Connect with us
Publicidade
Publicidade

Cânhamo

Artur Vaz diz que PJ cumpriu duas decisões judiciais que afirmam que as flores de cânhamo não são estupefacientes

Publicado

em

director da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da Polícia Judiciária. Foto: D.R. | TVI Player

O director da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes da Polícia Judiciária (PJ), Artur Vaz, disse ao Cannareporter que foi o Tribunal Central de Instrução Criminal que ordenou a devolução de 40kg de flores de cânhamo a Patrick Martins, por ter considerado que as mesmas “não são estupefacientes”.

O Cannareporter questionou, na semana passada, a Polícia Judiciária (PJ) a respeito da devolução inédita de 40kg de flores de cânhamo, que tinham sido apreendidas a Patrick Martins em Julho de 2020. A devolução foi confirmada por Artur Vaz, Director da Unidade de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE) da PJ, que explicou que tanto os processos judiciais como esta devolução fazem parte do funcionamento normal do mecanismo da lei portuguesa.

“Foram devolvidos objectos, plantas e substâncias que foram apreendidas e que, segundo aquilo que resulta da decisão judicial, não poderão considerar-se como estupefacientes. E nós cumprimos, naturalmente, com o que foi determinado pelo tribunal”, disse Artur Vaz, da PJ, em declarações ao Cannareporter.

Questionado sobre se esta devolução seria algo inédito no nosso país, o director da UNCTE disse não saber responder, tendo apenas confirmado que a devolução aconteceu “em cumprimento de duas decisões judiciais”.

Momento da devolução dos 40kg de cânhamo nas instalações da PJ. Imagens: Humberto Nogueira

De acordo com Artur Vaz, “a polícia e as autoridades policiais procedem à apreensão sempre que entendem que estão reunidas as condições” para tal. “As apreensões, de acordo com a nossa lei, carecem sempre de uma validação da autoridade judiciária competente, normalmente o Ministério Público. Depois os casos têm o seu seguimento, vão para tribunal, são apreciados pelos magistrados e quando os magistrados entendem que, perante aquelas circunstâncias, de facto, deve ser devolvido, a polícia cumpre a ordem dos senhores magistrados, como não podia deixar de ser”.

 

 

Laboratório de Polícia Científica confirma resultados

No caso concreto de Patrick Martins, que em tribunal foi representado pelo advogado João Nabais, as flores apreendidas foram sujeitas a avaliação por parte do Laboratório da Polícia Científica, da PJ, avaliação essa que foi tida em conta pelo tribunal. Artur Vaz confirmou o procedimento. “Com certeza, exactamente. Tanto quanto sei foram analisadas e o resultado desse exame foi tido em consideração pelo tribunal, como é normal”, afirmou. “O laboratório de polícia científica efectua sempre uma perícia para determinar que substância é e, sempre que necessário, determina até o grau de pureza dessas substâncias”, acrescentou.

No entanto, as flores de cânhamo degradam-se com o passar do tempo, pelo que se não forem tidos cuidados durante o processo de acondicionamento, podem deteriorar-se e perder o seu valor comercial. Questionado quanto ao facto de terem passado mais de dois anos e, eventualmente, terem-se danificado as flores, Artur Vaz assumiu desconhecer as “questões técnicas”, reiterando que a função da PJ é apenas “cumprir tempestivamente a determinação que veio do tribunal”.

Os 40kg de mercadorias devolvidas a Patrick Martins. Imagens: Humberto Nogueira

Questionado ainda sobre os vários casos de apreensões de cânhamo noticiados no passado pelo Cannareporter, nomeadamente de agricultores que viram as suas culturas de cânhamo apreendidas e destruídas, o director da UNCTE afirmou que “só depois de termos um exame efectuado pelo Laboratório de Polícia Científica é que nós sabemos se aquela substância, ou preparado ou aquelas plantas, são, de facto,  considerados estupefacientes ou não”. Artur Vaz relembrou ainda que a PJ e todos os orgãos de polícia criminal têm os chamados “testes rápidos”. “Os tribunais aceitam estes testes, mas estes testes carecem sempre de uma validação e em todos os casos em que é apreendida uma substância suspeita de ser estupefaciente, é sempre o Laboratório da Polícia Científica que determina que substância é”, explicou.

