Connect with us

Cânhamo

Associações de todo o mundo unem forças pelo cânhamo, contra a proibição do CBD

Publicado

em

Ouvir este artigo
Foto: EIHA

A “guerra” ao CBD (canabidiol) parece não ter fim à vista, mas associações de todo o mundo, desde a Austrália à França e ao Reino Unido, da Colômbia à Mongólia ou ao Japão, prometem lutar juntas pelos seus direitos. A EIHA – European Industrial Hemp Association alertou ontem para o facto de o cânhamo ser um “produto agrícola” e não uma “substância controlada” pela Convenção de Narcóticos de 1961.

Espera-se que o mercado do CBD venha a valer milhares de milhões de euros nos próximos anos, portanto não é de espantar que a indústria farmacêutica e o sector agrícola tenham interpretações tão diferentes no que respeita à legislação existente no que respeita ao CBD. Associações de cânhamo de todo o mundo unem forças para rebater a tendência de proibição generalizada do CBD, com a adopção de uma posição conjunta

“Em palavras claras: SIM, o IDCC (International Drug Control System) impõe regulamentações rígidas sobre o cultivo da planta Cannabis para investigação com fins medicinais e uso directo na medicina e no sector farmacêutico, mas NÃO, essas disposições não se aplicam ao cultivo e a todas as actividades ligadas ao cânhamo – usos industriais não relacionados com as substâncias controladas da planta de Cannabis” — pode ler-se no documento emitido ontem pela EIHA.

O documento de posição conjunta baseia-se em dois instrumentos jurídicos internacionais: a Convenção Única de 1961 (C61), alterada pelo Protocolo de 1972, e a Convenção de 1971 sobre Substâncias Psicotrópicas (C71). A Convenção foi ratificada há quase 60 anos por 180 estados e ainda determina as actuais legislações nacionais de controlo de drogas em todo o mundo.

“As Convenções Internacionais de Controle de Drogas (IDCC) não regulamentam o cânhamo. No entanto, elas podem afectar as políticas relacionadas com o cânhamo, em particular por causa de incertezas legais e zonas cinzentas, devido ao baixo nível de definição de “Cannabis” pelo IDCC”, refere o documento. E continua:

O IDCC é composto por 3 tratados principais:

1 – Convenção Única das Nações Unidas sobre Estupefacientes (1961), alterada em 1972. Trata principalmente de plantas medicinais tradicionais e produtos farmacêuticos. Frutas/Flores da planta de Cannabis, resina de cannabis (haxixe) e extratos e tinturas de Cannabis são hoje controladas por esta Convenção;
2 – A Convenção das Nações Unidas sobre Substâncias Psicotrópicas (1971), que aborda substâncias psicoactivas e drogas de uma perspectiva mais química. O THC é hoje controlado por esta Convenção;
3 – A Convenção das Nações Unidas contra o Tráfico Ilícito de Estupefacientes e Substâncias Psicotrópicas (1988), que reforça as duas anteriores, em particular no aspecto da aplicação da lei.

Estas Convenções tratam apenas de medicamentos e sectores medicinais, embora façam um apelo ao sistema de justiça criminal para aplicar penalidades relacionadas ao desvio e uso inapropriado desses produtos médicos controlados.

Os IDCC são instrumentos jurídicos-quadro que regulam os mercados farmacêuticos de produtos, substâncias, plantas e fungos controlados. No entanto, existem muitos outros usos não relacionados com a medicina desses mesmos produtos, substâncias, plantas e fungos. Por isso, o IDCC possui cláusulas, que isentam totalmente as actividades não médicas e não científicas relacionadas com a investigação.

Para o cânhamo, embora a planta Cannabis sativa seja colocada sob os auspícios da Convenção sobre Narcóticos de 1961, isenções claras permitem que os países implementem políticas e regulamentos de cânhamo que desrespeitam completamente o IDCC. Os mais notáveis ​​são:

1 – Isenção por finalidade de uso: Isenção geral por finalidade. Contemplado no Artigo 2(9) da Convenção de 1961, declarando que os países ratificantes “não são obrigados a aplicar as disposições desta Convenção aos medicamentos que são comumente usados ​​na indústria para outros fins que não médicos ou científicos” e o Artigo 4(b) do Convenção de 1971 que explica que os governos “podem permitir […] o uso de tais substâncias na indústria para o fabrico de substâncias ou produtos não psicotrópicos”;

Isenção específica por finalidade para a planta de Cannabis. Toda a planta está totalmente isenta de todas as disposições da Convenção, quando utilizada para fins “industriais” e/ou “hortícolas”, no Artigo 28(2) da Convenção de 1961.

2 – Isenção por partes botânicas da planta Cannabis:
Independentemente da “finalidade” de uso descrita acima, a Convenção de 1961 também isenta explicitamente sementes de Cannabis, fibras (Artigo 28(2)) e “folhas quando não acompanhadas dos topos” (Artigo 1(b))
A explicação oficial da Convenção (Comentário) explica que, além das partes que são explicitamente mencionadas nestes artigos, todas as partes da planta de Cannabis que não são “topos floridos ou frutíferos” não se enquadram nos termos da Convenção se usadas em ambientes industriais para fins não médicos.

Convenções sobre Drogas não se aplicam ao Cânhamo

Em palavras claras: SIM, o IDCC impõe regulamentações rígidas sobre o cultivo da planta Cannabis para investigação com fins medicinais e uso directo na medicina e no sector farmacêutico, mas NÃO, essas disposições não se aplicam ao cultivo e a todas as atividades ligadas ao cânhamo (usos industriais não relacionados com o grupo da planta de Cannabis).

