Connect with us

Eventos

África do Sul: O papel fulcral dos “Sangomas” no processo de legalização da canábis

Publicado

em

Ouvir este artigo
Zanele Mazibuko, "Sangoma" ou curandeira tradicional. Foto: Larissa Barbosa | Cannareporter

A terceira edição da The Cannabis Expo realizou-se este fim-de-semana na Cidade do Cabo e acolheu  centenas de participantes. Desde 2019 que o maior evento de canábis da África do Sul se realiza anualmente em três cidades do país: Cidade do Cabo, Durban (28 a 30 de Julho) e Johannesburgo (24 a 26 de Novembro). A convenção conta sempre com um espaço especial dedicado aos “Sangomas”, o termo sul-africano equivalente aos curandeiros tradicionais ou xamãs, que têm um papel preponderante na legalização da canábis neste país africano.

Na África do Sul a canábis é uma erva medicinal utilizada há séculos pelos curandeiros tradicionais, conhecidos no país como Sangomas. Um Sangoma é um praticante da medicina das ervas e aconselhamento na tradição Nguni — Zulus, Xossas, Ndebele e Suázis —, diferentes sociedades da África do Sul. A sua filosofia é baseada na crença nos espíritos ancestrais.

Os Sangomas têm, por isso, assumido um papel preponderante no processo de legalização da canábis no país, onde há mais de 5 anos já se legalizou o consumo e o auto-cultivo para consumo próprio. Recorde-se que, no ano passado, King Khoisan, líder da comunidade indígena sul africana Khoi-San, foi preso por plantar e vender canábis em frente à residência oficial do Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa.

“Os  Sangomas tinham apenas um lugar na tradicionalidade, mas aqui vemos que também podemos aprender com a indústria e desenvolver muito as nossas práticas tradicionais”.

Para Zanele Mazibuko, curandeira tradicional, a participação neste evento foi importante, principalmente agora que o governo está a começar a reconhecer o trabalho da medicina ancestral dos curandeiros tradicionais. Desde 2018 que se iniciou um processo de descriminalização do uso e do cultivo para consumo próprio. O modelo dos clubes está a operar para o uso recreativo, mas o mercado de produtos de cânhamo e CBD está em total ascensão, com muita expectativa para a indústria do cânhamo.

Alguns Sangomas na The Cannabis Expo. Foto: Larissa Barbosa | Cannareporter

Greek Zweni, Sangoma da região de Mpondoland vê com entusiasmo essa participação dos Sangomas na Expo. “Da nossa perspectiva, pode parecer um evento moderno que mostra a maneira ocidental de fazer as coisas, mas notamos que não é bem assim. Aqui encontramos uma variedade internacional de formas de fazer e de como os processos podem ser melhorados para o bem da humanidade e das comunidades. Os  Sangomas tinham apenas um lugar na tradicionalidade, mas aqui vemos que também podemos aprender com a indústria e desenvolver muito as nossas práticas tradicionais. Ter um stand aqui na Expo é uma oportunidade de ganhar uma aceitação internacional da medicina que fazemos e consumimos”, disse ao Cannareporter.

Greek Zweni está na Expo a representar também uma outra associação, a Umzimvubu Farmers Network, que está a lutar pela inclusão dos cultivadores tradicionais da região de Mpondoland na nova legislação sul-africana, que ainda é considerada por activistas como bastante restritiva. As licenças para cultivo são extremamente caras e não privilegiam grupos que cultivam, muitas vezes, apenas para a própria subsistência.

Esse foi, inclusive, o tema de um dos primeiros debates que abriu o painel de discussão da Expo. Linda Siboto, co-fundador da Cheeba Academy, a principal plataforma de formação e educação canábica da África do Sul, destacou que apesar do potencial da indústria do cânhamo no país ser gigante, o que falta são infra-estruturas para o processamento agrícola. Siboto sugeriu que o ideal seria que a indústria de têxteis, por exemplo, investisse nessas infra-estruturas, para que o cânhamo se possa tornar uma indústria de alto valor.

