Connect with us

Cânhamo

Reino Unido: Tribunal de Recurso diz que flores de CBD não são estupefacientes

Publicado

em

Ouvir este artigo

O Tribunal de Apelações de Inglaterra e do País de Gales, no Reino Unido, estabeleceu um novo precedente jurídico, ao decidir que a flor de cânhamo com menos de 0,2% de THC não deve ser considerada um estupefaciente. A decisão tem um impacto significativo nas empresas envolvidas na importação e venda de CBD ou de flores de cânhamo com baixo teor de THC.

Apesar da importante decisão, é essencial reconhecer que ela não fornece um livre passe para a importação e venda de flores com baixo teor de THC, como foi visto recentemente em França. O momento e a complexidade do caso ainda exigem cautela entre as empresas.

De acordo com declarações de Robert Jappie, sócio da área de Ciências da Vida da Fieldfisher, ao Business of Cannabis, esta decisão não concede privilégios comerciais ilimitados às empresas de CBD. No entanto, reduz substancialmente o risco de acção penal que estas possam enfrentar.

O caso no centro desta decisão envolve a empresa Uncle Herb, uma empresa revendedora online de flores CBD no Reino Unido, administrado por Eleanor Margiotta e Dean Taylor. Em Setembro de 2019, a Alfândega interceptou um lote de flores importadas de Itália, levando à prisão dos proprietários um ano depois. Foram acusados de estarem envolvidos na evasão fraudulenta da importação de mercadorias e de estarem envolvidos no fornecimento de canábis a outra pessoa, acusando-os efetivamente de serem traficantes de droga. Estas acusações tiveram efeitos devastadores para os proprietários e para a sua actividade.

O principal argumento que levou ao êxito de Eleanor Margiotta baseou-se na legislação da UE, que, na altura, se sobrepunha à legislação do Reino Unido. De acordo com a legislação da UE, era ilegal restringir a circulação de cannabis sativa ou cânhamo com um nível de THC inferior a 0,2%, uma vez que era considerado um produto agrícola.

Consequentemente, a Lei sobre o Uso Indevido de Drogas, que classificava todas as flores de cannabis sativa como substâncias controladas, foi considerada uma restrição à circulação do cânhamo. Como resultado, o Supremo Tribunal decidiu a favor de Eleanor Margiotta, declarando que não tinha sido cometido qualquer delito.

É importante notar que o sucesso do argumento de Eleanor Margiotta se baseou no facto de a transacção ter ocorrido antes da saída oficial do Reino Unido da UE, a 31 de janeiro de 2020. Após esta data, as leis relativas à liberdade de circulação de mercadorias na UE deixam de se aplicar ao Reino Unido.

Por conseguinte, as empresas de canábis sob investigação por actividades posteriores a esta data-limite não podem apresentar o mesmo argumento. No entanto, aqueles que enfrentam acusações por infracções antes da data-limite podem argumentar com confiança contra a sua culpa com base neste novo precedente legal.

Embora se aconselhe cautela, a decisão continua a ser potencialmente poderosa para a indústria do CBD. A confirmação do Tribunal de Recurso de que a flor de CDB não contém THC suficiente para ser considerada um produto estupefaciente desafia o controlo que o governo tem sobre ela como tal.

Robert Jappie sugere que este facto pode causar problemas significativos para o Serviço de Acusação da Coroa (CPS) em casos semelhantes. Se um produto não é um estupefaciente e não causa efeitos psicoactivos, o interesse público em processar empresas e indivíduos como traficantes de droga diminui.

Esta decisão poderá levar o CPS a reavaliar a sua posição e a apresentar uma declaração que justifique o facto de estar a tratar um produto não narcótico como narcótico. Estas acções poderão ter consequências de grande alcance e, eventualmente, conduzir a uma decisão semelhante à tomada em França.

A recente decisão do Tribunal de Recurso estabeleceu um precedente significativo para a indústria britânica de CBD e de flores de cânhamo com baixo teor de THC. Embora não ofereça uma luz verde sem restrições para as empresas, proporciona certamente uma maior clareza e reduz o risco de acção penal. É provável que as implicações desta decisão sejam acompanhadas de perto nas próximas semanas e podem ter efeitos de grande alcance no panorama jurídico do sector.
_____________________________________________________________
Este artigo foi originalmente publicado por Ben Stevens no Business of Cannabis e traduzido e adaptado para o Cannareporter por João Xabregas.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

+ posts
+ posts
Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Eventos3 dias atrás

CannaTrade regressa a Zurique de 24 a 26 de Maio

A CannaTrade – Feira e Festival Internacional do Cânhamo de Zurique atinge em 2024 a maioridade, celebrando a sua 18ª...

Comunicados de Imprensa4 dias atrás

Grupo SOMAÍ e a sua subsidiária RPK Biopharma ampliam parceria com Cookies para incluir Europa e Reino Unido

LISBOA, PORTUGAL, 16 de maio de 2024 /EINPresswire.com/ — O Grupo SOMAÍ (“SOMAÍ”) e a sua subsidiária, RPK Biopharma expandiram...

Nacional6 dias atrás

Portugal: Consumo estimado de CBD aumenta, apesar da proibição

O relatório “Cannabis in Portugal”, realizado pela Euromonitor International, divulgou os dados mais recentes sobre a indústria da canábis, os...

Nacional1 semana atrás

“Canábis. Maldita e Maravilhosa”, de Margarita Cardoso de Meneses, chega às livrarias a 16 de Maio

Margarita Cardoso de Meneses, colaboradora do CannaReporter®, acaba de publicar o livro “Canábis. Maldita e Maravilhosa”, editado pela Oficina do...

Comunicados de Imprensa2 semanas atrás

Montemor-o-Velho: Detido por cultivo de canábis

O Comando Territorial de Coimbra, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) do Destacamento Territorial de Montemor-o-Velho, hoje, dia 9...

Eventos2 semanas atrás

PTMC – Portugal Medical Cannabis reúne indústria da canábis medicinal a 22 de Maio, em Lisboa

A PTMC – Portugal Medical Cannabis vai reunir os profissionais da indústria da canábis medicinal no próximo dia 22 de...

Corporações2 semanas atrás

EUA: MedMen declara falência com 400 milhões de dólares de dívidas

A gigante norte-americana da canábis MedMen entrou em colapso sob o peso da sua dívida, anunciando na semana passada que...

Notícias2 semanas atrás

Estudo revela que legalização da canábis não aumenta consumo de outras substâncias

Um dos argumentos mais usados contra a legalização da canábis para uso adulto ou recreativo tem sido a ideia de...

Cânhamo2 semanas atrás

Letónia: Hemp School, da Obelisk Farm, é finalista do Prémio EFT Green Skills 2024

A Obelisk Farm continua a ser reconhecida mundo fora pela sua abordagem sui generais à exploração do cânhamo industrial. O projecto familiar, que...

Eventos2 semanas atrás

EUA: CannMed 24 Innovation & Investment Summit regressa a Marco Island, na Florida, de 12 a 15 de Maio

É uma das mais importantes conferências científicas sobre a indústria da canábis medicinal e regressa a Marco Island, na Florida,...