Connect with us

Entrevistas

Lukas Schildt, da Four 20 Pharma, antecipa “um futuro brilhante” para a canábis, “o maior mercado do mundo”

Publicado

em

Ouvir este artigo
Foto: Laura Ramos | Cannareporter

O stand da Four 20 Pharma era, talvez, um dos mais divertidos da ICBC em Berlim, a International Cannabis Business Conference, que decorreu no passado mês de Julho, na Alemanha. As T-shirts do staff, numa clara alusão à cultura 4:20 e à famosa banda de hip-hop dos anos 80, os RUN DMC, não deixavam margem para dúvidas: apesar de ser uma das principais empresas de canábis farmacêutica da Alemanha, a Four 20 Pharma tem os olhos postos no potencial total da planta, aguardando a futura legalização do seu uso pessoal ou ‘recreativo’. A confirmá-lo, a recente aquisição de 55% do seu capital pela Curaleaf, numa operação estratégica para se posicionar no mercado europeu do uso adulto.

A Curaleaf estima que o mercado alemão pode valer quase mil milhões de euros até o final de 2024, após a legalização do uso adulto. De acordo com o comunicado de Imprensa, a parceria estratégica da Curaleaf com a Four 20 Pharma permite “adquirir o controle total da Four 20 Pharma dentro de dois anos após o início do uso adulto na Alemanha”. O acordo vale 19,7 milhões de euros, segundo a MJBizDaily. A Four 20 tem mais de 10% de participação no mercado de canábis medicinal existente na Alemanha, disse a Curaleaf.

Falámos com Lukas Schildt, director de comunicação da Four 20 Pharma, na ICBC de Berlim, ainda antes de ser anunciada a aquisição da maioria do seu capital pela Curaleaf e ficámos a saber um pouco mais sobre a Four 20 Pharma e as suas operações na Alemanha.

Para quem não conhece, quem é a Four 20 Pharma?
Somos uma empresa sediada em Paderborn, na Alemanha, fundada em 2018, e desde então começámos a importar flores medicinais e a vendê-las nas farmácias alemãs. Agora conseguimos estabelecer com sucesso uma variedade por mais de três anos e meio em entrega consistente e isso é algo de que estamos bastante orgulhosos.

Estão apenas a importar essas flores ou também a produzir na Alemanha?
Neste momento estamos a importar do Canadá, pois cultivar na Alemanha é um grande desafio. É preciso gastar muito dinheiro para atender a todos os requisitos do governo e decidimos que é melhor apenas importar. Actualmente estamos a expandir a nossa rede e temos o orgulho de dizer que, no início de Novembro, também iremos importar de outro país.

Será de Portugal?
Não, não será Portugal, na verdade não.

Falou sobre a entrega consistente de uma variedade específica, vocês só importam essa genética por ser específica para alguma patologia?
Na verdade, estamos a importar duas variedades, apenas duas genéticas. Uma é a GG4 – Gorilla Glue, fomos a primeira empresa a trazê-la para o mercado médico alemão. E também o Sour Apple, que é uma espécie de evolução dessa.

E são indicadas para o tratamento de alguma patologia?
É especialmente bom para pacientes que tratam a dor, por exemplo, e todo o tipo de doenças reumáticas e dor crónica, por exemplo.

São genéticas ricas em THC ou também têm CBD? Qual é a proporção?
Temos sempre menos de 1% de CBD e o THC pode variar de 17% a 25%.

A Four 20 Pharma também faz extracções ou apenas importa e revende as flores?
Estamos a importar a granel e, posteriormente, todo o material é analisado na nossa unidade em Paderborn, na Alemanha, passando por uma verificação de qualidade. Depois fazemos o trimming e retiramos todas essas coisas que ninguém quer ter como paciente. Tudo é embalado, rotulado como nosso produto e enviado para as farmácias.

Como é que vêem a situação alemã agora, com a legalização recreativa em debate? Reparei que as vossas T-Shirts dizem RUN 420, que é não só uma alusão aos RUN DMC, mas também à cultura ‘recreativa’ da canábis. Como é que vê o futuro da canábis na Alemanha?
Ah, em primeiro lugar, será um futuro brilhante. Acho que não preciso dizer que será o maior mercado no mundo e, portanto, eu diria que há uma espécie de sensação de uma corrida ao ouro vindoura ou, neste caso, corrida verde, na Alemanha. Todo o mundo está a preparar-se, todo o mercado médico quer participar no novo mercado recreativo, mas com essas novas possibilidades também há uma coisa que é preciso cuidar: e isto é cumprir o seu papel como empresa farmacêutica. Só porque há um mercado legal, não se pode simplesmente fechar o seu negócio médico. Quero dizer, há pacientes que realmente confiam no seu remédio. Portanto, será interessante, porque acho que o mercado médico alemão mudará de alguma forma se houver um mercado recreativo também, mas, no entanto, o mercado médico evoluirá e certamente sairá do tópico das flores e entrará mais em sublinguais e todos esses extractos de coisas, porque estes são produtos que são muito mais medicinais do que se poderia alcançar com uma flor, obviamente. Mas, no entanto, se houver um mercado recreativo, não sei, de alguma forma, talvez 30% ou mais dos pacientes reais mudem para o mercado recreativo ou algo assim… não sei. É apenas a minha opinião, então é difícil dizer para onde vamos. Eu não diria que o mercado médico vai diminuir, acho que vai crescer. Se a canábis se tornar parte de uma sociedade normal e regular e as pessoas falarem sobre isso e especialmente as gerações mais velhas começarem a usá-la porque vêem “Oh, é um produto regulado, agora”, então a sociedade mudará. Acho que há uma grande possibilidade de o mercado médico também crescer.

