Connect with us

Nacional

Portugal: Maioria dos processos de contra-ordenação são por posse de canábis

Publicado

em

Ouvir este artigo
Foto: Laura Ramos | Cannareporter

Dos 6378 processos de contra-ordenação instaurados em 2021 por consumo de substâncias em Portugal e 6019 indivíduos indiciados, 4807 foram por posse de canábis, 707 por cocaína, 367 por heroína, 25 por ecstasy e apenas 5 por outras drogas. Os dados foram divulgados pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), no Relatório Anual sobre a Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependência em 2021” (RADT2021), que foi apresentado na Assembleia da República Portuguesa, no passado dia 7 de Dezembro. Durante o ano de 2021 foram apreendidas 26.526 plantas de canábis em Portugal, o valor mais alto desde 2010.

Os dados revelam ainda que, do total de indivíduos indiciados nos processos de contra-ordenação, 86% tinha um perfil de consumo “não toxicodependente”. “A canábis, a cocaína e o ecstasy foram as substâncias ilícitas com as maiores prevalências de consumo, embora as duas últimas muito aquém da canábis”, refere o relatório. No entanto, “Portugal continua a surgir abaixo dos valores médios europeus nas prevalências de consumo recente de canábis, de cocaína e de ecstasy (e ainda mais quando se trata da população de 15-34 anos), as três substâncias ilícitas com maiores prevalências de consumo em Portugal”.

De acordo com o relatório, “em 2021 foram abertos 6 378 processos de contra-ordenação por consumo de drogas relativos às ocorrências no ano, um aumento de 4% face a 2020 e uma diminuição de -48% em relação a 2017, ano com o valor mais elevado desde 2001. Apesar das descidas já verificadas em 2018 e 2019, os valores de 2020 e 2021 foram os mais baixos desde 2007, muito provavelmente relacionado com a pandemia e seus reflexos nos consumos e nas intervenções no âmbito da dissuasão. Tal como nos sete anos anteriores, em 2021 foi a GNR quem remeteu mais ocorrências para as CDT – Comissões de Dissuasão da Toxicodependência. 78% dos processos de 2021 tinham decisão proferida, uma proporção superior à de 2020 embora ainda aquém às dos anos pré-pandemia. Uma vez mais predominaram as suspensões provisórias dos processos de consumidores não toxicodependentes (67%), seguidas das decisões punitivas (21%) e das suspensões provisórias dos processos de consumidores toxicodependentes que aceitaram tratamento (11%). Em 2020 e 2021, as proporções deste último tipo de decisões foram as mais elevadas dos últimos sete anos”.

Tal como nos anos anteriores, a maioria dos processos estavam relacionados com a canábis (75% só canábis e 3% canábis com outras drogas), seguindo-se a cocaína, o que é consistente com os estudos nacionais sobre o consumo de drogas. Em 2021, aumentaram os processos de cocaína (o valor mais elevado de sempre), bem como os de heroína e os que envolviam várias drogas. O número de processos de canábis manteve-se estável e diminuíram os processos relacionados com ecstasy.

Em comparação com os resultados europeus, os consumidores portugueses mencionaram mais ter havido alterações nos consumos com a pandemia e estas foram tendencialmente mais no sentido de redução dos consumos do que as alterações referidas pelo conjunto dos europeus.

As prevalências de consumo de qualquer droga, que vinham a aumentar desde 2015 (embora já estáveis entre 2018 e 2019), decresceram em 2021. Estas variações refletem sobretudo o consumo de canábis, uma vez que as prevalências do consumo de outras drogas que não canábis não têm sofrido alterações relevantes. Quanto a consumos actuais mais intensivos, 4% dos inquiridos (25% dos consumidores) tinha um consumo diário de canábis, proporções próximas às dos anos anteriores. Os consumos continuam a ser mais expressivos nos rapazes do que nas raparigas.

“De um modo geral, a população de 15-34 anos apresentou consumos recentes mais altos do que a de 15-74 anos. Quanto a consumos recentes mais intensivos de canábis, 3% dos inquiridos (64% dos consumidores) consumiu 4 ou mais vezes por semana nos últimos 12 meses, e 2% (55% dos consumidores) todos os dias. 3% dos inquiridos (69% dos consumidores) tinha um consumo diário/quase diário nos últimos 30 dias. Em relação a padrões de consumo abusivo e dependência de canábis, em 2016/17 cerca de 0,7% da população de 15-74 anos tinha um consumo de risco elevado (0,4%) ou de risco moderado (0,3%), quase duplicando o valor correspondente (1,2%) nos 15-34 anos (0,6% com consumo de risco elevado e 0,6% de risco moderado) (CAST). Tal também sucede nos resultados de outro teste (SDS), em que 0,8% da população de 15-74 anos apresentava sintomas de dependência do consumo de canábis, sendo a proporção correspondente nos 15-34 anos de 1,4% (19% dos consumidores recentes)”, diz o estudo.

Cocaína, opiáceos, benzodiazepinas e álcool são os que mais matam em Portugal
Dos 413 óbitos com substâncias ilícitas/metabolitos e informação da causa de morte, 74 (18%) foram overdoses, que aumentaram 45% face a 2020, representando o valor mais elevado desde 2009. Os valores registados nos últimos quatro anos de overdoses com cocaína e de overdoses com opiáceos foram os mais altos desde 2011. Na grande maioria das overdoses (84%) havia mais do que uma substância, destacando-se, associadas às drogas ilícitas, as benzodiazepinas (58%) e o álcool (22%). É importante realçar que no que toca aos dados relativos a mortes por overdose onde foi detectada canábis, em todas elas existia sempre a presença de outras substâncias, tais como o álcool e opiáceos.

