Connect with us
Publicidade
Publicidade

Internacional

Argentina autoriza associações de pacientes a cultivar canábis medicinal

Publicado

em

Foto: Crystalweed | Unsplash

O  Ministério da Saúde da Argentina publicou esta terça-feira uma nova resolução que actualiza as regras para a produção de canábis medicinal no país. Dois anos depois da legalização, e após muita persistência por parte das organizações de pacientes, a resolução vem legitimar o cultivo de canábis para fins medicinais por parte das associações, para fornecimento de derivados de canábis aos seus associados. O auto-cultivo doméstico por parte dos pacientes já era permitido na Argentina desde 2020.

As organizações poderão cultivar em 15 metros quadrados em diferentes áreas externas e até 6 metros quadrados em cultivos em interior, por paciente, desde que devidamente autorizados. Dentro destes limites de área, podem estar até nove plantas em floração para cada paciente.

O governo argentino deu, assim, um passo importante na legislação referente à canábis medicinal, ao permitir o cultivo de canábis por parte das associações de pacientes. Após dois anos de reuniões, solicitações, consultas e propostas, o Ministério da Saúde nacional anunciou que as organizações de canábis poderão cultivar – já legalmente – plantas de canábis para fins medicinais para os seus associados.

Segundo a resolução publicada pelo Ministério da Saúde da Argentina, em virtude do tempo decorrido desde o início do referido registo (REPROCANN), foi realizada uma avaliação do seu funcionamento para fins de aperfeiçoamento. Neste processo de avaliação, participaram as entidades integrantes do Programa Nacional de Estudo e Pesquisa do Uso Medicinal da Planta Canábis, seus Derivados e Tratamentos Não Convencionais, bem como os membros do Conselho Consultivo Honorário do Programa, especialmente as organizações representantes não governamentais da sociedade civil.

A canábis medicinal foi regulamentada em 2020 na Argentina. No entanto, apesar do cultivo doméstico pelos pacientes ser permitido, as Organizações Não Governamentais reivindicavam também, a necessidade de as incluir no projecto de produção da canábis para os pacientes membros das associações. Em 2020, após a legalização para fins medicinais, foi constituído o “Registo do Programa de Canábis (Reprocann), a partir do qual foi estabelecida a possibilidade de acesso, por meio de cultivo controlado, à planta canábis e seus derivados, com a devida indicação e prescrição médica. As bases de funcionamento da Reprocann implicavam um registo por parte dos pacientes, mas as organizações não governamentais encontravam-se impedidas de registar-se enquanto entidades que procediam ao cultivo de canábis medicinal para os seus membros.

Associações limitadas a 150 membros, mas podem aumentar
O ministério, liderado por Carla Vizzotti, acatou o pedido do Conselho Consultivo da Reprocann (composto por médicos, activistas, cientistas e autoridades nacionais) e autorizou o cultivo de associações para no máximo 150 pacientes, modificando a legislação, a fim de simplificar as etapas para melhor garantir o acesso a tratamentos para consumidores de canábis para fins medicinais, terapêuticos e paliativos, bem como relativamente à constituição de organizações civis como terceiros autorizados a cultivar para abastecimento de um paciente registado.

As regras impostas aos pacientes são simples: os consumidores que são membros de ONGs, têm que, cumulativamente, registar-se na Reprocann, vinculando o seu perfil ao médico que realiza a prescrição bem como a organização correspondente, na função de produção para terceiros. Em suma, as regras para as organizações apresentam algumas novidades em relação ao transporte de plantas. No entanto, espelham as estabelecidas para os utilizadores particulares, mesma área permitida para cultivo, o mesmo número de plantas e a mesma autorização para transportar flores ou óleo dentro do território argentino: entre um e seis frascos de 30 mililitros ou até 40 gramas de flores secas.

Uma das discussões internas que ocorreram no Conselho Consultivo sobre estas alterações foi justamente o limite de pacientes para cada instituição. O valor definido como limite foi de 150 membros por associação, mas existe uma janela para que os grupos que ultrapassem esse número (alguns já o fazem) possam solicitar uma autorização administrativa de forma particular perante o Programa Nacional de Estudo e Investigação do Uso Medicinal da planta de Canábis do Ministério da Saúde Argentino.

O Cannareporter pediu uma reacção a esta notícia à única associação de pacientes de Portugal, o OPCM – Observatório Português de Canábis Medicinal, mas até ao momento não obteve resposta.

Publicidade

Mais recentes

Nacional4 horas atrás

Portugal: Exportações de canábis não param de crescer, mas Infarmed rectifica números divulgados em Março

A canábis produzida em Portugal já ruma para quatro continentes, de acordo com os dados do relatório divulgado pelo Infarmed,...

Nacional3 dias atrás

Em Portugal já foram prescritos mais de 10kg de canábis, mas só há 5 pedidos de ACM no Infarmed

As vendas de canábis para fins medicinais em Portugal ainda são pouco expressivas, mas mostram sinais de crescimento, de acordo...

Nacional3 dias atrás

Portugal: Infarmed já atribuiu 61 licenças e 172 pré-licenças relacionadas com canábis medicinal

O Infarmed — Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde I.P. atribuiu, até final de Junho de 2022, 61...

Internacional3 dias atrás

Espanha substitui multas de consumo e posse de drogas por “actividades de reeducação”

Os seis grupos parlamentares espanhóis (PSOE, Unidas Podemos, PNV, ERC, Junts e EH Bildu), chegaram a acordo para a reforma...

Nacional4 dias atrás

Infarmed publica relatório sobre a evolução da actividade da canábis medicinal em Portugal

O Infarmed — Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde I.P. publicou uma análise relativa às actividades desenvolvidas no sector da...

Corporações4 dias atrás

Snoop Dog e British American Tobacco investem no Sanity Group

O Sanity Group anunciou esta semana um dos maiores financiamentos numa empresa de canábis na Europa, com de 37.6 milhões de dólares...

Internacional4 dias atrás

Austrália: 1 milhão de dólares em multas por “falsas” alegações de saúde

A entidade reguladora de medicamentos australiana, a Therapeutic Goods Administration (TGA), emitiu 73 notificações de infracção sobre as alegações das...

Comunicados de Imprensa4 dias atrás

Cannadouro Magazine: Número 7 já está nas bancas. Veja aqui como receber a revista em casa

O número 7 da Cannadouro Magazine já está nas bancas, com muita informação em português sobre a actualidade do mundo...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

Portugal: Mais um arguido por tráfico de estupefacientes

O Comando Territorial de Braga, através do Posto Territorial do Braga, ontem, dia 27 de setembro, deteve um homem de...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

Akanda vai exportar uma tonelada de canábis de Portugal para a Alemanha

O acordo entre a portuguesa Akanda e a Cansativa GmbH vai arrancar com a exportação de uma tonelada de canábis...