Connect with us
Publicidade
Publicidade

Entrevistas

Arno Hazekamp: “Escolhemos Portugal porque toda a gente gosta e também porque é um mercado muito maduro”

Publicado

em

Arno Hazekamp na 1ª Conferência da LCC no CCB, em Lisboa. Foto: Laura Ramos | Cannareporter

O investigador holandês Arno Hazekamp foi o mestre de cerimónias da primeira conferência organizada pela Legal Cannabis Coalition (LCC) no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no passado dia 20 de Abril. O evento esgotou a capacidade máxima do auditório, tendo recebido mais de 100 profissionais da indústria da canábis medicinal, em especial da parte relacionada com o cultivo e o processamento.

Arno Hazekamp esteve em Portugal a convite da PTMC – Portugal Medical Cannabis, em 2019, no Hotel Sheraton, no Porto, onde dedicou uma palestra à bioquímica da canábis.

Falámos com Arno, o principal organizador e co-fundador da LCC, para saber como nasceu a coligação e fazer um balanço do evento.

Como e porque surgiu a LCC – Coligação da Canábis Legal?
Foi uma forma de manter o conhecimento unido. Começou com cerca de dez empresas que queriam saber mais sobre os seus produtos relacionados com a canábis: funciona? qual é o melhor? preciso desta lâmpada ou daquela, deste nutriente ou do outro? Então, essas empresas trabalham em conjunto com a Universidade de Wageningen, o que significa que eles pagam os custos da pesquisa e Wageningen é neutra, mas precisavam de um consultor científico e pediram-me para ajudar. Mas quando a pesquisa termina, as empresas seguem o seu próprio caminho, e eu pensei “bem, isso não é um desperdício?” Aprendemos a comunicar, reunimo-nos todos os meses, conhecemos a empresa um do outro, às vezes visitámos a empresa um do outro, sabemos sobre canábis e depois seguimos dez caminhos separados… isso é muito mau. Então, como podemos manter-nos juntos? E foi aí que pensámos – “bem, e se criarmos um grupo”? Um grupo precisa de um orçamento, daí pagamos uma adesão e a partir dessa adesão fazemos coisas. Organizar eventos, fazer outros estudos, visitar outros países para aprender uns com os outros e com os clientes uns dos outros… Foi assim que o núcleo da LCC começou e outras empresas disseram – “hey, que interessante, posso participar? Eu adiciono algo diferente!” Então esse é o nosso grupo. A resposta à sua pergunta é, como mantemos a boa energias juntos quando a pesquisa é feita e depois não nos queremos separar e dizer “tchau, até logo”.

Quantos membros tem a LCC agora?
Acho que temos vinte.

Os sócios são apenas empresas?
Tem que ser um prestador de serviços, porque se você cultiva canábis e se um dos nossos clientes também está a cultivar canábis, eles entram em conflito. Imagine, se sou um produtor de canábis e vou à LCC e digo “tenho um problema e quero que me ajude a resolvê-lo”, e depois vejo que na mesa está o meu competidor, é claro que eu vou para outro lugar… Isso seria estranho, então tem que ser um prestador de serviços. Não cultivamos canábis e não a vendemos, apenas ajudamos. Também têm que ser empresas holandesas, porque estamos sediados na Holanda e queremos conhecer-nos, que todos possam vir para uma mesa e falar pessoalmente, caso contrário estamos todos a olhar para as telas do Zoom e a falar inglês, e todos odiamos o Zoom… Começámos no início da Covid, então só piorou, mas dissemos – queremos unir-nos, queremos entender o outro, olhar-nos nos olhos e entender “com quem estou a lidar?”. Também tem que ser único, o que significa que não temos duas empresas do mesmo tipo, porque senão elas iriam competir. “Você construiu a última estufa, então agora é a minha vez”, mas não é isso que o cliente pede, ele não se importa, ele quer a melhor estufa. Então, uma empresa de estufas, um laboratório, um sistema de irrigação, um nutriente, e sempre há um pouco de sobreposição, ou tentar manter isso separado, para que, de toda a caixa de ferramentas, você sempre saiba a quem perguntar. E se todos forem diferentes, também estarão muito mais abertos para partilhar os dados dos clientes, porque uma empresa de estufas não vai roubar clientes a um laboratório. Podemos realmente ser abertos, podemos partilhar e não há danos, e acho que é a receita para a colaboração total.

