Connect with us

Internacional

Legalização da canábis pode estar nas mãos da “Geringonça Alemã”

Publicado

em

Ouvir este artigo

Os três partidos envolvidos nas negociações para constituir a coligação que irá assumir os comandos do Governo Federal Alemão, podem vir a considerar a legalização da canábis para fins recreativos. Os sociais-democratas, verdes e liberais defenderam nas suas campanhas um sistema regulamentado para o cultivo, distribuição e venda de canábis. E os rumores da emergência de uma possível medida já fizeram várias entidades marcar posição.

 Se a Alemanha avançar, seguirá os passos do Luxemburgo, o primeiro estado membro da UE a legalizar a canábis.

As negociações para a definição da composição do novo Governo Federal Alemão ainda estão a cozer em lume brando, com três partidos a avançarem nas intenções de coligação. Com uma nova composição do governo federal alemão, onde estão juntos os sociais democratas (Partido Social Democrata Alemão), os Liberais (Partido Democrático Liberal Alemão) e os Verdes (Partido dos Verdes Alemão), a possibilidade de emergir uma regulamentação que enquadre o consumo e produção de canábis para fins recreativos pode mesmo surgir segundo analistas e imprensa alemã.

No entanto, nos documentos apresentados pela coligação ainda não figurou qualquer menção à iniciativa de legalizar a canábis para fins recreativos, apesar da legalização da canábis ser uma questão sobre a qual existem possíveis entendimentos entre os vários partidos que estão a coligar-se na Alemanha, dado que os manifestos de campanha destes partidos envolviam temas relacionados com a legalização para fins recreativos.

O que dizem os manifestos dos partidos?

O Partido dos Verdes defende uma abordagem totalmente nova para o controlo das drogas, a começar com a legalização controlada da canábis. Os planos do partido implicam o comércio através de lojas licenciadas onde a “proteção estrita da juventude e do consumidor” seria o ponto central da sua legislação e esperam “puxar o tapete ao mercado negro”.

O Partido Democrático Liberal também favorece a criação de lojas licenciadas. O manifesto destaca os benefícios para a saúde, ganhos fiscais inesperados e a transferência de recursos policiais que a legalização criaria. “Apenas a venda de canábis em lojas licenciadas garante o controlo de qualidade e impede a venda de substâncias contaminadas”, acredita o partido liberal. Até 1 milhar de milhão em novas receitas fiscais poderiam ser investidos em programas de prevenção e dependências, afirmam.

Os social-democratas de centro-esquerda também acham que uma reforma da postura proibitiva da Alemanha já vem tarde, no entanto. “A proibição e a criminalização não reduziram o consumo, impedem uma prevenção eficaz do vício e ocupam enormes recursos do meio judiciário e da polícia”, afirma o manifesto do partido. O sociais democratas, no entanto, são mais cautelosos do que os partidos menores nos seus planos de legalização, planeando iniciar através de projetos-piloto.

Rumores relativos à legalização fazem ecoar tomadas de posição

As reacções aos rumores relativos a um entendimento que viabilize a legalização para fins recreativos já fizeram com que vários sectores da sociedade fizessem ecoar as suas posições. Os argumentos do lado dos que se opõem à legalização prendem-se com as preocupações com os efeitos relativos à saúde e percepção, mas também do risco que a canábis coloca para os mais jovens. A favor, estão os argumentos relacionados com o combate ao mercado negro e controlo da qualidade.

A Comissária Antidroga do Governo Federal Alemão, Daniela Ludwig, afirmou que a “canábis é tudo menos inofensiva” e os sindicatos da polícia reagiram com preocupação esta semana às especulações de que a possível legalização aconteça. Oliver Malchow, do Sindicato da Polícia (GdP), disse que “não faz sentido legalizar outra droga perigosa junto com o álcool” ao Neue Osnabrücker Zeitung, explicando que a canábis leva ao conflito social entre adolescentes e jovens. Rainer Wendt, do Sindicato da Polícia Alemã, disse que “se pessoas sob o efeito de canábis começarem a entrar nos carros e a conduzir, em breve teremos um problema”.

As preocupações com as consequências negativas para os adolescentes também são partilhadas por especialistas médicos. Rainer Thomasius, um psiquiatra infantil de Hamburgo que conduziu pesquisas sobre os efeitos da cannabis no desenvolvimento cognitivo de adolescentes, disse à emissora WDR que a legalização seria prejudicial.

