Connect with us
Publicidade
Publicidade

Entrevistas

Aldo Vidinha: “O mercado europeu está a evoluir a um ritmo mais lento do que o esperado”

Publicado

em

CEO e fundador da Stepwise Pharma & Engineering, Aldo Vidinha é um dos principais organizadores da conferência Medical Cannabis Europe, que se realiza na próxima semana em Lisboa. Com uma carreira na indústria farmacêutica, Aldo começou a trabalhar na área da canábis medicinal na Austrália, em 2016, tendo passado pela Holigen, em Sintra, e fundado posteriormente a sua própria empresa, a Stepwise.

Falámos com Aldo Vidinha para conhecer um pouco melhor o seu percurso na canábis e antever os principais destaques da conferência Medical Cannabis Europe, que promete ser um espaço para aprofundamento de conhecimento técnico mas também de networking, já nos próximos dias 15 e 16 de Setembro, na Associação Nacional das Farmácias, em Lisboa.

Desde quando trabalha com canábis e como começou a sua carreira nesta área?
Iniciei a minha colaboração na área da canábis medicinal em 2016, através de um contacto de um investidor para participar num projecto na Austrália, altura em que se estavam a dar passos concretos para a legalização da canábis medicinal neste país. Este projecto concluiu-se com a obtenção de uma licença de fabrico GMP, distribuição, importação e exportação de umas instalações em Sidney. Posteriormente, decidimos avançar com o projecto da Holigen (RPK Biopharma) em Portugal, em 2017. Enquanto COO desta empresa, liderei os processos de licenciamento, engenharia e gestão da construção das instalações, implementação dos processos de qualidade, produção, cultivo e validação, e inspeções para obtenção das autorizações aplicáveis para exercer operações de cultivo e fabrico GMP de flor seca, assim como distribuição, importação e exportação. As instalações em Sintra, com capacidade para cultivo indoor, foram concluídas com sucesso obtendo as licenças de cultivo e fabrico GMP sendo que as instalações em Aljustrel obtiveram licença de cultivo outdoor, distribuição, importação e exportação.

Em que altura decidiu fundar a Stepwise e qual é a sua principal área de actuação?
Em 2020, decidi abraçar um novo desafio, pois senti que poderia contribuir de outra forma, não só para o sucesso da indústria da canábis medicinal em Portugal, como também da indústria farmacêutica em geral. Para tal, fundei a Stepwise Pharma & Engineering, uma empresa de consultoria farmacêutica com um portfólio de serviços abrangente, especialmente desenhados para a indústria farmacêutica e das ciências da vida, incluindo a canábis medicinal. Os nossos serviços focam-se em prestar um serviço completo a empresas existentes ou investidores que queiram iniciar um projecto de raiz. Os nossos serviços vão desde desenvolver uma ideia inicial, fazendo uma análise de mercado e definição estratégica do negócio, passando pela procura de uma localização adequada, execução do projecto de engenharia, assegurando o cumprimento dos requisitos GACP e GMP aplicáveis, preparação dos Sistemas de Gestão da Qualidade ou avaliação a sistemas existentes, preparação da estratégica de validação (instalações, equipamentos, sistemas, processos, limpeza, métodos analíticos e transporte) assim como a execução da estratégia de validação definida. Finalmente, o apoio à preparação e durante as vistorias do Infarmed para obtenção das licenças. Na realidade, temos alguns projectos em que estamos a trabalhar o modelo chave-na-mão, de forma a dar um suporte total ao cliente e assegurar o sucesso da fase de implementação do negócio e obtenção das licenças. Por outro lado, temos um departamento especializado em Assuntos Regulamentares, que presta serviços de registo de produtos, incluindo Autorizações de Introdução no Mercado (AIM) e Autorizações de Colocação no Mercado (ACM).

Na próxima semana realiza-se a segunda edição da Medical Cannabis Europe em Lisboa. Como surgiu a ideia de criar esta conferência e qual foi o principal objectivo?
A ideia da conferência surgiu da motivação em criar valor para a indústria da canábis medicinal e ajudar a promover o seu sucesso. Neste sentido, o nosso objectivo passou por organizar uma conferência focada na parte técnica, promovendo a excelência no cultivo e fabrico de produtos à base da planta canábis para fins medicinais em Portugal. Pretendemos também dar oportunidade de discussão entre os vários operadores e outros stakeholders da indústria, através de momentos de networking e não só, para que partilhem experiências, promovendo assim a criação de sinergias e oportunidades de parcerias.

A quem se destina e o que podem esperar os participantes deste evento?
Este evento destina-se a quem faça parte da indústria, sejam eles operadores, fornecedores, prestadores de serviços e outros stakeholders ou pessoas que pretendam investir na indústria e/ou trabalhar na mesma. Todos os participantes podem esperar uma conferência com foco técnico, contando com a participação de especialistas nacionais e internacionais, que irão falar sobre as melhores práticas a nível mundial em termos de processos de cultivo, fabrico, distribuição, mercado, registo de produtos, entre outros. Por outro lado, podem também falar com fornecedores e prestadores de serviços de referência, que irão ter expositores para apresentar os seus serviços. Finalmente, teremos vários momentos de networking para promover a criação de sinergias e oportunidades entre os participantes, patrocinadores e convidados.