“Cada caso é um caso”

O director da UNCTE, que insistiu que todos os orgãos de polícia criminal em Portugal se pautam pelo cumprimento da lei, explicou que são encaminhadas para estas entidades as situações que indiciam a prática de crime. “Quando se aborda uma plantação, o que é natural, se efectivamente essa pessoa tem todas as autorizações não se levantará nenhuma questão à partida, penso eu. Se a pessoa tem a autorização da DGAV para a plantação e cumpre todos os requisitos, naturalmente a pessoa terá toda a documentação inerente, não é ? E facilmente apresenta-a”

Sobre se este caso em concreto poderá abrir um precedente, Artur Vaz reiterou que “cada caso é um caso”, relembrando ainda que o cânhamo para fins industriais está regulamentado. “É possível, tal como a canábis para fins medicinais, é uma questão da lei que nós temos. Agora nos casos que temos, eu não posso estar a dizer que abre ou que deixa de abrir, porque cada caso é um caso”. O director da UNCTE concluiu dizendo que “não posso estar a extrapolar. O quadro é bem claro e as autoridades actuam dentro das suas responsabilidades. Quando há uma apreensão há sempre um processo crime, dirigido por um magistrado do Ministério Público, e normalmente analisado em tribunal. Portanto, é o mecanismo da nossa lei a funcionar”.

Publicidade
Publicidade cannadouro

Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Nacional13 horas atrás

Portugal: Movimento Mães pela Canábis lança petição pelo direito ao cultivo pessoal e associativo

O Movimento Mães pela Canábis, fundado em Portugal em Maio de 2022 por centenas de pacientes que procuram aceder à canábis...

Comunicados de Imprensa6 dias atrás

GNR: 10 meses de investigação para apreender 32 doses de haxixe e 48 de cocaína

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) de Felgueiras, no dia 28 de novembro, deteve...

Entrevistas6 dias atrás

André Paquete Carvalho: “Amesterdão é muito aberta, mas ainda se vivem tempos de tolerância. A canábis aqui continua a ser ilegal”

As entrevistas “Trabalhar com Canábis”, publicadas na Cannadouro Magazine, procuram dar a conhecer portugueses que trabalham no sector da canábis...

Cânhamo2 semanas atrás

Canábis ou cânhamo? Estará Espanha a cometer os mesmos erros de Portugal?

A Guardia Civil anunciou recentemente a maior apreensão de canábis de sempre em Espanha, mas logo em seguida várias vozes vieram...

Nacional3 semanas atrás

Conta da Cannadouro desaparece do Instagram a 1 dia do evento

A conta de Instagram da CannaDouro terá sido apagada ou bloqueada pelo provedor da rede social. O acesso à página foi...

Cânhamo3 semanas atrás

As receitas da Pedrêz: Como fazer betão de cânhamo cofrado in situ

Em 2018, a oficina Pedrêz iniciou, na rua do Paraíso 331, no centro histórico do Porto, a construção do primeiro...

Eventos3 semanas atrás

Cannadouro regressa à Alfândega do Porto já no próximo fim-de-semana

Pouco depois de o Porto ter sido eleito pelos World Travel Awards como o melhor destino de cidade do mundo...

Internacional3 semanas atrás

Irlanda: People Before Profit quer alterar legislação para permitir o uso adulto de canábis

O partido político irlandês People Before Profit vai apresentar dentro de duas semanas um projecto de lei que pretende alterar a...

Internacional3 semanas atrás

EUA: Presidente do Instituto Nacional de Justiça Militar exige extensão do indulto por delitos de canábis a militares

A presidente do Instituto Nacional de Justiça Militar dos Estados Unidos da América (EUA) pediu ao presidente Joe Biden que...

Entrevistas3 semanas atrás

César Cardoso: “Construir em cânhamo é uma verdadeira alternativa verde”

Estimular a inovação na arquitectura moderna, recorrendo a materiais naturais ou reciclados, de baixo impacto ambiental, é  uma das prioridades...