Foto: Larissa Barbosa | Cannareporter

Após o escândalo da extinta Juicy Fields, principal patrocinadora do evento no ano anterior, e com mais de dois apagões por dia na Cidade do Cabo, a Expo abriu com um número recorde de expositores: mais de 200 stands com expositores locais, internacionais, fornecedores agrícolas, marcas de estilo de vida, investidores e também ONG’s.

No programa, além de palestras, workshops e painéis de discussão, aconteceu também o The Freedom Festival, com bandas, artistas e DJs garantindo um clima de festa. Na área externa do The Grand West Casino, o enorme complexo onde decorre a Cannabis Expo, houve também um mercado de alimentos e bebidas canábicas.

A África do Sul está a enfrentar uma crise sem precedentes de energia. Só na Cidade do Cabo acontecem pelo menos 2 a 3 blackouts por dia, o que os sul-africanos chamam de ‘load-shedding’. A organização da Cannabis Expo informou que isto não representou um problema, já que foram usados mais de 20 geradores para garantir o sucesso do evento.

 

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Bacharel em Jornalismo e com um Mestrado em Estudos de Género e Desenvolvimento no Instituto de Estudos Internacionais e Desenvolvimento de Genebra, Suíça, Larissa Barbosa é uma jornalista brasileira que vive em França. Na sua carreira, escreveu principalmente sobre direitos humanos, desenvolvimento e movimentos sociais. Desde há alguns anos, começou a estudar e a escrever sobre a indústria da canábis e ficou profundamente interessada também no tema dos psicadélicos. Larissa acredita que uma boa comunicação e o jornalismo são centrais para uma melhor compreensão da ciência da canábis e dos psicadélicos, para poder mudar a opinião pública e reduzir o estigma.

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional2 dias atrás

Tailândia: Activistas suspendem greve de fome para preparar novas formas de protesto: “Estamos confiantes de que a canábis não será reclassificada como narcótico”

O grupo de activistas tailandês que se auto-intitula “Writing Thailand’s Cannabis Future Network”, liderado por Kitty Chopaka, anunciou hoje o...

Internacional3 dias atrás

Alemanha: Médicos de 16 especialidades já podem prescrever canábis sem aprovação dos seguros

O Comité Federal Misto Alemão (Gemeinsamer Bundesausschuss, ou G-BA) anunciou esta semana as excepções aos requisitos de aprovação para a...

Nacional3 dias atrás

Infarmed aprova duas novas ACM’s de preparações à base de canábis

O Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. aprovou duas novas ACMs (Autorização de Colocação no...

Cânhamo4 dias atrás

Leonardo Sousa: “É literalmente a auto-suficiência de um país que está aqui atrás, a quase todos os níveis”

Aos 31 anos, Leonardo Rodrigues Sousa tem-se destacado como um dos mais jovens empreendedores no sector do cânhamo industrial em...

Entrevistas4 dias atrás

Adonis Georgiadis: “A única discussão é sobre o uso farmacêutico. Não há efeito dominó na Grécia”

Encontrámos Adonis Georgiadis, Ministro da Saúde da Grécia, em Londres, na Cannabis Europa, uma das mais antigas conferências sobre canábis...

Cânhamo5 dias atrás

CBD… What the FAQ? — Tudo o que precisa de saber sobre Canabidiol

Está em milhares de produtos. É apresentado como a nova panaceia para quase todas as maleitas e embora pareça que...

Cânhamo7 dias atrás

Itália: Alteração que queria proibir canábis light foi arquivada

A alteração que o governo de Giorgia Meloni queria fazer na lei da canábis em Itália e que pretendia proibir...

Cânhamo7 dias atrás

A confusão do cânhamo em Portugal: ASAE apreende CBD na Kings Yard, mas deixa flores por serem para “coleccionismo”

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu cerca de 845 produtos numa loja da Kings Yard, que “apresentavam na sua...

Cânhamo1 semana atrás

Portugal: Estudo revela disparidades alarmantes na rotulagem do CBD, que continua proibido no país

Um estudo recente sobre os produtos de CBD em Portugal revela disparidades alarmantes entre o conteúdo de canabinóides anunciado e...

Internacional1 semana atrás

Espanha: Câmara de Barcelona encerra dezenas de clubes de canábis

A Câmara Municipal de Barcelona deu início a uma forte repressão contra os clubes de canábis da cidade, ordenando o...