Connect with us

Internacional

Tailândia: Médicos pedem fim imediato do uso recreativo de canábis

Publicado

em

Ouvir este artigo
Foto: D.R.

Mais de 850 médicos e ex-alunos da Faculdade de Medicina do Hospital Ramathibodi, da Universidade Mahidol, na Tailândia, emitiram um comunicado a exigir o fim imediato do uso recreativo da canábis, alegando que ela representa “uma ameaça ao sistema de saúde pública” e às próprias pessoas, a curto e longo prazo, anunciou o Thai PBS World. Por outro lado, a Reuters revela hoje que a Tailândia está já a arrecadar bastante dinheiro com as vendas pós-legalização, “desde o leite à pasta de dentes”.

A Tailândia mudou radicalmente o seu paradigma em relação à canábis, tendo optado pela legalização, com o governo a autorizar o auto-cultivo e a distribuir mais de um milhão de plantas pelos seus habitantes. De acordo com a Reuters, a indústria tailandesa de canábis pode ultrapassar os 3 mil milhões de dólares nos próximos cinco anos.

A declaração foi assinada por 851 médicos e afirma que o anúncio do Ministério da Saúde Pública que retirou a canábis e o cânhamo da categoria 5 da lista de substâncias ilegais, que entrou em vigor no passado dia 9 de Junho, resultou no uso generalizado da planta para fins recreativos, inclusive pelos jovens, sem que houvesse ainda uma política sobre como controlar seu uso,

Segundo o comunicado, os resultados contradizem as alegações de que a descriminalização se destinava a aumentar o acesso público à canábis medicinal e salienta que “existem muitos estudos científicos que mostram que a canábis tem efeitos negativos no cérebro dos jovens”.

Os profissionais de saúde manifestaram ainda o seu apoio a uma rede de académicos e organizações da sociedade civil, que já tinham emitido uma carta aberta ao governo a pedir a suspensão da descriminalização da canábis, tendo pedido também audiências para permitir que todas as partes interessadas participem da elaboração de uma política nacional de canábis e o lançamento de uma campanha na plataforma change.org, que foi entretanto assinada por milhares de pessoas, para suspender o uso recreativo da canábis.

Da prisão perpétua para a legalização praticamente total
A Tailândia é um caso único no mundo, tendo passado de políticas altamente restritivas e punitivas para os utilizadores de canábis para uma abordagem totalmente inovadora, admitindo mesmo o auto-cultivo até seis plantas por pessoa. A descriminalização da canábis e do cânhamo é a principal política do Bhumjaithai, o segundo maior partido do governo, liderado pelo ministro da Saúde Pública Anutin Charnvirakul.

A preocupação do uso recreativo da canábis pelos jovens vem do facto da canábis e do cânhamo terem sido descriminalizados quando se fizeram alterações à Lei de Narcóticos, para regular o uso das duas plantas e seus extractos, mas essas alterações ainda estão pendentes no Parlamento.

Para resolver os mal entendidos, ainda que temporariamente, o governo emitiu um comunicado no passado dia 16 de Junho, declarando que a canábis e os seus extractos são substâncias controladas, o que na teoria deveria impedir que os menores de 20 anos e as mulheres grávidas ou a amamentar as usassem. O uso da canábis em público, incluindo fumar, também é proibido, mas a Tailândia vive agora um novo momento, aproximando-se dos países e Estados que já legalizaram o seu uso adulto ou pessoal.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Licenciada em Jornalismo pela Universidade de Coimbra, Laura Ramos tem uma pós-graduação em Fotografia e é Jornalista desde 1998. Foi correspondente do Jornal de Notícias em Roma, Itália, e Assessora de Imprensa no Gabinete da Ministra da Educação. Tem uma certificação internacional em Permacultura (PDC) e criou o arquivo fotográfico de street-art “O que diz Lisboa?” @saywhatlisbon. Laura é actualmente Editora do CannaReporter e da CannaZine, além de fundadora e directora de programa da PTMC - Portugal Medical Cannabis. Realizou o documentário “Pacientes” e integrou o steering group da primeira Pós-Graduação em GxP’s para Canábis Medicinal em Portugal, em parceria com o Laboratório Militar e a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.

1 Comment
Subscribe
Notify of

1 Comentário
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio
1 ano atrás

No fundo eles querem o monopólio da cannabis medicinal.

Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional2 dias atrás

Tailândia: Activistas suspendem greve de fome para preparar novas formas de protesto: “Estamos confiantes de que a canábis não será reclassificada como narcótico”

O grupo de activistas tailandês que se auto-intitula “Writing Thailand’s Cannabis Future Network”, liderado por Kitty Chopaka, anunciou hoje o...

Internacional3 dias atrás

Alemanha: Médicos de 16 especialidades já podem prescrever canábis sem aprovação dos seguros

O Comité Federal Misto Alemão (Gemeinsamer Bundesausschuss, ou G-BA) anunciou esta semana as excepções aos requisitos de aprovação para a...

Nacional3 dias atrás

Infarmed aprova duas novas ACM’s de preparações à base de canábis

O Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. aprovou duas novas ACMs (Autorização de Colocação no...

Cânhamo4 dias atrás

Leonardo Sousa: “É literalmente a auto-suficiência de um país que está aqui atrás, a quase todos os níveis”

Aos 31 anos, Leonardo Rodrigues Sousa tem-se destacado como um dos mais jovens empreendedores no sector do cânhamo industrial em...

Entrevistas4 dias atrás

Adonis Georgiadis: “A única discussão é sobre o uso farmacêutico. Não há efeito dominó na Grécia”

Encontrámos Adonis Georgiadis, Ministro da Saúde da Grécia, em Londres, na Cannabis Europa, uma das mais antigas conferências sobre canábis...

Cânhamo5 dias atrás

CBD… What the FAQ? — Tudo o que precisa de saber sobre Canabidiol

Está em milhares de produtos. É apresentado como a nova panaceia para quase todas as maleitas e embora pareça que...

Cânhamo7 dias atrás

Itália: Alteração que queria proibir canábis light foi arquivada

A alteração que o governo de Giorgia Meloni queria fazer na lei da canábis em Itália e que pretendia proibir...

Cânhamo7 dias atrás

A confusão do cânhamo em Portugal: ASAE apreende CBD na Kings Yard, mas deixa flores por serem para “coleccionismo”

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu cerca de 845 produtos numa loja da Kings Yard, que “apresentavam na sua...

Cânhamo1 semana atrás

Portugal: Estudo revela disparidades alarmantes na rotulagem do CBD, que continua proibido no país

Um estudo recente sobre os produtos de CBD em Portugal revela disparidades alarmantes entre o conteúdo de canabinóides anunciado e...

Internacional1 semana atrás

Espanha: Câmara de Barcelona encerra dezenas de clubes de canábis

A Câmara Municipal de Barcelona deu início a uma forte repressão contra os clubes de canábis da cidade, ordenando o...