Connect with us

Nacional

OPCM: “É com o foco no doente que organizamos esta conferência”

Publicado

em

Ouvir este artigo
Carla Dias, presidente do OPCM. Foto: Laura Ramos | Cannareporter

O Observatório Português de Canábis Medicinal (OPCM) respondeu esta tarde às perguntas do Cannareporter, no seguimento das queixas de pacientes, enfermeiros e técnicos de saúde, que manifestaram o seu descontentamento por se verem impedidos de participar na 1ª Conferência Nacional sobre Canábis Medicinal.

Reproduzimos abaixo as respostas da direcção do OPCM, presidida por Carla Dias, na íntegra.

Tratando-se de uma Conferência Nacional (e não um Congresso ou Workshop, que se destinam a públicos específicos) e tendo em conta que os Enfermeiros ou técnicos de saúde, por exemplo, são muitas vezes os primeiros e quem tem mais contacto com os pacientes e suas famílias, por que razão limitou o OPCM o acesso apenas a médicos e farmacêuticos?
A CNCM – 1.ª Conferência Nacional de Canábis Medicinal, organizada pelo OPCM e pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra tem por objetivo um caráter formativo específico. Há 6 meses atrás, momento em que começou a ser organizada a conferência, não era possível garantir um espaço físico que pudesse comportar todos os profissionais de saúde, tendo em conta as regras impostas à data pela DGS, face à Covid 19. Razão pela qual as entidades organizadoras decidiram que esta primeira conferência se destinaria a Médicos e Farmacêuticos, por serem os principais intervenientes na prescrição e dispensa de medicamentos, preparações e substâncias à base da planta canábis, que são substâncias controladas e sujeitas a receita médica obrigatória e venda exclusiva em farmácias. Sendo este evento efetuado em parceria com a FMUC no Campus Universitário da FFUC, decidiram as entidades organizadoras abrir o acesso a estudantes de medicina e ciências farmacêuticas.

Sendo o OPCM uma associação que foi criada com, entre outros, os objectivos de “Informar, apoiar e orientar, a todos os níveis, no contexto do seu objeto, os pacientes e utilizadores de medicamentos” e “Permitir a integração social dos pacientes visando a sua dignificação e a salvaguarda dos seus interesses e direitos, bem como o apoio a cuidadores ou familiares” como justifica o OPCM que os pacientes e cuidadores sejam impedidos de aceder a esta conferência?
Pelos motivos já expostos na resposta à anterior questão. É com o foco no doente, que organizámos esta conferência por forma a transmitir aos participantes nesta conferência mais conhecimento e informação sobre a canábis medicinal, habilitando-os a melhor responder às necessidades dos doentes que tanto delas necessitam e as merecem.

Com que acções concretas tem estado o OPCM a apoiar os pacientes e cuidadores em Portugal? Quantos associados tem o OPCM actualmente e quantos usufruem dessas acções?
A titulo de exemplo, realizámos no dia 26 de fevereiro de 2022, uma Conferência online aberta a doentes, cuidadores, técnicos, profissionais de saúde das mais variadas áreas, que contou com 180 participantes. O apoio, a orientação e informação de doentes, cuidadores, (associados ou não) do OPCM, é também feito de forma diária e direta, através dos vários contactos pessoais com os mesmos. Mais se informa a titulo de exemplo que pela primeira vez o OPCM com a representação de alguns elementos do seu Conselho Consultivo Científico, conseguiu no espaço de 1 ano tão atípico, reunir com diversas sociedades médicas portuguesas, entidades governamentais, empresas nacionais e internacionais licenciadas e ou em fase de aprovação de medicamentos, preparações e substâncias à base da planta canábis.
O OPCM conta neste momento com 122 associados.

Foi-nos dado conta também que o OPCM não está a autorizar comentários do público nas redes sociais, tendo apagado vários ao longo dos últimos meses, algumas pessoas falam mesmo em “censura”. Por que motivo estão a bloquear a livre participação e opinião das pessoas que vos procuram nas redes sociais?
O OPCM respeita a liberdade de expressão de todos os seus associados, doentes, cuidadores e utilizadores das redes sociais, devendo naturalmente a mesma ser exercida de forma ordeira e respeituosa. As caixas de comentários das publicações nas nossas páginas nas redes sociais estavam a ser utilizadas por publicações de SPAM, sendo que alguns comentários tinham teor ofensivo e/ou difamatório. Porém, todos os canais de contacto com o OPCM estão, como sempre estiveram, à disposição de todos quantos queiram e necessitem contactar o OPCM.

