Connect with us

Internacional

Itália: Canábis passa a ser gratuita para pacientes da Sicília

Publicado

em

Ouvir este artigo

A Sicília vai cobrir os custos incorridos pelos pacientes que usam canábis para fins terapêuticos, anunciou no passado dia 21 de Janeiro a agência de notícias italiana ANSA. Um decreto assinado pelo vereador regional da saúde, Ruggero Razza, estabeleceu que a canábis deverá ser gratuita para os pacientes que sofrem de dor crónica e neuropática e espasticidade derivada da esclerose múltipla.

Mas nem todos os médicos poderão prescrever canábis. Caberá aos médicos das instituições regionais de saúde pública, especialistas em anestesia e reanimação, neurologia e centros de terapia da dor, prescrever a canábis por um período máximo de seis meses. As preparações podem depois ser solicitadas pelos pacientes às farmácias hospitalares.

E é precisamente aqui que surge o primeiro obstáculo, pois a maioria das farmácias não pode produzir canábis actualmente. De todas as farmácias particulares da Sicília, apenas cinco produzem o medicamento, por isso o decreto prevê um acordo entre a administração regional de saúde e as cinco farmácias privadas já activas, em Agrigento, Catania, Palermo, Ragusa e Siracusa.

O decreto da região da Sicília resulta de um trabalho que vem sendo realizado há mais de um ano por um departamento técnico criado pelo vereador de saúde, Ruggero Razza, e das exigências de algumas associações, como a Bister, da Catania e a Existam os direitos, de Palermo .

“Agradecemos ao vereador Razza pela sensibilidade demonstrada e pelo decreto recém-assinado, que é um resultado muito importante”, disse Giuseppe Brancatelli, da Bister, em declarações ao Il Fatto Quotidiano. “Como associação, continuaremos o nosso trabalho para que o número de doenças para a administração gratuita da canábis seja ampliado”.

O decreto do vereador siciliano vem no seguimento da aprovação do auto-cultivo pelo Supremo Tribunal de Justiça italiano em Dezembro passado, que estabeleceu que o cultivo doméstico de canábis deixa de ser crime se as plantas forem poucas e apenas para uso pessoal.

Apesar de este decreto na Sicília ser revolucionário, já existem outras regiões de Itália onde os medicamentos à base de canábis fornecidos pelas farmácias hospitalares são suportados pelo sistema italiano de saúde.

Agricultores querem menos importação e mais produção nacional

Em Itália, a procura por produtos terapêuticos à base de canábis está em constante crescimento e é satisfeita graças às importações da Holanda. Actualmente, Itália produz cerca de 500 kg de inflorescências de canábis (350 kg em 2019), no único centro autorizado para o cultivo, a fábrica de produtos farmacêuticos militares, em Florença.

Para a Coldiretti, Confederação Nacional de Agricultores italiana, entre cultivo, transformação e comércio, a canábis é um negócio de 1,4 mil milhões, que pode representar pelo menos 10 mil novos empregos. A Coldiretti sustenta que se deve interromper a importação e activar uma cadeia de fornecimento totalmente italiana.

“Somente usando os espaços já disponíveis em estufas abandonadas devido à crise na horticultura, o interior da Itália pode disponibilizar imediatamente mil hectares de terra em cultivo protegido. São locais fechados onde mais facilmente os procedimentos de controle podem ser executados pela autoridade competente para evitar o risco de abuso”, refere a Confederação em declarações ao Il Sole 24 Ore.

Esta é uma oportunidade que “deve ser cuidadosamente avaliada para sair da dependência do exterior e iniciar um projeto 100% italiano da cadeia de suprimentos, que combina agricultura e indústria farmacêutica”, conclui a Coldiretti.

As indicações do Ministério da Saúde italiano para o uso de canábis

Em Itália a canábis pode ser usada legalmente para fins terapêuticos desde 2006, com regras precisas de prescrição, e somente quando as terapias convencionais são ineficazes, à semelhança de Portugal. Cabe ao Ministério da Saúde indicar os motivos da prescrição, que são os seguintes: movimentos espásticos associados a dores típicas de esclerose múltipla e lesões na espinal medula; dor crónica, causada por danos do sistema nervoso; náuseas e vómitos derivados da quimioterapia, radioterapia ou terapias para pacientes com HIV; falta de apetite em pacientes com cancro, HIV e em anorexia nervosa; pressão ocular excessiva no glaucoma; movimentos involuntários na síndrome de Gilles de la Tourette.

