Connect with us

Corporações

Akanda em risco de perder subsidiária africana Bophelo, devido a disputa com Louisa Mojela, ex-directora executiva

Publicado

em

Ouvir este artigo
Tej Virk, CEO da Akanda, com Louisa Mojela na plantação da Bophelo, no Lesoto

Artigo originalmente publicado na BusinessCann

A Bophelo Bioscience, subsidiária da Akanda que opera as principais instalações de cultivo da empresa no Lesoto, foi liquidada pelo Supremo Tribunal do país, no que a empresa está a dizer ser uma “retaliação” de Louisa Mojela, ex-directora executiva da Akanda, que estará descontente. A Akanda está agora a lutar para reverter uma decisão “não autorizada”, recuperar empréstimos perdidos e impedir que o negócio sul-africano caia em insolvência total.

A situação decorre apenas algumas semanas após a dramática revolta de accionistas na Akanda, que viu todo o seu conselho de administração, excepto o CEO, Tej Virk, ser demitido da empresa.

Por trás desse acontecimento recente, está a pressão dos investidores (que viram os preços das acções cair quase 90% desde o início de Maio) para acelerar o caminho da empresa para o lucro, uma tarefa que Virk disse à BusinessCann ser agora o seu foco principal.

Liquidação da Bophelo

A 15 de Julho, o Juiz Mokhesi assinou uma ordem para colocar a Bophelo em liquidação, após uma solicitação apresentada pela sua ex-presidente executiva, Louisa Mojela, e o Mophuti Matsoso Development Trust (MMD Trust), que a mesma fundou.

A Akanda adquiriu a Bophelo em Julho do ano passado, como parte de um acordo de compra de acções com a empresa multinacional de canábis Halo, que detém uma participação de 40% na Akanda. A Bophelo, proprietária da instalação de cultivo sul-africana do grupo, começou a ser negociada em 2018 e o seu desenvolvimento tem sido um foco importante para a Akanda desde sua listagem pública na NASDAQ, em Março.

De acordo com a Akanda, Mojela, que foi demitida da empresa a 23 de Junho devido à renovação da directoria, apresentou o pedido “sem autorização prévia, conhecimento ou consentimento da Akanda”. Esse movimento extraordinário, de acordo com Virk, reflecte os seus “esforços para retaliar a empresa, em resposta à sua demissão e remoção do conselho de administração da Akanda”.

“É lamentável que a senhora Mojela tome a acção extraordinária e significativa de tentar fazer com que a Bophelo seja declarada insolvente sem consultar ou obter o consentimento do Conselho de Administração ou da equipa de gestão sénior da Akanda, que é o beneficiário efectivo de 100% das participações societárias da Bophelo, ou mesmo do pleno Conselho de Administração da própria Bophelo”, afirmou.

O campus de 200 hectares da Bophelo, incluindo um recinto de 5,6 hectares, é arrendado à MMD Trust, que está listada como tendo feito o pedido ao lado de Mojela.

A BusinessCann tentou entrar em contato com a MMD Trust e Louisa Mojela, mas ainda não recebeu nenhum comentário de nenhuma delas, enquanto o site da MMD Trust, conforme listado na página de investidores do Bophelo, já não está activo.

Agora, a empresa está a iniciar uma acção legal, num esforço para evitar a perda total das suas operações no Lesoto, e pretende convocar um comité especial para investigar a conduta de Mojela.

Além de entrar com uma acção legal contra a sua ex-funcionária, a Akanda diz que “perseguirá todos os seus direitos legais disponíveis” para reverter a liquidação, enquanto busca recuperar “empréstimos significativos que fez a Bophelo” para financiar o seu plano de negócios.

Numa entrevista com Tej Virk, realizada antes dos desenvolvimentos no Lesoto, o CEO disse que os milhões em fundos de IPO que foram destinados ao desenvolvimento das instalações da Bophelo foram “colocados em acção”. Tej explicou que “o capital está a mover-se para a operação”, vendo a expansão das suas capacidades de de cultivo ao ar livre e pós-colheita e o “aperfeiçoamento dos métodos de crescimento para as estufas” a decorrer no Lesoto desde Março. Também houve “muito trabalho no Lesoto” para rever os sistemas da empresa para garantir que tudo esteja em conformidade com os padrões farmacêuticos europeus.

Embora a Akanda, aparentemente, tenha muito a perder no Lesoto, Tej Virk procurou amenizar as preocupações dos investidores, afirmando que, caso não seja possível reverter a decisão do tribunal, ‘a Akanda pode realmente experimentar economias consideráveis ​​e maior lucratividade como resultado da redução de gastos e da eliminação das perdas associadas às operações da Bophelo’. “Financeiramente, a realidade é que uma Akanda sem Bophelo está num caminho acelerado para o lucro e fluxo positivo.”

Caminho para a lucratividade

Entende-se que a recente revolta dos investidores da Akanda foi impulsionada directamente pela “falta de foco na lucratividade” da ex-directora, especialmente na Bophelo, sob a orientação de Mojela.