Apesar de o maior número de mortes por overdose estar ligado ao consumo de outras drogas, a substância mais apreendida foi o haxixe, com um total de 1.081 apreensões, que totalizaram 14.821,122 gramas apreendidas, seguido da cocaína com 513 casos de apreensões e um total de 9.916,244 gramas, e das flores de canábis, com 449 apreensões e um total de 1.289,239 gramas. Houve também 216 apreensões de plantas de canábis, que resultou num total de 26.526 plantas de canábis apreendidas em Portugal durante o ano de 2021.

Segundo os dados apresentados no relatório, houve um aumento significativo no que toca às quantidades de flores de canábis apreendidas em 2021, o valor mais alto desde 2010, e uma descida nas quantidades relativas ao haxixe, apesar de ser 2021 ter tido o segundo maior número em termos de quantidades apreendidas desde 2015, houve uma diminuição face a 2020, ano que até agora é considerado o ano com mais apreensões de haxixe na última década.

Em relação às apreensões de plantas, houve uma diminuição de cerca de 8% face a 2020, no entanto, apesar da descida no número de apreensões, a quantidade de plantas apreendidas aumentou significativamente, mas isso também se deve ao desmantelamento de cinco plantações ilegais de dimensão considerada industrial, ou seja, com 1 000 ou mais plantas, e que correspondem a cerca de 74% das plantas apreendidas. Apesar disso, a maioria das apreensões de plantas continua a ser de pequena dimensão e para efeitos de consumo interno, segundo consta o relatório.

É preciso ter em atenção que os valores apresentados no relatório do SICAD não integram os dados da PSP desde 2017, o que poderá não corresponder à real totalidade das substâncias apreendidas – que serão certamente maiores do que as descritas no relatório.

O relatório do SICAD também indica que, em 2021, ocorreu a primeira apreensão de MDMB-4-en-PINACA, que se trata de um canabinóide sintético, e de 4-CMC e de alfa-PHP, ambas substâncias estimulantes.

O relatório anual do SICAD tem como objectivo de dar a conhecer a situação em Portugal no que toca ao consumo de drogas e toxicodependência, desde as substâncias mais consumidas, ao número de mortes causadas por overdose, assim como dados relativos ao número de internamentos relacionados com o consumo e também dados sobre o número de apreensões realizadas pelas autoridades, entre outros dados ligados ao consumo de drogas.

O relatório e as tabelas de anexo podem ser consultado usando os links abaixo:

Relatório Anual 2021 – A Situação Do País Em Matéria De Drogas E Toxicodependências

ANEXO – Relatório Anual 2021 – A Situação Do País Em Matéria De Drogas E Toxicodependências

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional3 dias atrás

Paul Bergholts, alegado líder da Juicy Fields, detido na República Dominicana

Paul Bergholts, o alegado líder do esquema em pirâmide Juicy Fields, terá sido detido na República Dominicana e será submetido a...

Saúde6 dias atrás

Canabinóides revelam resultados promissores no tratamento do Transtorno da Personalidade Borderline

Uma investigação levada a cabo pela Khiron LifeSciences e coordenada por Guillermo Moreno Sanz sugere que os medicamentos à base de...

Internacional6 dias atrás

Caso Juicy Fields: 9 detidos pela Europol e Eurojustice. Burla ultrapassa 645 milhões de euros

Uma investigação conjunta conduzida por várias autoridades europeias, apoiadas pela Europol e pela Eurojust, culminou na detenção de nove suspeitos...

Internacional1 semana atrás

Utilizadores regulares de canábis podem necessitar de mais anestesia durante procedimentos médicos

Os utilizadores regulares de canábis podem necessitar de mais anestesia durante os procedimentos médicos para permanecerem sedados, se comparados com...

Internacional1 semana atrás

O futuro do CBD no Japão: Como as reformas legais irão moldar o mercado

No final do ano passado, o Japão deu um grande passo em direcção à reforma da canábis depois de aprovar...

Nacional2 semanas atrás

Portugal: GreenBe Pharma obtém certificação EuGMP nas instalações de Elvas

A GreenBe Pharma, uma empresa de canábis medicinal localizada em Elvas, Portugal, obteve a certificação EU-GMP, ao abrigo dos regulamentos...

Nacional2 semanas atrás

Álvaro Covões, da Everything is New, compra instalações da Clever Leaves no Alentejo por 1.4 milhões de euros

Álvaro Covões, fundador e CEO da agência promotora de espectáculos ‘Everything is New‘, que organiza um dos maiores festivais de...

Eventos2 semanas atrás

ICBC regressa a Berlin a 16 e 17 de Abril

É uma das maiores e mais reconhecidas conferências de B2B sobre canábis da Europa e regressa a Berlim já nos...

Internacional2 semanas atrás

A legalização da canábis na Alemanha vista pelos olhos do hacker que criou um mapa essencial

Um hacker de Koblenz, uma cidade do estado da Renânia-Palatinado, criou um mapa com os locais onde, a partir de...

Nacional2 semanas atrás

André Ventura diz que quer “Limpar toda a canábis de Portugal”

André Ventura, o conhecido líder do partido político português de extrema-direita, Chega, disse que quer “limpar toda a canábis de...