Connect with us

Internacional

Canábis na Europa: 7 razões para estar optimista em 2024

Publicado

em

Ouvir este artigo

Desde grandes desenvolvimentos regulamentares a novos avanços nos cuidados de saúde com canábis e mudanças graduais de opinião, há muitos motivos para estar optimista neste próximo ano.

Com a ajuda de alguns especialistas, reunimos as nossas previsões e razões para ter esperança na reforma da canábis em 2024.

  1. A Europa já está no bom caminho para a mudança

Embora possa parecer que os progressos na Europa têm sido lentos, em 2023 assistiu-se a um aumento contínuo do número de pacientes que podem aceder à canábis medicinal, enquanto vários países deram os primeiros passos no sentido da legalização do uso adulto.

“Nos últimos anos, a UE fez progressos substanciais no que diz respeito à legalização da canábis”, afirma Lance Lambert, CMO da Grove Bags e antigo consultor da indústria, especializado nos mercados da Europa e da América do Norte.

“Vários países, incluindo a Suíça, a Alemanha, Portugal e a República Checa, criaram programas médicos. Outros, como a França e a Irlanda, estão a desenvolver projectos-piloto. Mas a última vaga que tem atraído mais atenção tem sido o progresso em torno da legislação sobre o uso adulto, ou ‘canábis recreativa’.”

Malta tornou-se o primeiro país da UE a fazê-lo, com a introdução da Lei da Reforma da Canábis no início de 2022. Apesar de um arranque lento, cinco instituições já obtiveram licenças aprovadas para o funcionamento de clubes sociais sem fins lucrativos, estando previstas mais licenças em 2024.

No ano passado, o Luxemburgo legalizou a posse pessoal e o cultivo doméstico de até quatro plantas, como parte da primeira fase da sua abordagem em duas fases à reforma.

Entretanto, foram lançados programas-piloto na Suíça e nos Países Baixos, que se espera venham a ser alargados no próximo ano. E, claro, todos os olhos estão postos na Alemanha, enquanto aguardamos a votação do projeto de lei no início de 2024.

Como diz Jamie Pearson, presidente do New Holland Group: “O comboio da canábis já saiu da estação”.

“Os programas-piloto suíços e holandeses, uma forma muito inteligente de contornar a política da UE e da ONU, vão expandir-se e apresentar números favoráveis, para surpresa fingida dos legisladores”, prevê.

E embora Lambert não preveja nenhum “movimento real em escala” até 2026, ele acrescenta: “Embora eu veja um avanço contínuo na aceitação e legalização, o verdadeiro ponto de viragem será quando a Alemanha der o sinal verde para o uso recreativo. Isto afectará países como a Finlândia e a Espanha, e todos os restantes. Até lá, os poucos membros da UE que ainda resistem avançarão provavelmente com a legalização do uso médico, no mínimo. Uma vez que a UE tem uma população de 448 milhões de habitantes, a legalização generalizada do consumo por adultos será um verdadeiro momento de mudança, tanto para a Europa como para o mercado global em geral”.

  1. A Alemanha pode abrir caminho para uma reforma mais alargada da UE

Apesar de alguma cautela, fontes locais estão “extremamente confiantes” de que o projeto de lei para a reforma da canábis será aprovado pelo parlamento alemão em janeiro ou fevereiro, com o primeiro pilar da abordagem faseada a entrar em vigor a 1 de abril de 2024.

O primeiro pilar permite o uso pessoal de quantidades restritas de canábis, o cultivo doméstico e o estabelecimento de um modelo de clube social sem fins lucrativos. O segundo pilar prevê a introdução de cadeias de abastecimento comerciais legais em determinados distritos e estados, que serão objeto de um controlo científico durante cinco anos, embora ainda não se saiba quando será introduzido.

Sendo uma grande potência na UE, muitos acreditam que a Alemanha poderá lançar as bases para a implementação da reforma da canábis a nível europeu.

Olivia Ewenike, uma advogada alemã especializada na indústria da canábis e co-fundadora da Lito law Academy, comentou: “Até à data, a UE tem tolerado o facto de o consumo de canábis não ser objeto de ação penal em alguns Estados-Membros. Se a Alemanha legalizasse efetivamente a canábis na medida do que está atualmente planeado, este seria o passo mais abrangente na UE até à data. A Comissão anunciou que os planos serão examinados de perto. Penso que alguns países europeus vão esperar para ver se a Alemanha consegue legalizar a canábis sem ser repreendida pela UE”.