Uma emenda apresentada ao governo por cerca de trinta deputados do M5s, Pd, Leu e + Europe, pede no entanto a legalização da “canábis light”, autorizando a comercialização de “preparações contendo canabidiol (CBD) cujo conteúdo de tetra-hidrocanabinol (THC) não seja superior a 0,5%”. Em Portugal o limite é 0,2%, mas a venda de CBD não está autorizada pelo Infarmed.

____________________________________________________________________________

Imagem de Destaque: Enecta Cannabis extracts on Unsplash

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Licenciada em Jornalismo pela Universidade de Coimbra, Laura Ramos tem uma pós-graduação em Fotografia e é Jornalista desde 1998. Foi correspondente do Jornal de Notícias em Roma, Itália, e Assessora de Imprensa no Gabinete da Ministra da Educação. Tem uma certificação internacional em Permacultura (PDC) e criou o arquivo fotográfico de street-art “O que diz Lisboa?” @saywhatlisbon. Laura é actualmente Editora do CannaReporter e da CannaZine, além de fundadora e directora de programa da PTMC - Portugal Medical Cannabis. Realizou o documentário “Pacientes” e integrou o steering group da primeira Pós-Graduação em GxP’s para Canábis Medicinal em Portugal, em parceria com o Laboratório Militar e a Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional2 dias atrás

Tailândia: Activistas suspendem greve de fome para preparar novas formas de protesto: “Estamos confiantes de que a canábis não será reclassificada como narcótico”

O grupo de activistas tailandês que se auto-intitula “Writing Thailand’s Cannabis Future Network”, liderado por Kitty Chopaka, anunciou hoje o...

Internacional3 dias atrás

Alemanha: Médicos de 16 especialidades já podem prescrever canábis sem aprovação dos seguros

O Comité Federal Misto Alemão (Gemeinsamer Bundesausschuss, ou G-BA) anunciou esta semana as excepções aos requisitos de aprovação para a...

Nacional4 dias atrás

Infarmed aprova duas novas ACM’s de preparações à base de canábis

O Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. aprovou duas novas ACMs (Autorização de Colocação no...

Cânhamo4 dias atrás

Leonardo Sousa: “É literalmente a auto-suficiência de um país que está aqui atrás, a quase todos os níveis”

Aos 31 anos, Leonardo Rodrigues Sousa tem-se destacado como um dos mais jovens empreendedores no sector do cânhamo industrial em...

Entrevistas5 dias atrás

Adonis Georgiadis: “A única discussão é sobre o uso farmacêutico. Não há efeito dominó na Grécia”

Encontrámos Adonis Georgiadis, Ministro da Saúde da Grécia, em Londres, na Cannabis Europa, uma das mais antigas conferências sobre canábis...

Cânhamo5 dias atrás

CBD… What the FAQ? — Tudo o que precisa de saber sobre Canabidiol

Está em milhares de produtos. É apresentado como a nova panaceia para quase todas as maleitas e embora pareça que...

Cânhamo7 dias atrás

Itália: Alteração que queria proibir canábis light foi arquivada

A alteração que o governo de Giorgia Meloni queria fazer na lei da canábis em Itália e que pretendia proibir...

Cânhamo7 dias atrás

A confusão do cânhamo em Portugal: ASAE apreende CBD na Kings Yard, mas deixa flores por serem para “coleccionismo”

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu cerca de 845 produtos numa loja da Kings Yard, que “apresentavam na sua...

Cânhamo1 semana atrás

Portugal: Estudo revela disparidades alarmantes na rotulagem do CBD, que continua proibido no país

Um estudo recente sobre os produtos de CBD em Portugal revela disparidades alarmantes entre o conteúdo de canabinóides anunciado e...

Internacional1 semana atrás

Espanha: Câmara de Barcelona encerra dezenas de clubes de canábis

A Câmara Municipal de Barcelona deu início a uma forte repressão contra os clubes de canábis da cidade, ordenando o...