de produtos disponíveis, que no final irão responder às mais variadas necessidades de cada utilizador de canábis.
______________________________________________________________
João Xabregas é profissional de Desenho Técnico em CAD, auto-didacta, activista e defensor da canábis, a planta mais perseguida do mundo, pela qual nutre uma enorme paixão. Sempre disposto a uma boa conversa sobre o mundo da canábis, seja com quem for, João também testa e analisa produtos relacionados com a cultura canábica, para os dar a conhecer a quem quiser saber mais sobre eles.

Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional7 horas atrás

Como vão funcionar as associações de canábis em Malta?

A Autoridade para o Uso Responsável de Canábis (ARUC), entidade Maltesa com responsabilidade na regulamentação da indústria legal e recreativa...

Corporações8 horas atrás

Organigram notificada pela Nasdaq por falhar valor mínimo de negociação

A Organigram Holdings Inc. foi notificada pela Nasdaq de que terá até ao próximo mês de Julho para atingir o...

Cânhamo1 dia atrás

EUA: FDA recusa regulamentar CBD devido a preocupações de segurança

A Food and Drug Administration (FDA) rejeitou iniciar o processo de regulamentação do CBD em produtos alimentares, por não considerar...

Internacional1 dia atrás

Hong Kong: Proibição do CBD entra em vigor a 1 de Fevereiro, com multas milionárias e penas de prisão perpétua

Hong Kong vai classificar oficialmente o Canabidiol (CBD) como uma “droga perigosa” já a partir desta quarta-feira, 1 de Fevereiro,  e...

Internacional4 dias atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações5 dias atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...

Internacional5 dias atrás

Malta: Registo para obter licenças de canábis inicia a 28 de Fevereiro

Já passou quase um ano desde que Malta aprovou a legislação para regulamentar o uso adulto da canábis, permitindo a posse...

Internacional6 dias atrás

França dá um passo em frente na legalização da canábis

O Conselho Económico, Social e Ambiental (Cese) de França propôs uma “legalização supervisionada” da canábis, num esforço para “ser orientado...

Comunicados de Imprensa6 dias atrás

Suíça: Linnea obtém licença para produção e exportação de API’s com alto teor de THC

A Linnea SA obteve a licença de narcóticos da Swissmedic, a equivalente suíça ao Infarmed I.P., tornando-a numa das primeiras...