Porquê Portugal para esta primeira Conferência?
Esta é a primeira conferência para nós, também é uma coisa nova, porque todos nós pensamos que somos muito divertidos e inteligentes x 20, mas não sabíamos que poderíamos tornar um dia inteiro divertido, interessante, envolvente. Escolhemos Portugal porque toda a gente gosta de vir a Portugal. Lisboa é uma cidade muito simpática, a comida, as pessoas, o clima (hoje não tanto, está muito vento), mas também porque é um mercado muito maduro. Há bastantes LPs, estamos também a falar do recreativo, da exportação, há LPs internacionais, há alguns LPs locais, o governo está a apoiar com o tipo de regulamentação certo, nem sempre tão rápido quanto desejaríamos, mas a estrutura está lá. Temos representantes locais dos nossos membros, algumas pessoas têm uma empresa local, outros têm muitos clientes aqui e estamos conectados através de, bem, pessoas como tu, temos conexões em todo o mundo e pessoas locais para nos dizer como fazer um evento como este. Então, no conjunto, para nós ficou muito claro: vamos primeiro para Portugal e, se funcionar, talvez a Dinamarca seja o próximo país da lista, talvez o Canadá, talvez Inglaterra.

A sala estava cheia e o vosso assessor de Imprensa disse que teve de recusar pessoas. Está feliz com o resultado?
Sim. Poderia estar mais cheia, mas se quiseres interagir… acho que todos nós temos a experiência de ir a uma conferência e durante os dois ou três dias da Conferência estar sempre a perseguir o orador favorito e ele está sempre a falar com outra pessoa. Com um número menor de pessoas há mais espaço para respirar, nem tudo está totalmente cheio, há um pouco mais de espaço para o café e também tem mais oportunidades de realmente falar com as pessoas com quem se quer falar. Não é sobre ser o maior. Tínhamos na cabeça que cem era um bom número, então quando chegámos perto de cem parámos. Também porque não podíamos pedir mais comida, porque aí enlouqueceríamos o CCB “Mais dez cafés! Mais dez cafés!” (risos)

Essa foi também a nossa experiência com a PTMC. Em Lisboa tivemos quase 400 pessoas e no Porto tivemos 200. No final, achámos melhor 200 do que 400.
Sim, mais nem sempre é melhor. E não é para termos lucro, é só para cobrir os custos, então cem foi o ponto de viragem. O custo e o benefício estavam garantidos, então foi aí que dissemos que era suficiente.

Os temas que escolheram para discussão aqui hoje foram mais relacionados com a parte de agronomia ou cultivo. Planeiam também abordar outros temas, como os benefícios da canábis para os pacientes?
Podemos fazer isso, convocar um simpósio sobre esse tópico específico e pedir aos palestrantes que façam isso, porque também queremos aprender sobre essas coisas, mas temos vinte empresas com vinte competências básicas, começamos por aí. Falar sobre os benefícios da canábis como medicamento significa que precisamos de um membro que seja uma empresa de pesquisa medicinal ou algo assim, certo? E poderíamos cobrir isso, mas na verdade tentamos ficar perto de nós mesmos – é o que sabemos, é o que temos, e se gostarem vamos conversar mais, mas não queremos convencer as pessoas de que a cannabis é um bom remédio ou não. Se for permitido, se quiser produzi-la e o seu governo permitir, então nós ajudamos a fazer o melhor. É como quando ajudamos a cultivar tomates, não temos uma opinião sobre o ketchup de tomate. Se quiser fazer ketchup, óptimo, se quiser fazer molho de macarrão, óptimo também. Você é que decide, desde que esteja a fazê-lo da maneira certa. (risos)

Mas hoje não estavam aqui os vinte membros …
Não, mas todos os palestrantes eram membros e alguns deles simplesmente não tiveram tempo, estão ocupados ou focados noutros clientes, ou a pessoa responsável pela canábis nessa empresa não estava disponível ou algo assim. Mas em condições perfeitas vinte membros teriam vinte oradores.

