Connect with us
Publicidade
Publicidade

Opinião

Europe is awaking and baking*

Publicado

em

Foto: Saad Chaudry @ Unsplash

 * “A Europa está a despertar e a enrolar”, trocadilho com a expressão “wake and bake”, que na gíria canábica significa acordar e utilizar canábis logo pela manhã.

No ano passado, assistimos a importantes desenvolvimentos na política de canábis na Europa. As discussões sobre o uso recreativo estão a ficar mais fortes em toda a Europa e alguns países tomaram medidas importantes para abordar e abanar o status quo na política de drogas.

Em Espanha, particularmente na Catalunha, o uso recreativo da canábis é tolerado há muitos anos. O modelo do Canábis Social Club (CSC) já está relativamente bem estabelecido, porém ainda não está regulamentado. A nível nacional, no ano passado, vários tópicos foram abordados, tais como a canábis medicinal, o impacto económico da regulamentação, a acessibilidade da canábis, e teve lugar no parlamento espanhol um debate sobre a regulamentação da canábis para fins recreativos. Foram apresentados três projectos de lei para uma regulamentação abrangente da canábis por três partidos: os sociais democratas da Esquerra Republicana de Catalunya, o partido de esquerda Más País e a aliança eleitoral socialista democrática Unidas Podemos. Este último foi o mais ambicioso, mas ainda não se sabe como as políticas espanholas de canábis se irão, efectivamente, desenvolver no futuro, uma vez que todos os projectos de lei propostos receberam críticas, não apenas da oposição, mas também daqueles a favor da regulamentação. Muitas questões permanecem em aberto, principalmente aquelas relacionadas com a inclusão da sociedade civil e grupos vulneráveis ​​na discussão.

A Alemanha também dedicou manchetes à canábis no outono de 2021, depois de a recém-eleita coligação de social-democratas do SPD, Verdes e democratas livres do FDP terem incluído no acordo de governação a regulamentação da canábis. São a favor da descriminalização, das lojas licenciadas e da proibição da publicidade. Há muitos obstáculos a ultrapassar até que o primeiro grama de canábis seja vendido legalmente para fins recreativos na Alemanha, mas o facto de existir um plano já é um marco importante por si só. Talvez a estimativa de 4,7 mil milhões de euros de receita em impostos por ano, calculada por um instituto de economia alemão que analisa os efeitos da legalização da canábis, tenha ajudado a persuadir o ex-ministro das Finanças e o novo chanceler. A Alemanha, ao abrir caminho para um mercado regulamentado, pode muito bem servir de exemplo para os outros países europeus – e criar um “efeito dominó”.

Antes mesmo que a coligação alemã anunciasse a legalização, a coligação governativa no Luxemburgo, composta pelos liberais democratas do DP, socialistas LSAP e os Verdes, também concordou com a legalização, mas até ao momento apenas avançou com a  descriminalização: assim, se a posse de até 3 gramas de canábis origina apenas uma multa, agora há tolerância para o auto-cultivo até 4 plantas.

Provavelmente, o passo mais decisivo em direcção a um mercado regulamentado de canábis para fins recreativos foi dado pelo governo maltês. Em Dezembro do ano passado, já tinha sido aprovada uma lei que descriminalizou a posse de 7 gramas de canábis sem qualquer repercussão criminal ou administrativa; permitiu o cultivo de até quatro plantas por domicílio; permitiu o estabelecimento de associações de canábis (até 500 membros) fornecendo canábis e sementes; e permitiu ainda a eliminação de antecedentes criminais. O ano de 2022 foi crucial para a reforma da canábis em Malta, que avançou para a legalização total, mas embora a abordagem maltesa seja orientada socialmente e sem fins lucrativos, ainda há questões por resolver. 

