Connect with us
Publicidade
Publicidade

Internacional

Mercado legal da canábis é um dos que mais contribui para o PIB do Canadá

Publicado

em

Evolução do mercado legal da canábis no Canadá. Foto: New Frontier Data

Desde que o Canadá adoptou a legalização total, a indústria da canábis foi a que mais contribuiu para o produto interno bruto (PIB) do país, ultrapassando os 43 mil milhões de dólares canadianos (29,4 mil milhões de euros), segundo um relatório da Deloitte, citado pela CTV News. A indústria de canábis legal contribuiu mais para o PIB do Canadá do que a maioria dos outros sectores, de acordo com os dados da Statistics Canada, citados por uma análise da Bloomberg.

Três anos após a regulamentação do uso adulto, o mercado da canábis legal gerou mais para a economia canadiana do que importantes sectores como os Media, a mineração de ferro, ouro, potássio e cobre, a carne, as cervejarias, a confecção de roupa ou os produtos de madeira – estando mesmo perto de superar a indústria de fabrico de automóveis.

Em 2018, o Canadá tornou-se no segundo país do mundo a legalizar a canábis para todos os fins, incluindo o cultivo, produção, venda, posse e consumo, após o Uruguai, que foi o primeiro a legalizar totalmente a planta em 2013.

Três anos depois de a política entrar em vigor, o governo canadiano fez uma análise da evolução da legalização, a fim de escrutinar os impactos na saúde pública, resolver os eventuais problemas que tenham surgido nesse período e estabilizar a indústria.

O porta-voz do Ministério da Saúde, o órgão responsável pela regulamentação da lei, disse à Bloomberg que “tal como acontece com qualquer nova legislação, especialmente para algo tão abrangente como a Lei da Canábis, haverá sempre espaço para melhorias e ajustes, para garantir que [a lei] está a cumprir os seus objetivos: manter a canábis fora das mãos dos jovens, enquanto mantém os lucros longe do crime organizado”.

Mercado da canábis em ascensão

As análises mais optimistas dos especialistas têm a ver precisamente com os impactos positivos do mercado legal da canábis na economia do país. Dados da New Frontier Data revelam que, desde que as vendas legais de canábis começaram no Canadá, em Outubro de 2018, houve um aumento progressivo e constante do mercado. Mais de 1,3 mil milhões de dólares canadianos de produtos de canábis para uso não medicinal foram vendidos no segundo trimestre de 2021, marcando um crescimento de quase 12% em relação ao trimestre anterior. A New Frontier Data projecta que, até 2025, esse número suba para 5,2 mil milhões.

O crescimento das vendas foi apoiado pela introdução de produtos comestíveis e tópicos no final de 2019. Embora as flores secas ainda dominem o mercado, respondendo por 73% dos gastos em todas as categorias no segundo trimestre de 21, essa margem está diminuindo.

Um gráfico da Statista mostra a evolução precisa das vendas mensais das lojas legais de canábis no Canadá, desde Outubro de 2018 a Novembro de 2021, que foi o que mais cresceu nos últimos anos.

“Cannabusiness” ou os negócios da canábis

O mercado da indústria da canábis foi o que mais cresceu no Canadá nos últimos três anos, representando um dos mais importantes para o PIB nacional. Existem mais de 2.700 lojas físicas de canábis legal abertas ao público em todo o país e todas elas ajudaram a erradicar o mercado ilegal e o crime organizado, um dos objectivos principais da política de legalização canadiana.

Actualmente, o mercado ilícito no Canadá é responsável por apenas 39% do mercado, uma percentagem bem abaixo dos 91%, quando a legalização começou há três anos. A expectativa é que o mercado duplique de tamanho no próximo ano, principalmente agora que o mercado está a ajustar-se à legalização e está a ser feita uma revisão governamental da lei, a fim de continuar a regulamentar os pontos necessários.