Como é que se sente agora, com o sucesso deste primeiro evento? 
É como organizar uma festa de aniversário, em que poderia dizer – bem, esta é uma grande festa, porque havia cem pessoas, mas se cem pessoas estivessem entediadas, não seria uma grande festa de aniversário. Então eu sempre observo as pausas para o café, como as pessoas se estão a comportar, quão abertas elas estão, quanta interacção há entre as pessoas que não se conhecem… E eu acho que aqui funcionou muito bem. Não é sobre o que eu penso, é sobre o que vejo ao meu redor, e sinto emoção, sinto fluxo, uma atmosfera muito aberta, onde as pessoas ficam felizes com as conexões que são feitas. Acho que foi um sucesso.

Como é que vê o panorama global da canábis e o que é que espera para a Europa? 
Acho que precisamos colaborar mais, precisamos partilhar histórias para termos melhores práticas, precisamos de benchmarks, padrões, não apenas padronização, mas precisamos saber o que é normal, porque existem muitas grandes histórias por aí onde as pessoas podem reivindicar o que quiserem sobre a canábis e precisamos verificar. Acho que a melhor verificação não é dizer que você é o especialista ou dizer se é bom ou não, mas verificarmos como um grupo. Temos que garantir que a informação certa flutue para o topo e que toda a gente tenha acesso a ela. Então, aí, tenho certeza de que todos poderemos descobri-la.

Publicidade
Publicidade

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional8 horas atrás

Japão dá passos para legalizar o uso medicinal de canábis

O governo do Japão está a considerar uma revisão da sua Lei de Controlo da Canábis, que permitiria o uso...

Comunicados de Imprensa1 dia atrás

EUA: Curaleaf encerra operações na Califórnia, Colorado e Oregon

A Curaleaf Holdings anunciou hoje em comunicado de Imprensa o encerramento proactivo da maioria das suas operações na Califórnia, Colorado...

Corporações1 dia atrás

Bedrocan expande produção de canábis medicinal para a Dinamarca

O produtor holandês de canábis medicinal Bedrocan vai abrir uma nova instalação na Dinamarca, de forma a responder à procura...

Internacional1 dia atrás

Malta: Registo para obter licenças de canábis inicia a 28 de Fevereiro

Já passou quase um ano desde que Malta aprovou a legislação para regulamentar o uso adulto da canábis, permitindo a posse...

Internacional2 dias atrás

França dá um passo em frente na legalização da canábis

O Conselho Económico, Social e Ambiental (Cese) de França propôs uma “legalização supervisionada” da canábis, num esforço para “ser orientado...

Comunicados de Imprensa2 dias atrás

Suíça: Linnea obtém licença para produção e exportação de API’s com alto teor de THC

A Linnea SA obteve a licença de narcóticos da Swissmedic, a equivalente suíça ao Infarmed I.P., tornando-a numa das primeiras...

Internacional2 dias atrás

Alemanha pretende concluir projecto de lei e parecer técnico sobre a legalização até final de Março

O projecto de lei do governo alemão para a legalização da canábis deverá estar concluído até ao final de Março,...

Internacional3 dias atrás

EUA: Supremo Tribunal do Arizona decide que uso de canábis medicinal durante a gravidez não constitui negligência infantil

O Supremo Tribunal do Arizona decidiu que o uso materno de canábis para enjôos matinais não constitui negligência infantil, avançou a...

Internacional4 dias atrás

República Checa: Projecto para a legalização do uso adulto poderá ser apresentado já em Março

A legislação que regulamentará a canábis para fins recreativos na República Checa poderá ver a luz do dia dentro de...

Nacional4 dias atrás

Clever Leaves despede 63 pessoas e sai de Portugal

A Clever Leaves anunciou hoje que vai abandonar as suas operações em Portugal, tendo procedido ao despedimento colectivo de 63 trabalhadores....