Connect with us

Internacional

Inteligência Artificial pode ajudar a monitorizar os níveis de intoxicação por canábis em tempo real

Publicado

em

Ouvir este artigo

Investigadores do Canadá e dos EUA embarcaram numa missão para transformar o seu smartphone numa ferramenta sofisticada, capaz de reconhecer quando está sob o efeito de canábis. Este projecto revolucionário tem como objectivo utilizar a inteligência artificial (IA) para detectar a intoxicação por canábis em tempo real, superando os métodos existentes dos teste de incapacidade para, por exemplo, conduzir.

O estudo, recentemente partilhado online, mergulhou no domínio da inteligência artificial (IA), explorando o seu potencial para monitorizar a intoxicação por canábis de uma forma mais imediata e precisa do que nunca. Os investigadores recolheram meticulosamente dados dos sensores pessoais dos smartphones e dos dispositivos Fitbit de 33 indivíduos. Estes sensores monitorizaram métricas cruciais, incluindo o ritmo cardíaco, a contagem de passos e a qualidade do sono durante um período alargado de até trinta dias.

Distinguir entre a presença de THC e o estado real de intoxicação

Foram observados os padrões de consumo de canábis dos participantes, com 24% a admitir um consumo diário, 9% a reportar um consumo 5-6 vezes por semana e 66,7% a consumir 2-4 vezes por semana. Ao combinar os dados de consumo de canábis comunicados pelos próprios com o feedback dos sensores do Fitbit e do smartphone, os investigadores pretendiam criar correlações. Estas correlações permitiriam distinguir entre a mera presença de THC no sistema e a intoxicação efectiva, uma distinção fundamental em cenários como a avaliação da capacidade de conduzir em segurança.

“Estas correlações permitiriam distinguir entre a mera presença de THC no sistema e a intoxicação efectiva, uma distinção fundamental em cenários como a avaliação da capacidade de conduzir em segurança”

Para obter informações mais aprofundadas, os sensores nos smartphones dos participantes registaram meticulosamente os micromovimentos, incluindo a forma como o dispositivo era segurado. Estes movimentos subtis foram analisados para medir a estabilidade e a coordenação, factores cruciais na avaliação dos níveis de intoxicação. Em particular, os investigadores concentraram-se em distinguir entre a presença de THC e o estado real de intoxicação, um desafio que pretendiam enfrentar com a precisão da IA.

A aplicação inovadora funcionou continuamente em segundo plano, recolhendo discretamente dados sobre as acções dos participantes, conversas e até sobre o áudio e a iluminação ambiente. Esta funcionalidade, activada em intervalos específicos com base no consumo de canábis comunicado, ofereceu informações valiosas sobre o contexto social do consumo.

Uma abordagem holística

O estudo incluiu a utilização de dispositivos Fitbit, que monitorizam o ritmo cardíaco, os padrões de sono e os passos dados. Os participantes estavam activamente envolvidos, introduzindo relatórios sobre o seu consumo de canábis 15 minutos antes de fumar ou vaporizar. Posteriormente, classificaram o seu nível de intoxicação numa escala de 1 a 10. Detalhes como o método de consumo, a quantidade e a duração da intoxicação foram meticulosamente registados. Os participantes também referiram o momento em que deixaram de se sentir “pedrados”, fornecendo dados exaustivos para análise.

“Os participantes também referiram o momento em que deixaram de se sentir “pedrados”, fornecendo dados exaustivos para análise”

Apesar de persistirem desafios como a exactidão dos dados comunicados pelos utilizadores, os investigadores consideraram esta abordagem benéfica em cenários do mundo real. Reconhecendo a necessidade de aperfeiçoamento, os investigadores planeiam melhorar a sua metodologia. Isto envolve o aperfeiçoamento dos algoritmos do smartphone e do Fitbit e a expansão dos seus esforços de recolha de dados para incluir amostras de maior dimensão. Com estes avanços, a perspectiva de utilizar a IA para monitorizar a intoxicação por canábis em tempo real torna-se cada vez mais promissora.

Em conclusão, este estudo pioneiro é um testemunho do potencial da IA para revolucionar a nossa compreensão da intoxicação por canábis. À medida que a tecnologia continua a avançar, o dia em que os nossos smartphones nos protegerão da condução sob influência e de outros riscos poderá estar mais próximo do que pensamos.

Leia o estudo na íntegra aqui:

Towards Automated, Interpretable and Unobtrusive Detection of Acute Marijuana-cannareporter

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional4 dias atrás

Polícia alemã esclarece que não sugeriu consumo de canábis (em vez de álcool) aos adeptos ingleses do Euro 2024

A polícia de Gelsenkirchen, na Alemanha, foi citada numa notícia onde afirmou que as atenções estariam mais centradas nos adeptos...

Eventos5 dias atrás

Substâncias sintéticas ameaçam enorme sucesso da Mary Jane Berlin

Era expectável que esta edição da Mary Jane Berlin fosse a maior concentração de sempre da comunidade da canábis na...

Nacional6 dias atrás

ICAD promove inquérito europeu sobre consumo de drogas em Portugal

O Instituto para os Comportamentos Aditivos e as Dependências (ICAD) iniciou a 4ª edição do European Web Survey on Drugs...

Eventos7 dias atrás

Maren Krings, autora do livro “H is for Hemp”, apresenta documentário sobre a Ucrânia hoje, em Lisboa

Maren Krings, fotojornalista e autora do livro “H is for Hemp” está hoje em Lisboa para apresentar o seu novo...

Internacional1 semana atrás

EUA: Pediatra Bonni Goldstein lança petição contra a proibição de medicamentos de CBD natural na Califórnia

A pediatra norte-americana Bonni Goldstein está a alertar para a tentativa de proibição de medicamentos derivados de CBD natural na...

Internacional1 semana atrás

Europa tem quase 23 milhões de utilizadores de canábis, a mais consumida de todas as substâncias ilícitas

A canábis continua a ser, de longe, a substância ilícita mais consumida na Europa. Estas são as conclusões do “Relatório...

Eventos1 semana atrás

Mary Jane celebra a cultura da canábis legal pela primeira vez na Alemanha

É já no próximo fim-de-semana, de 14  16 de Junho, que se realiza a já habitual Mary Jane, na Messe...

Eventos2 semanas atrás

CB Club reúne profissionais da canábis antecipando a Mary Jane, em Berlim

A antecipar a CB Expo (Cannabis Business Expo and Conference), que acontecerá em Dortmund, em Setembro, a CB Company vai...

Reportagem2 semanas atrás

África do Sul: a legalização de uma indústria que já prospera

Nas semanas que antecederam as eleições para Assembleia Geral na África do Sul, na passada quarta-feira, 29 de Maio, havia...

Entrevistas2 semanas atrás

Rui Reininho: “Eu acho esquisitíssimo andarem os meus colegas da GNR a meter o nariz nas propriedades das pessoas a ver o que é que esta planta faz”

Rui Reininho, músico português que ficou famoso enquanto vocalista dos GNR, dispensa apresentações. Ao contrário do que muitos pensam, não fundou...