Quais são os principais destaques da conferência, nomeadamente em termos de palestras e oradores?
Todos os temas são actuais e importantes para a indústria, sendo difícil escolher os destaques. Poderei, no entanto, talvez destacar três: a actualização do estado do mercado da canábis medicinal em vários países, como Alemanha e Suíça, com oradores alemães e suíços; um painel de discussão sobre “Os desafios do desenvolvimento de produtos à base de canábis medicinal e o seu registo e colocação no mercado” em que teremos um painel moderado por Luc Richner, da Cannavigia, e com oradores como Michael Sassano, CEO da Somaí Pharmaceuticals, Manuel Oliveira, director geral do laboratório Iberfar, e António Vieira, CEO da Cannexporpharma. Destaco também uma apresentação sobre os principais métodos de extracção de canabinóides (CO2 e Etanol) com oradores da Tilray e da Holistic Industries nos EUA.

Que análise faz da situação da canábis em Portugal? E a nível internacional?Actualmente, existem 20 empresas autorizadas para o cultivo da planta canábis para fins medicinais e 6 empresas autorizadas para fabrico farmacêutico (flor seca, extractos/óleos ou ambos). Existem alguns desafios que se verificam no cultivo, maioritarimente relacionados com a consistência do produto obtido. Factores como, por exemplo, a genética utilizada (partindo de sementes em vez de clones ou cultura de tecidos), os métodos de cultivo aplicados e o controlo das condições ambientais durante o cultivo, contribuem para a morosidade em desenvolver e disponibilizar produtos com a consistência e qualidade necessária. Uma outra barreira ao crescimento do mercado, está relacionada com o facto da maioria dos operadores em Portugal estar focado em operações de cultivo e não contemplarem operações farmacêuticas (GMP). Ou seja, o produto que produzido em instalações autorizadas apenas para cultivo tem uma classificação como matéria-prima inicial (muitas vez chamado “certificação GACP”), sendo necessária transformação posterior deste produto (operações de pós-colheita) em instalações licenciadas para fabrico farmacêutico (GMP) de canábis medicinal, sendo este um dos requisitos para que o produto possa ser registado, colocado no mercado e vendido em farmácias. Por outro lado, o mercado europeu está a evoluir a um ritmo mais lento do que incialmente esperado por duas razões, na minha opinião: a dificuldade de acesso ao produto pelos doentes, disponibilidade de produtos adequados e a disponibilidade de produto consistente e com a qualidade necessária para ser registado como produto farmacêutico.

Publicidade

Mais recentes

Nacional5 horas atrás

Portugal: Exportações de canábis não param de crescer, mas Infarmed rectifica números divulgados em Março

A canábis produzida em Portugal já ruma para quatro continentes, de acordo com os dados do relatório divulgado pelo Infarmed,...

Nacional3 dias atrás

Em Portugal já foram prescritos mais de 10kg de canábis, mas só há 5 pedidos de ACM no Infarmed

As vendas de canábis para fins medicinais em Portugal ainda são pouco expressivas, mas mostram sinais de crescimento, de acordo...

Nacional3 dias atrás

Portugal: Infarmed já atribuiu 61 licenças e 172 pré-licenças relacionadas com canábis medicinal

O Infarmed — Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde I.P. atribuiu, até final de Junho de 2022, 61...

Internacional3 dias atrás

Espanha substitui multas de consumo e posse de drogas por “actividades de reeducação”

Os seis grupos parlamentares espanhóis (PSOE, Unidas Podemos, PNV, ERC, Junts e EH Bildu), chegaram a acordo para a reforma...

Nacional4 dias atrás

Infarmed publica relatório sobre a evolução da actividade da canábis medicinal em Portugal

O Infarmed — Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde I.P. publicou uma análise relativa às actividades desenvolvidas no sector da...

Corporações4 dias atrás

Snoop Dog e British American Tobacco investem no Sanity Group

O Sanity Group anunciou esta semana um dos maiores financiamentos numa empresa de canábis na Europa, com de 37.6 milhões de dólares...

Internacional4 dias atrás

Austrália: 1 milhão de dólares em multas por “falsas” alegações de saúde

A entidade reguladora de medicamentos australiana, a Therapeutic Goods Administration (TGA), emitiu 73 notificações de infracção sobre as alegações das...

Comunicados de Imprensa4 dias atrás

Cannadouro Magazine: Número 7 já está nas bancas. Veja aqui como receber a revista em casa

O número 7 da Cannadouro Magazine já está nas bancas, com muita informação em português sobre a actualidade do mundo...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

Portugal: Mais um arguido por tráfico de estupefacientes

O Comando Territorial de Braga, através do Posto Territorial do Braga, ontem, dia 27 de setembro, deteve um homem de...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

Akanda vai exportar uma tonelada de canábis de Portugal para a Alemanha

O acordo entre a portuguesa Akanda e a Cansativa GmbH vai arrancar com a exportação de uma tonelada de canábis...