Frederike Fäscher, consultora da PIVOT Regulatory, com sede em Berlim, concorda com esta afirmação: “O impacto vai ser grande. Embora os enquadramentos nacionais sejam sempre diferentes, partilham uma questão comum, que é, em primeiro lugar, serem membros da Convenção Única das Nações Unidas sobre Estupefacientes – que proíbe a venda comercial de canábis para uso adulto – e, por outro lado, o Acordo de Schengen, que faz parte da linguagem jurídica primária da União Europeia que traduz isso, pelo que contornar esta situação é realmente difícil.

“Diz-se que seriam necessários pelo menos sete países para convencer a UE a abolir essa parte do acordo ou a contorná-la – e sabemos de alguns que já têm iniciativas em curso. Precisam de uma asa forte sob a qual voar para tentar voltar a abrir o acordo e avançar para algo mais comercial”.

  1. Maior aceitação da canábis medicinal

Se for aprovada, a introdução da lei alemã sobre a canábis significará uma distinção ainda mais clara entre a canábis medicinal e a recreativa. A canábis medicinal deixará de estar listada como estupefaciente ou de exigir uma prescrição especializada em estupefacientes.

Einwenke explica: “Uma mudança fundamental é o facto de já não ser necessária uma prescrição especial para narcóticos, sendo agora suficiente uma prescrição médica normal. Por conseguinte, pode presumir-se que muitos mais médicos terão a confiança necessária para prescrever canábis como medicamento. Isto também simplificará o processo. A exigência de receita médica e o facto de apenas as farmácias estarem autorizadas a dispensar canábis medicinal permanecerão em vigor. No entanto, muitos requisitos burocráticos deixarão de se aplicar”.

Espera-se que esta medida não só ajude a reduzir o estigma e aumente a confiança na prescrição, como também facilite a produção e distribuição de canábis medicinal.

“Até agora, as empresas de canábis medicinal tinham de participar num concurso público e só podiam cultivar uma quantidade limitada. A partir de agora, as empresas poderão candidatar-se de forma independente a uma licença de fabrico e distribuir elas próprias a canábis”, continua Einwenke.

“Isto conduzirá a uma maior diversidade de variedades e tipos de canábis medicinal e a melhores cuidados para os pacientes de canábis.”

Do ponto de vista comercial, Fäscher acrescenta que qualquer empresa que esteja de olho na Alemanha deve concentrar-se no uso medicinal e não no uso adulto.

“Os clubes de canábis são bons e divertidos e haverá formas de os comercializar, mas não da forma como um mercado comercial funciona no que diz respeito à diversidade de produtos, garantia de qualidade ou cadeias de abastecimento verticalmente integradas – isto ainda está muito longe no futuro”, afirma.

“Quem estiver interessado em ganhar dinheiro na Alemanha deve concentrar-se na vertente médica”.

  1. Os EUA vão avançar para uma reforma federal, que poderá ter um impacto global

Do outro lado do oceano, as potenciais alterações regulamentares poderão também ter um grande impacto global. Há quem preveja que 2024 poderá ser o ano em que os EUA reclassificarão a canábis a nível federal, o que terá, sem dúvida, um efeito de arrastamento na UE.

“Acredito que em 2024, tanto os EUA como a Alemanha irão reclassificar a canábis”, afirma Michael Sassano, Diretor Executivo da SOMAI Pharmaceuticals.

“Estes dois eventos irão desencadear um incêndio global de canábis em todos os países da UE, reavaliando e abrindo a canábis.”

No ano passado, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (HHS) recomendou que a canábis fosse reclassificada da Lista I para a Lista III ao abrigo da Lei das Substâncias Controladas (CSA).

Esta recomendação surgiu 10 meses depois de o Presidente Joe Biden ter anunciado que estava a pedir às agências federais que revissem a classificação da canábis, bem como a sua intenção de perdoar milhares de infracções relacionadas com a posse.

