Connect with us

Nacional

Portugal: Escola de Criminologia da Universidade do Porto debate o cultivo doméstico de canábis

Publicado

em

Ouvir este artigo
Foto: D.R. | Zamnesia

O “Cultivo Doméstico de Cannabis: entre a Autonomia dos Prazeres e o Constrangimento Criminal” estará em debate amanhã, dia 26 de Abril, às 16h, na 23ª Conferência organizada pelo Centro de Investigação Interdisciplinar sobre Crime, Justiça e Segurança (CJS) da Escola de Criminologia da Faculdade de Direito da Universidade do Porto (FDUP). No evento, que decorre no Anfiteatro 128 da FDUP e também pode ser assistido via Zoom (link no final do artigo), serão apresentados os resultados do primeiro questionário a cultivadores de canábis em Portugal.

Para discutir o assunto estarão presentes a Professora Rita Faria, Doutora em Criminologia, Mestre em Sociologia, Licenciada em Direito e actualmente Professora Auxiliar da Escola de Criminologia da FDUP e Directora do CJS, e o Professor Jorge Quintas, Director do Mestrado em Criminologia da FDUP, autor de vários livros e especialista em assuntos relacionados com uso, cultivo e políticas de drogas em Portugal. Os investigadores realizaram um inquérito anónimo em Portugal A conversa será moderada pela investigadora do CJS Ximene Rego.

Jorge Quintas concluiu o Doutoramento em Criminologia em 2007 pela Faculdade de Direito da Universidade do Porto. É Professor Auxiliar e Director do Mestrado em Criminologia da FDUP, tendo exercido a função de Director da Escola de Criminologia da FDUP, de 2017 a 2021. Publicou cerca de três dezenas de artigos em revistas especializadas, sendo a maior parte destas internacionais e resultado da participação em projectos científicos com colegas de diversos países. Publicou ainda cinco livros (alguns em co-autoria), diversos capítulos de livros e múltiplos relatórios técnicos especializados. É especialista em matérias relacionadas com o uso e cultivo de drogas, bem como com as políticas em matérias de drogas em Portugal e noutros países.

Rita Faria é Doutora em Criminologia, Mestre em Sociologia e Licenciada em Direito. Actualmente, é Professora Auxiliar da Escola de Criminologia da FDUP e Directora do CJS. Tem investigado e publicado activamente sobre tópicos como o crime ambiental e Criminologia Verde, bem como sobre crimes de colarinho branco, crimes financeiros, crimes das organizações e crimes ocupacionais, incluindo comportamentos desviantes na investigação científica. É Presidente do European Working Group on Organizational Crime (EUROC) e membro da direcção do Working-Group on Qualitative Research Methodologies and Epistemologies (WG-QRME), ambos da European Society of Criminology. É editora da “Criminology in Europe”, a newsletter da European Society of Criminology e membro da direcção desta Sociedade. Em 2023, foi distinguida pelo Centro Ciência Viva, como uma das 101 mulheres cientistas portuguesas.

O debate “Cultivo Doméstico de Cannabis: entre a Autonomia dos Prazeres e o Constrangimento Criminal” decorre amanhã, dia 26 de abril, às 16H, no Anfiteatro 128 da FDUP ou via ZOOM no link: https://videoconf-colibri.zoom.us/j/96696416349

Resultados do questionário iniciado em 2012 serão apresentados e discutidos

O Global Cannabis Cultivation Research Consortium (GCCRC), que agregou investigadores de várias partes do mundo, incluindo o Prof. Jorge Quintas, tentou conhecer melhor o cultivo doméstico de canábis para combater visões estereotipadas sobre quem o faz em pequena escala, seja para fins recreativos ou medicinais.

Com a incorporação de investigadores portugueses da Escola de Criminologia da Universidade do Porto e da Universidade de Ghent, foi possível integrar Portugal neste consórcio e na participação no ICCQ 2.0, a segunda versão do Questionário Internacional sobre Cultivo de Cannabis que se iniciou em 2012. Um ano após a divulgação do inquérito, publicaram-se  alguns dos principais resultados relativos à participação portuguesa.

No estudo participaram 116 cultivadores portugueses (cerca de 1% do total mundial) que se identificam, maioritariamente, como sendo do género masculino (87,6%). Têm uma idade média de 33 anos, encontram-se geralmente empregados, têm níveis de escolaridade diversificados e são provenientes, especialmente, de zonas urbanas. Os participantes mantêm uma actividade de cultivo estável (75% cultivaram canábis no último ano; todos cutivaram nos últimos 5 anos) e são consumidores regulares (69% consumiu no próprio dia; 89% na última semana).

A canábis consumida é maioritariamente proveniente do próprio cultivo (em média, 62%). Os participantes cultivam tipicamente sós, diversas estirpes de canábis, maioritariamente obtidas através de lojas virtuais, em solo orgânico vivo, utilizando fertilizantes, suplementos ou insecticidas orgânicos e em ambiente fechado. Os principais motivos para a actividade de cultivo de canábis reportados por 60% a 80% dos participantes são: o prazer em cultivar canábis; obter canábis para uso recreativo; porque a canábis que pode cultivar é mais saudável do que a que pode comprar; para evitar contactos com criminosos; por ser mais barato; porque consideram que a planta é linda e porque a canábis assim obtida não conterá adulterantes.