Consumo de canábis por jovens baixou e comestíveis aumentaram 

Um inquérito realizado pela Statistics Canada em 2021 concluiu que o consumo entre os jovens baixou após a legalização, com os homens a representar uma percentagem maior de utilização de canábis do que as mulheres. O uso relatado nos últimos 12 meses diminuiu entre 2020 e 2021 entre os jovens de 16 a 19 e de 20 a 24 anos de idade.
Quanto aos métodos de consumo, a maioria dos utilizadores (74%) utilizou as flores secas para fumar, uma baixa em relação a 2020, com apenas 18% a optar pelo haxixe. Outros métodos de consumo foram os comestíveis ou alimentos (que aumentaram de 49 para 53%), a vaporização usando uma caneta vape ou cigarro eletrónico (29%), os óleos de canábis para uso oral (26%), as bebidas (16%), a vaporização usando um vaporizador (10%), as aplicações tópicas (9%),  ou o dabbing (6%).

Cerca de 6% recorre ao auto-cultivo para obter canábis de forma legal
Outro estudo da Pesquisa Nacional de Canábis do Canadá, publicado na PubMed, analisou os primeiros trimestres de 2018 e de 2019 e o quarto trimestre de 2020, para examinar as mudanças no uso de canábis (uso geral e uso diário ou quase diário), os métodos de consumo, produtos e fontes. O uso de canábis nos últimos três meses foi maior no final de 2020 (20,0%) do que em 2019 (17,5%) e 2018 (14,0%), e ocorreu principalmente entre: mulheres (para quem as taxas subiram, para igualar as taxas masculinas pela primeira vez) e adultos com 25 anos ou mais. Da mesma forma, o uso diário estabelecido em 7,9%, também aumentou. Percentagens mais altas de canadianos relataram obter a sua canábis de fontes legais ou através do auto-cultivo. No inquérito realizado pela Statistics Canada, cerca de 6% dos canadianos relatou que as suas plantas foram obtidas através do auto-cultivo e 7% relatou preparar comestíveis ou bebidas de canábis em casa.

How cannabis use changed in Canada, 2018 to 2020

Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional9 horas atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa1 dia atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações1 dia atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...

Internacional1 dia atrás

Malta: Registo para obter licenças de canábis inicia a 28 de Fevereiro

Já passou quase um ano desde que Malta aprovou a legislação para regulamentar o uso adulto da canábis, permitindo a posse...

Internacional2 dias atrás

França dá um passo em frente na legalização da canábis

O Conselho Económico, Social e Ambiental (Cese) de França propôs uma “legalização supervisionada” da canábis, num esforço para “ser orientado...

Comunicados de Imprensa2 dias atrás

Suíça: Linnea obtém licença para produção e exportação de API’s com alto teor de THC

A Linnea SA obteve a licença de narcóticos da Swissmedic, a equivalente suíça ao Infarmed I.P., tornando-a numa das primeiras...

Internacional2 dias atrás

Alemanha pretende concluir projecto de lei e parecer técnico sobre a legalização até final de Março

O projecto de lei do governo alemão para a legalização da canábis deverá estar concluído até ao final de Março,...

Internacional4 dias atrás

EUA: Supremo Tribunal do Arizona decide que uso de canábis medicinal durante a gravidez não constitui negligência infantil

O Supremo Tribunal do Arizona decidiu que o uso materno de canábis para enjôos matinais não constitui negligência infantil, avançou a...

Internacional4 dias atrás

República Checa: Projecto para a legalização do uso adulto poderá ser apresentado já em Março

A legislação que regulamentará a canábis para fins recreativos na República Checa poderá ver a luz do dia dentro de...

Nacional4 dias atrás

Clever Leaves despede 63 pessoas e sai de Portugal

A Clever Leaves anunciou hoje que vai abandonar as suas operações em Portugal, tendo procedido ao despedimento colectivo de 63 trabalhadores....