Desde 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi mandatada para avaliar e actualizar a colocação de Cannabis dentro do IDCC. Embora esse processo apresente um número importante de oportunidades positivas (em particular para esclarecer e isentar mais explicitamente os produtos de cânhamo e CBD das disposições do IDCC), também existem alguns riscos ligados à complexidade da planta de cannabis e seus derivados. Este processo também foi a ocasião de um diálogo renovado entre o sistema das Nações Unidas e a União Europeia actualmente a passar pela sua própria revisão das políticas de cânhamo e CBD.

Relatório da OMS: CBD é seguro e não causa dependência

A OMS recomendou oficialmente, a 14 de dezembro de 2017, que o composto canabidiol (CBD) não fosse tratado internacionalmente como substância controlada. Na sua reunião de Novembro de 2017, o Comité de Especialistas da OMS sobre Dependência de Drogas (ECDD) concluiu que, “no seu estado puro, o canabidiol não parece ter potencial de abuso ou causar danos”. Como tal, como o CBD não é actualmente uma substância programada por direito próprio (apenas como componente de extractos de canábis)”.

“O CBD natural é seguro e bem tolerado em humanos (e animais) e não está associado a nenhum efeito negativo na saúde pública”, refere a OMS.

Os especialistas afirmaram ainda que “o CBD, um produto químico não psicoactivo encontrado na canábis, não induz dependência física e “não está associado ao potencial de abuso”. A OMS também escreveu que, ao contrário do THC, as pessoas também não ficam “pedradas” com o CBD.

“Até à data, não há evidências de uso recreativo de CBD ou quaisquer problemas relacionados à saúde pública associados ao uso de CBD puro”, escreveu a OMS. “De facto, as evidências sugerem que o CBD mitiga os efeitos do THC”, de acordo com este e outros relatórios. O CBD “foi demonstrado como um tratamento eficaz para a epilepsia” em adultos, crianças e até animais, e existem “evidências preliminares” de que o CBD pode ser “útil no tratamento da doença de Alzheimer, cancro, psicose, doença de Parkinson e outras condições graves”, pode ler-se no relatório da OMS.

Em Dezembro de 2019, a OMS recomendou à Organização das Nações Unidas (ONU) remover a canábis da Categoria IV, a mais restritiva da tabela da Convenção Única de Estupefacientes de 1961, assinada por países de todo o mundo. A OMS deixou claro que as preparações focadas no canabidiol (CBD) não contendo mais do que 0,2% de THC “não deverão estar sob controle internacional”. Anteriormente, o CBD não estava previsto nas convenções internacionais, mas esta nova recomendação pretendeu tornar as referências ao CBD ainda mais claras.

Leia aqui a carta enviada pela OMS à ONU:

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

+ posts
Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Eventos1 semana atrás

CannaTrade regressa a Zurique de 24 a 26 de Maio

A CannaTrade – Feira e Festival Internacional do Cânhamo de Zurique atinge em 2024 a maioridade, celebrando a sua 18ª...

Comunicados de Imprensa1 semana atrás

Grupo SOMAÍ e a sua subsidiária RPK Biopharma ampliam parceria com Cookies para incluir Europa e Reino Unido

LISBOA, PORTUGAL, 16 de maio de 2024 /EINPresswire.com/ — O Grupo SOMAÍ (“SOMAÍ”) e a sua subsidiária, RPK Biopharma expandiram...

Nacional2 semanas atrás

Portugal: Consumo estimado de CBD aumenta, apesar da proibição

O relatório “Cannabis in Portugal”, realizado pela Euromonitor International, divulgou os dados mais recentes sobre a indústria da canábis, os...

Nacional2 semanas atrás

“Canábis. Maldita e Maravilhosa”, de Margarita Cardoso de Meneses, chega às livrarias a 16 de Maio

Margarita Cardoso de Meneses, colaboradora do CannaReporter®, acaba de publicar o livro “Canábis. Maldita e Maravilhosa”, editado pela Oficina do...

Comunicados de Imprensa3 semanas atrás

Montemor-o-Velho: Detido por cultivo de canábis

O Comando Territorial de Coimbra, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) do Destacamento Territorial de Montemor-o-Velho, hoje, dia 9...

Eventos3 semanas atrás

PTMC – Portugal Medical Cannabis reúne indústria da canábis medicinal a 22 de Maio, em Lisboa

A PTMC – Portugal Medical Cannabis vai reunir os profissionais da indústria da canábis medicinal no próximo dia 22 de...

Corporações3 semanas atrás

EUA: MedMen declara falência com 400 milhões de dólares de dívidas

A gigante norte-americana da canábis MedMen entrou em colapso sob o peso da sua dívida, anunciando na semana passada que...

Notícias3 semanas atrás

Estudo revela que legalização da canábis não aumenta consumo de outras substâncias

Um dos argumentos mais usados contra a legalização da canábis para uso adulto ou recreativo tem sido a ideia de...

Cânhamo3 semanas atrás

Letónia: Hemp School, da Obelisk Farm, é finalista do Prémio EFT Green Skills 2024

A Obelisk Farm continua a ser reconhecida mundo fora pela sua abordagem sui generais à exploração do cânhamo industrial. O projecto familiar, que...

Eventos3 semanas atrás

EUA: CannMed 24 Innovation & Investment Summit regressa a Marco Island, na Florida, de 12 a 15 de Maio

É uma das mais importantes conferências científicas sobre a indústria da canábis medicinal e regressa a Marco Island, na Florida,...