Em dezembro, Biden emitiu uma proclamação que alargava a sua iniciativa de perdão aos infractores federais por posse de canábis.

A Agência Antidroga dos EUA (DEA) confirmou agora que está a realizar uma análise da reclassificação da canábis.

  1. A nova tecnologia e a IA irão melhorar os cuidados aos doentes

Com os avanços na tecnologia dos cuidados de saúde a chegarem rapidamente, 2024 poderá assistir a algumas mudanças importantes na forma como os medicamentos à base de canábis são prescritos.

Estão a ser desenvolvidas várias novas plataformas e ferramentas com o objetivo de capacitar os pacientes e os prescritores no que diz respeito à canábis medicinal.

“Estou optimista quanto ao facto de a IA e a tecnologia avançada para a medicina de precisão entrarem no Reino Unido e na UE através dos meus contactos nos Estados Unidos”, afirma Heidi Whitman, apoiante de grupos como We Decode e Genetica Flora AI.

“Permitir que os pacientes e os consumidores tenham o controlo do seu percurso canábico, que os prescritores possam dispor de relatórios científicos de referência para terem confiança na prescrição e que os retalhistas/dispensários/clínicas tenham uma melhor noção dos produtos a armazenar e forneçam uma melhor consistência através dos dados gerados pelos grupos que internacionalizam os produtos para as pessoas e as clínicas/dispensários. Melhor saúde através de melhores dados”.

  1. A canábis para fins medicinais e de bem-estar será (gradualmente) mais aceite no Reino Unido

Lentamente, mas de forma segura, a canábis medicinal deverá tornar-se mais aceite na sociedade ao longo do ano, com um número crescente de espaços de consumo centrados na medicina e no bem-estar a serem criados nas ruas principais.

Jay-Paul Jones abriu o primeiro espaço de consumo de canábis medicinal no País de Gales no final do ano passado, com o apoio da polícia e das autoridades locais. Projectos semelhantes foram bem-sucedidos noutros locais do Reino Unido, tendo alguns deles merecido a atenção dos meios de comunicação social, como é o caso da Irlanda do Norte.

Sam Cannon foi recentemente cofundador do Good Vibes Wellness Group, juntamente com Alex French e Vitalijs Kaneps, uma organização comunitária centrada em quintas urbanas de adaptogénicos e cafés de bem-estar nas ruas principais do Reino Unido.

“Penso que em 2024 haverá muito mais locais como o Good Vibes nas ruas principais do Reino Unido, a satisfazer as necessidades dos doentes e dos consumidores”, afirma.

“Isto, por sua vez, aumentará a sensibilização para a canábis medicinal, os cogumelos, a saúde e o bem-estar, fará com que os doentes passem de um mercado ilegal para um mercado legal, ao mesmo tempo que terá um impacto positivo na comunidade e no ambiente.”

Embora ainda existam alguns obstáculos regulamentares importantes a ultrapassar para um acesso generalizado à canábis medicinal no Reino Unido, a indústria continuará a pressionar os decisores políticos para melhorar as coisas, diz Mike Morgan-Giles, CEO do Cannabis Industry Council.

“A indústria de canábis do Reino Unido ainda enfrenta um quadro regulamentar e político em grande parte incoerente, o que cria uma série de desafios para os pacientes e para a cadeia de abastecimento médico”, comenta.

“Apesar do estigma infundado por parte de alguns elementos da sociedade, o número de doentes sujeitos a receita médica continua a crescer. Continua a ser vital melhorar a educação e o envolvimento com as autoridades públicas em torno das prescrições de canábis medicinal.

“Para apoiar ainda mais os doentes, é necessário aumentar o reembolso pelo NHS das receitas privadas de canábis medicinal e estabelecer vias de acesso ao NHS para a receção de receitas de CBPM não licenciadas.”

Este ano também serão iniciados alguns ensaios clínicos importantes para ajudar a construir uma base de evidências para apoiar isso.

Melissa Sturgess, CEO da Ananda Developments, que está a realizar um ensaio de controlo aleatório financiado pelo NHS sobre canábis com predominância de CBD e endometriose, prevê que: “2024 será o ano em que veremos a mudança de rumo dos medicamentos à base de canábis no Reino Unido. Temos um grupo determinado de pessoas com a mesma mentalidade que representam os doentes, prescrevem canábis medicinal e realizam ensaios clínicos que não descansarão enquanto não virmos estes medicamentos canabinóides disponíveis para todos os doentes que deles necessitam”.