Os resultados revelaram ainda que a idade média aquando do primeiro cultivo é de cerca de 25 anos, e que, em média, cultivam há 8 anos, tendo realizado cerca de 10 plantações ao longo da vida e duas no último ano (todos estes valores médios são tendencialmente mais baixos do que os encontrados na maior parte dos países participantes).

Sendo o cultivo de pequenas quantidades de canábis (ainda) criminalmente punível em Portugal, o conhecimento dos/as cultivadores/as sobre o estatuto legal desta actividade é muito diversificado. Cerca de 60% do/as participantes consideram que o cultivo de canábis para fins recreativos é ilegal e que este é activamente perseguido pela polícia. Já 24 % considera que tais actos, sendo ilegais, não merecem a atenção das polícias e os restantes consideram ser legal cultivar canábis em Portugal. No que respeita ao cultivo para fins medicinais, cerca de metade considera o cultivo ilegal e cerca de um terço entende que tais actos são activamente investigados pela polícia. Em geral, muitos cultivadores têm, portanto, uma perspectiva optimista de não intervenção legal no cultivo, seja porque consideram que não existe previsão legal (que, refira-se, existe sobre a forma de crime), seja pela percepção de que não há intervenção policial em tais actos.

Os cultivadores apresentaram ainda uma grande diversidade de posições quanto à estimativa que fazem do risco de serem detectados pela polícia por cultivar canábis. Contudo, das respostas recolhidas, nenhum inquirido foi abordado pela polícia por cultivar canábis. São, também, muito raras outras infracções à lei para além do próprio cultivo de canábis.

A pandemia não afectou o consumo nem o padrão de cultivo da maior parte dos cultivadores de canábis. No entanto, cerca de 20% dos/as inquiridos começaram a cultivar efectivamente desde que a pandemia por COVID-19 se instalou e são mais aqueles/as que aumentaram o cultivo do que os que o diminuíram.

Thanks. Our survey is now closed.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Licenciada em Jornalismo pela Universidade de Coimbra, Laura Ramos tem uma pós-graduação em Fotografia e é Jornalista desde 1998. Foi correspondente do Jornal de Notícias em Roma, Itália, e Assessora de Imprensa no Gabinete da Ministra da Educação. Tem uma certificação internacional em Permacultura (PDC) e criou o arquivo fotográfico de street-art “O que diz Lisboa?” @saywhatlisbon. Laura é actualmente Editora do CannaReporter e da CannaZine, além de fundadora e directora de programa da PTMC - Portugal Medical Cannabis. Realizou o documentário “Pacientes” e integrou o steering group da primeira Pós-Graduação em GxP’s para Canábis Medicinal em Portugal, em parceria com o Laboratório Militar e a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Cânhamo5 horas atrás

Portugal: Estudo revela disparidades alarmantes na rotulagem do CBD, que continua proibido no país

Um estudo recente sobre os produtos de CBD em Portugal revela disparidades alarmantes entre o conteúdo de canabinóides anunciado e...

Internacional5 horas atrás

Espanha: Câmara de Barcelona encerra dezenas de clubes de canábis

A Câmara Municipal de Barcelona deu início a uma forte repressão contra os clubes de canábis da cidade, ordenando o...

Internacional2 dias atrás

Alemanha aprova o primeiro clube social de canábis após a legalização

A Ministra da Agricultura da Baixa Saxónia, Miriam Staudte, anunciou esta segunda-feira que o seu gabinete autorizou o primeiro clube...

Cânhamo4 dias atrás

Tailândia cada vez mais perto de reclassificar a canábis e o cânhamo como substâncias controladas

A Tailândia deu mais um passo decisivo no sentido de voltar a proibir a canábis no país. Na passada sexta-feira,...

Internacional2 semanas atrás

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT) passa a ser Agência da União Europeia das Drogas (EUDA)

A 2 de Julho de 2024 o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA) passará a ser a Agência...

Eventos2 semanas atrás

ICRS – International Cannabinoid Research Society reúne médicos e investigadores em Salamanca para o 34º Simpósio sobre Canabinoides

Se pensa que a investigação com canábis é algo recente e que inda não há estudos suficientes… pense outra vez! É...

Crónica2 semanas atrás

Terroir 101 – Uma Introdução

Este artigo inicia uma série sobre temas necessários para os que acreditam que esta planta merece ser reverenciada e elevada...

Eventos3 semanas atrás

Editora do CannaReporter®, Laura Ramos, nomeada “Jornalista do Ano” nos prémios Business of Cannabis

A indústria da canábis está prestes a reunir-se em Londres para dois dias de Cannabis Europa e uma noite de...

Comunicados de Imprensa3 semanas atrás

Cannabis Europa recebe líderes europeus e norte-americanos em Londres para capitalizar o mercado europeu da canábis

A indústria norte-americana de canábis está a criar um movimento significativo através do Atlântico, à medida que os líderes deste...

Internacional4 semanas atrás

Polícia alemã esclarece que não sugeriu consumo de canábis (em vez de álcool) aos adeptos ingleses do Euro 2024

A polícia de Gelsenkirchen, na Alemanha, foi citada numa notícia onde afirmou que as atenções estariam mais centradas nos adeptos...