As discussões públicas sobre a reforma da canábis estão a tornar-se o “novo normal” da Europa. Quaisquer avanços em direcção à regulamentação, por menores que sejam, são melhores do que o status quo mantido por mais de meio século. É hora de substituir a ignorância pelo conhecimento e dar passos firmes em direcção a políticas de canábis baseadas em equidade social, transparência, inclusão, eficácia e sustentabilidade. 

______________________________________________
Maja Kohek é doutoranda em Antropologia Médica e Saúde Global na Universidade de Rovira i Virgili, em Tarragona, Espanha, e está a investigar o uso ritual controlado a longo prazo de plantas psicoactivas (xamânicas) na Catalunha rural e os seus efeitos pessoais e sociais. Maja também pesquisa o impacto da exposição a longo prazo à Ayahuasca na saúde pública. É co-autora de vários artigos, artigos de jornais, traduções e apresentações a nível nacional e internacional. Desde 2016, colabora com o Centro Internacional de Educação Etnobotânica, Pesquisa e Serviços (ICEERS) em Espanha e integra a ENCOD – A Coligação Europeia para Políticas de Drogas Justas e Eficazes, uma rede de organizações não governamentais e cidadãos europeus que se preocupam com o impacto das actuais políticas internacionais de drogas nas vidas dos sectores mais afectados na Europa e no Sul Global.

Este artigo de Opinião foi originalmente publicado na Edição #5 da Cannadouro Magazine

Publicidade
Publicidade cannadouro

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Nacional13 horas atrás

Portugal: Movimento Mães pela Canábis lança petição pelo direito ao cultivo pessoal e associativo

O Movimento Mães pela Canábis, fundado em Portugal em Maio de 2022 por centenas de pacientes que procuram aceder à canábis...

Comunicados de Imprensa6 dias atrás

GNR: 10 meses de investigação para apreender 32 doses de haxixe e 48 de cocaína

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) de Felgueiras, no dia 28 de novembro, deteve...

Entrevistas6 dias atrás

André Paquete Carvalho: “Amesterdão é muito aberta, mas ainda se vivem tempos de tolerância. A canábis aqui continua a ser ilegal”

As entrevistas “Trabalhar com Canábis”, publicadas na Cannadouro Magazine, procuram dar a conhecer portugueses que trabalham no sector da canábis...

Cânhamo2 semanas atrás

Canábis ou cânhamo? Estará Espanha a cometer os mesmos erros de Portugal?

A Guardia Civil anunciou recentemente a maior apreensão de canábis de sempre em Espanha, mas logo em seguida várias vozes vieram...

Nacional3 semanas atrás

Conta da Cannadouro desaparece do Instagram a 1 dia do evento

A conta de Instagram da CannaDouro terá sido apagada ou bloqueada pelo provedor da rede social. O acesso à página foi...

Cânhamo3 semanas atrás

As receitas da Pedrêz: Como fazer betão de cânhamo cofrado in situ

Em 2018, a oficina Pedrêz iniciou, na rua do Paraíso 331, no centro histórico do Porto, a construção do primeiro...

Eventos3 semanas atrás

Cannadouro regressa à Alfândega do Porto já no próximo fim-de-semana

Pouco depois de o Porto ter sido eleito pelos World Travel Awards como o melhor destino de cidade do mundo...

Internacional3 semanas atrás

Irlanda: People Before Profit quer alterar legislação para permitir o uso adulto de canábis

O partido político irlandês People Before Profit vai apresentar dentro de duas semanas um projecto de lei que pretende alterar a...

Internacional3 semanas atrás

EUA: Presidente do Instituto Nacional de Justiça Militar exige extensão do indulto por delitos de canábis a militares

A presidente do Instituto Nacional de Justiça Militar dos Estados Unidos da América (EUA) pediu ao presidente Joe Biden que...

Entrevistas3 semanas atrás

César Cardoso: “Construir em cânhamo é uma verdadeira alternativa verde”

Estimular a inovação na arquitectura moderna, recorrendo a materiais naturais ou reciclados, de baixo impacto ambiental, é  uma das prioridades...