Tem ideia de quantos pacientes beneficiam dos vossos produtos?
Essa é uma boa pergunta, na verdade.

E você sabe a resposta? 
(risos) Não, na verdade eu não sei a resposta, porque de alguma forma não é fácil dizer: “Ok, nós temos a quantidade X clientes”, também porque os nossos clientes são farmácias, e o que acontece depois só podemos especular. Quero dizer, poderíamos adivinhar “Ok, ele está a pedir, tipo, 100 gramas por mês, 200 gramas por mês mais ou menos, mas, claro, isso já entra na privacidade de dados.

Mas tem ideia de quanto está a fornecer para as farmácias? Pode divulgar algum número?
Não, realmente não. Desculpe.

Sem problema. E sobre a vossa presença aqui na ICBC, por que decidiram estar aqui neste evento?
Por que estamos aqui? Obviamente para obter todo o processo de estabelecimento de um mercado de canábis na Alemanha, para o apoiar, fazer parte dele e também participar activamente. Estamos bem conectados, temos bons parceiros e tentamos cumprir um papel neste mercado. Somos o padrão de ouro e, portanto, queremos encontrar-nos com os melhores. É por isso que estamos aqui.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

+ posts
Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Eventos3 dias atrás

CannaTrade regressa a Zurique de 24 a 26 de Maio

A CannaTrade – Feira e Festival Internacional do Cânhamo de Zurique atinge em 2024 a maioridade, celebrando a sua 18ª...

Comunicados de Imprensa4 dias atrás

Grupo SOMAÍ e a sua subsidiária RPK Biopharma ampliam parceria com Cookies para incluir Europa e Reino Unido

LISBOA, PORTUGAL, 16 de maio de 2024 /EINPresswire.com/ — O Grupo SOMAÍ (“SOMAÍ”) e a sua subsidiária, RPK Biopharma expandiram...

Nacional6 dias atrás

Portugal: Consumo estimado de CBD aumenta, apesar da proibição

O relatório “Cannabis in Portugal”, realizado pela Euromonitor International, divulgou os dados mais recentes sobre a indústria da canábis, os...

Nacional1 semana atrás

“Canábis. Maldita e Maravilhosa”, de Margarita Cardoso de Meneses, chega às livrarias a 16 de Maio

Margarita Cardoso de Meneses, colaboradora do CannaReporter®, acaba de publicar o livro “Canábis. Maldita e Maravilhosa”, editado pela Oficina do...

Comunicados de Imprensa2 semanas atrás

Montemor-o-Velho: Detido por cultivo de canábis

O Comando Territorial de Coimbra, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) do Destacamento Territorial de Montemor-o-Velho, hoje, dia 9...

Eventos2 semanas atrás

PTMC – Portugal Medical Cannabis reúne indústria da canábis medicinal a 22 de Maio, em Lisboa

A PTMC – Portugal Medical Cannabis vai reunir os profissionais da indústria da canábis medicinal no próximo dia 22 de...

Corporações2 semanas atrás

EUA: MedMen declara falência com 400 milhões de dólares de dívidas

A gigante norte-americana da canábis MedMen entrou em colapso sob o peso da sua dívida, anunciando na semana passada que...

Notícias2 semanas atrás

Estudo revela que legalização da canábis não aumenta consumo de outras substâncias

Um dos argumentos mais usados contra a legalização da canábis para uso adulto ou recreativo tem sido a ideia de...

Cânhamo2 semanas atrás

Letónia: Hemp School, da Obelisk Farm, é finalista do Prémio EFT Green Skills 2024

A Obelisk Farm continua a ser reconhecida mundo fora pela sua abordagem sui generais à exploração do cânhamo industrial. O projecto familiar, que...

Eventos2 semanas atrás

EUA: CannMed 24 Innovation & Investment Summit regressa a Marco Island, na Florida, de 12 a 15 de Maio

É uma das mais importantes conferências científicas sobre a indústria da canábis medicinal e regressa a Marco Island, na Florida,...