A Sra. Presidente do OPCM, Professora Carla Dias, tanto quanto sabemos docente de Inglês numa escola profissional, tem-se apresentado publicamente, desde 2021, como “Doutora”. Que formação fez para lhe conferir um grau diferente do que detinha anteriormente?
Pese embora não se entenda a relevância da questão, que é do foro pessoal da Presidente da Direcção e que em nada está relacionada com assunto do email, não podemos deixar de referir que “Dr” ou “Drª” é título usado socialmente para designar quem concluiu uma licenciatura; licenciado; e para a pessoa que ensina ou é professor. Mas que também é tratada por Sra ou apenas por Carla.

Qual é a reacção do OPCM e seus associados à notícia do Jornal de Notícias de hoje, “Exportações de canábis crescem quase 600% num ano”? Com um país a plantar quase exclusivamente para exportação, como vê o OPCM esta situação? O que tem feito para garantir que os pacientes em Portugal tenham acesso efectivo a canábis?
A posição do OPCM face ao volume de exportações é amplamente conhecida, tendo sido dada a conhecer já por diversas vezes nos meios de comunicação social. A título de exemplo, programa Linha da Frente da RTP1, Setembro de 2021. O OPCM tem observado as iniciativas governamentais nacionais e internacionais, por forma a garantir que os direitos dos utilizadores de medicamentos, preparações e substâncias à base da planta canábis para fins medicinais, são acautelados, intervindo junto das entidades competentes e desta forma tenta que os doentes em Portugal tenham acesso efetivo à canábis medicinal em conformidade com a lei portuguesa.

É do conhecimento público que a Sra. Presidente do OPCM tem uma filha com Epilepsia, a quem dá CBD. Que CBD dá à sua filha e onde o adquire?
Pese embora não se entenda a relevância da questão, que é do foro pessoal da Presidente da Direcção e que em nada está relacionada com assunto do email, não se poderá deixar de referir que a resposta à questão colocada é do conhecimento público (Vide in Dias, Carla, “Uma Mãe de Fires”).

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Eventos1 dia atrás

ICBC Berlim volta a brilhar. É o início de uma nova era para a indústria da canábis na Alemanha

A ICBC Berlin foi a primeira grande conferência internacional sobre canábis a ocorrer após a legalização do uso adulto na...

Eventos3 dias atrás

O 4:20 está a chegar e há celebrações no Porto e em Lisboa

A data da celebração da cultura da canábis está a chegar! Este sábado, 20 de Abril, é o dia em...

Internacional6 dias atrás

Paul Bergholts, alegado líder da Juicy Fields, detido na República Dominicana

Paul Bergholts, o alegado líder do esquema em pirâmide Juicy Fields, terá sido detido na República Dominicana e será submetido a...

Saúde1 semana atrás

Canabinóides revelam resultados promissores no tratamento do Transtorno da Personalidade Borderline

Uma investigação levada a cabo pela Khiron LifeSciences e coordenada por Guillermo Moreno Sanz sugere que os medicamentos à base de...

Internacional1 semana atrás

Caso Juicy Fields: 9 detidos pela Europol e Eurojustice. Burla ultrapassa 645 milhões de euros

Uma investigação conjunta conduzida por várias autoridades europeias, apoiadas pela Europol e pela Eurojust, culminou na detenção de nove suspeitos...

Internacional2 semanas atrás

Utilizadores regulares de canábis podem necessitar de mais anestesia durante procedimentos médicos

Os utilizadores regulares de canábis podem necessitar de mais anestesia durante os procedimentos médicos para permanecerem sedados, se comparados com...

Internacional2 semanas atrás

O futuro do CBD no Japão: Como as reformas legais irão moldar o mercado

No final do ano passado, o Japão deu um grande passo em direcção à reforma da canábis depois de aprovar...

Nacional2 semanas atrás

Portugal: GreenBe Pharma obtém certificação EuGMP nas instalações de Elvas

A GreenBe Pharma, uma empresa de canábis medicinal localizada em Elvas, Portugal, obteve a certificação EU-GMP, ao abrigo dos regulamentos...

Nacional3 semanas atrás

Álvaro Covões, da Everything is New, compra instalações da Clever Leaves no Alentejo por 1.4 milhões de euros

Álvaro Covões, fundador e CEO da agência promotora de espectáculos ‘Everything is New‘, que organiza um dos maiores festivais de...

Eventos3 semanas atrás

ICBC regressa a Berlin a 16 e 17 de Abril

É uma das maiores e mais reconhecidas conferências de B2B sobre canábis da Europa e regressa a Berlim já nos...