De acordo com Virk, que diz que a decisão dos investidores de mantê-lo sozinho como CEO e membro do conselho foi um “voto de confiança” na sua estratégia, o foco principal da Akanda agora é acelerar o seu cronograma para a lucratividade.

“Agora estamos realmente no meio da avaliação da nossa estratégia para nos focarmos na lucratividade… Estamos a analisar os nossos orçamentos em detalhe e estamos em estreita comunicação com os nossos principais accionistas sobre como fazer isso ainda mais rápido. Se você olhar para o espaço, acho compreensível que haja interesse em focar em ver rentabilidade. Há muitas empresas que nunca alcançaram ou mantiveram uma lucratividade estável e acho que esse é realmente o nome do jogo aqui.”

O seu objectivo será agora maximizar a eficiência e rentabilidade do seu negócio recentemente adquirido em Portugal, a Holigen Limited, e renovar o seu foco no “Reino Unido e na Europa”.

Inicialmente, a sua nova operação portuguesa tinha sido lançada como um ‘hub’, ou ‘ponto de ligação entre África e o resto da Europa’, permitindo-lhe assumir o controlo de uma parte muito maior da sua cadeia de abastecimento e ‘manter mais margem internamente ‘.

Embora a sua utilidade como um hub para a Bophelo importar produtos para a Europa tenha sido colocada em dúvida, a Holigen ainda tem grande valor para Akanda como produtor do que a empresa descreveu como canábis de “qualidade recreativa”.

De acordo com Tej Virk, “há uma escassez de oferta no que diz respeito à qualidade que está a ser produzida nas nossas instalações” em Portugal, que inclui “duas toneladas de capacidade de cultivo interior premium”.

“Estamos a ter flores com níveis de THC entre 25% e 28% e isso em si é escasso tendo em conta os parâmetros de GMP da Europa”.

O maior investidor americano da Akanda, Halo, também apresenta oportunidades para este produto dentro do mercado recreativo norte-americano. “Temos um relacionamento muito colaborativo com os nossos accionistas e eles podem ajudar a abrir portas para marcas, know-how e propriedade intelectual na Califórnia. Definitivamente, estamos a aproveitar isso para desenvolver os nossos negócios na Europa. Por isso, estamos a avaliar diferentes ideias e canais de downstream? Absolutamente!”, conclui Virk.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

+ posts
Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Eventos1 semana atrás

CannaTrade regressa a Zurique de 24 a 26 de Maio

A CannaTrade – Feira e Festival Internacional do Cânhamo de Zurique atinge em 2024 a maioridade, celebrando a sua 18ª...

Comunicados de Imprensa2 semanas atrás

Grupo SOMAÍ e a sua subsidiária RPK Biopharma ampliam parceria com Cookies para incluir Europa e Reino Unido

LISBOA, PORTUGAL, 16 de maio de 2024 /EINPresswire.com/ — O Grupo SOMAÍ (“SOMAÍ”) e a sua subsidiária, RPK Biopharma expandiram...

Nacional2 semanas atrás

Portugal: Consumo estimado de CBD aumenta, apesar da proibição

O relatório “Cannabis in Portugal”, realizado pela Euromonitor International, divulgou os dados mais recentes sobre a indústria da canábis, os...

Nacional2 semanas atrás

“Canábis. Maldita e Maravilhosa”, de Margarita Cardoso de Meneses, chega às livrarias a 16 de Maio

Margarita Cardoso de Meneses, colaboradora do CannaReporter®, acaba de publicar o livro “Canábis. Maldita e Maravilhosa”, editado pela Oficina do...

Comunicados de Imprensa3 semanas atrás

Montemor-o-Velho: Detido por cultivo de canábis

O Comando Territorial de Coimbra, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) do Destacamento Territorial de Montemor-o-Velho, hoje, dia 9...

Eventos3 semanas atrás

PTMC – Portugal Medical Cannabis reúne indústria da canábis medicinal a 22 de Maio, em Lisboa

A PTMC – Portugal Medical Cannabis vai reunir os profissionais da indústria da canábis medicinal no próximo dia 22 de...

Corporações3 semanas atrás

EUA: MedMen declara falência com 400 milhões de dólares de dívidas

A gigante norte-americana da canábis MedMen entrou em colapso sob o peso da sua dívida, anunciando na semana passada que...

Notícias3 semanas atrás

Estudo revela que legalização da canábis não aumenta consumo de outras substâncias

Um dos argumentos mais usados contra a legalização da canábis para uso adulto ou recreativo tem sido a ideia de...

Cânhamo3 semanas atrás

Letónia: Hemp School, da Obelisk Farm, é finalista do Prémio EFT Green Skills 2024

A Obelisk Farm continua a ser reconhecida mundo fora pela sua abordagem sui generais à exploração do cânhamo industrial. O projecto familiar, que...

Eventos3 semanas atrás

EUA: CannMed 24 Innovation & Investment Summit regressa a Marco Island, na Florida, de 12 a 15 de Maio

É uma das mais importantes conferências científicas sobre a indústria da canábis medicinal e regressa a Marco Island, na Florida,...