  1. A canábis será mais amplamente reconhecida pelo seu papel ESG

Os profissionais da indústria canábica estão bem cientes dos benefícios da canábis enquanto cultura – não só para a saúde das pessoas, mas também para o planeta.

A canábis absorve o dobro do CO2 do que as árvores, melhora a qualidade do solo e pode ser transformada num material sustentável para a construção e para os tecidos, bem como numa alternativa para a produção de energia. Será que 2024 será o ano em que isto será reconhecido numa escala mais generalizada?

Sam Cannon, copresidente do subgrupo Ambiental, Social e de Governação (ESG) do CIC, pensa que sim.

“A ESG tornar-se-á mainstream e a indústria da canábis será reconhecida como uma ferramenta para ajudar em muitas condições de saúde e questões ambientais”, prevê Cannon, que foi coautor de um relatório que destaca os benefícios ESG de um mercado alargado de canábis medicinal no final de 2023.

“Os danos sociais e ambientais causados por criminosos organizados que cultivam e vendem canábis ilegalmente são difíceis de exagerar.

“A expansão do mercado legal através de um melhor acesso tem o potencial de reduzir o crime organizado e todos os danos associados, como o tráfico de seres humanos e os danos ambientais.”

_______________________________________________________________

Nota: Este artigo, da autoria da Jornalista Sarah Sinclair, foi publicado originalmente na revista britânica Cannabis Health e traduzido para o Cannareporter pelo Jornalista João Xabregas.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Cânhamo2 horas atrás

Portugal: Estudo revela disparidades alarmantes na rotulagem do CBD, que continua proibido no país

Um estudo recente sobre os produtos de CBD em Portugal revela disparidades alarmantes entre o conteúdo de canabinóides anunciado e...

Internacional3 horas atrás

Espanha: Câmara de Barcelona encerra dezenas de clubes de canábis

A Câmara Municipal de Barcelona deu início a uma forte repressão contra os clubes de canábis da cidade, ordenando o...

Internacional2 dias atrás

Alemanha aprova o primeiro clube social de canábis após a legalização

A Ministra da Agricultura da Baixa Saxónia, Miriam Staudte, anunciou esta segunda-feira que o seu gabinete autorizou o primeiro clube...

Cânhamo4 dias atrás

Tailândia cada vez mais perto de reclassificar a canábis e o cânhamo como substâncias controladas

A Tailândia deu mais um passo decisivo no sentido de voltar a proibir a canábis no país. Na passada sexta-feira,...

Internacional1 semana atrás

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT) passa a ser Agência da União Europeia das Drogas (EUDA)

A 2 de Julho de 2024 o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA) passará a ser a Agência...

Eventos2 semanas atrás

ICRS – International Cannabinoid Research Society reúne médicos e investigadores em Salamanca para o 34º Simpósio sobre Canabinoides

Se pensa que a investigação com canábis é algo recente e que inda não há estudos suficientes… pense outra vez! É...

Crónica2 semanas atrás

Terroir 101 – Uma Introdução

Este artigo inicia uma série sobre temas necessários para os que acreditam que esta planta merece ser reverenciada e elevada...

Eventos3 semanas atrás

Editora do CannaReporter®, Laura Ramos, nomeada “Jornalista do Ano” nos prémios Business of Cannabis

A indústria da canábis está prestes a reunir-se em Londres para dois dias de Cannabis Europa e uma noite de...

Comunicados de Imprensa3 semanas atrás

Cannabis Europa recebe líderes europeus e norte-americanos em Londres para capitalizar o mercado europeu da canábis

A indústria norte-americana de canábis está a criar um movimento significativo através do Atlântico, à medida que os líderes deste...

Internacional4 semanas atrás

Polícia alemã esclarece que não sugeriu consumo de canábis (em vez de álcool) aos adeptos ingleses do Euro 2024

A polícia de Gelsenkirchen, na Alemanha, foi citada numa notícia onde afirmou que as atenções estariam mais centradas nos adeptos...