‘A proibição da cannabis é inconstitucional’

Os especialistas ainda não estão convencidos relativamente às experiências internacionais existentes, nomeadamente no continente Americano. no entanto, Lorenz Böllinger, um professor de criminologia da Universidade de Bremen, disse ao Local.de que “Estudos estrangeiros mostram que o consumo entre os jovens não aumenta significativamente após a descriminalização e a regulamentação proibitiva” ressalvando que “a canábis está facilmente disponível no mercado negro há muito tempo”.

Böllinger defende a legalização e apresenta um ponto ainda mais fundamental, argumentando que a proibição é na verdade inconstitucional: “No direito penal, o estado só pode proibir coisas que prejudiquem os direitos fundamentais de outras pessoas! Ferir a si mesmo não é uma ofensa passível de punição ”, diz ele. “A justificativa legal [para a proibição da cannabis] é‘ danos à saúde pública’, mas essa justificativa contradiz a constituição alemã. Por essa medida, consumir álcool, tabaco ou chocolate teria que ser declarado uma ofensa. ”

A Associação Alemã do Cânhamo continua a defender a legalização. “A proibição coloca em risco a saúde dos consumidores por meio de produtos perigosamente adulterados no mercado negro. A regulamentação desse mercado, por outro lado, permitiria finalmente o controlo de qualidade ”, disse o director da associação Georg Wurth quando questionado pelo Merkur.de. No entanto, a canábis “na verdade não é inofensiva e o risco é maior em adolescentes do que em adultos”, e por isso Wurth deixa o apelo: “necessitamos de prevenção e educação que sejam credíveis para os jovens”.

O chefe da Associação do Cânhamo diz: “Justificar a proibição e a repressão dos consumidores predominantemente adultos com os riscos da canábis é mentira, enquanto o álcool, ainda mais perigoso, é legalmente vendido e anunciado em cada esquina.”

Seja como for, teremos que esperar que os partidos transitem da fase de negociação para a fase de constituição de governo, um processo que pode ser demorado visto ser uma situação política que não ocorria na Alemanha desde 1950, a necessidade de uma coligação de pelo menos três partidos.

Assim sendo, só depois desta fase poderá a regulamentação da canábis ser colocada como uma hipótese a desenvolver pelo governo alemão.

Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Cânhamo12 horas atrás

Cultivo de Cânhamo nos Açores vai ter sessão de esclarecimento na Ilha Terceira

A Confraria Internacional Cannabis Portugal e a CannAzores unem esforços para promover uma Sessão de Esclarecimento sobre o Cultivo de...

Saúde5 dias atrás

CBD e CBC mostram resultados promissores no carcinoma espinocelular de cabeça e pescoço

Um estudo publicado na revista Cancers descobriu que os extractos de canábis ricos em CBD (canabidiol) podem matar células cancerosas da...

Internacional6 dias atrás

Ucrânia: Zelensky assina projecto de lei para legalizar a canábis medicinal

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky assinou um projecto de lei que legaliza a canábis medicinal na Ucrânia, prevendo-se que os...

Nacional2 semanas atrás

Portugal: Associação Mães pela Canábis publica e-book sobre canábis medicinal

A Associação de Mães pela Canábis (AMC) anunciou o lançamento de um e-book intitulado “Fronteiras da Cannabis: CIÊNCIA, TERAPÊUTICA &...

Corporações3 semanas atrás

Akanda assina carta de intenção para vender RPK Biopharma à Somaí. “Será uma das poucas empresas verticais de canábis da UE”, diz Michael Sassano

A Akanda Corporation, uma empresa internacional de canábis medicinal cotada na Nasdaq (AKAN) e que detém a empresa portuguesa Holigen, anunciou...

Cânhamo3 semanas atrás

Portugal: DGAV admite que o CBD é a sua “grande dor de cabeça” e produtores reclamam utilização da planta inteira

A conferência “Cânhamo Industrial – o (Re)nascer da Fileira em Portugal” promovida pela Cânhamor e pela Consulai, que decorreu dia...

Internacional3 semanas atrás

Pensionista espanhol contorna segurança do aeroporto de Lisboa com 21 kg de canábis

Um pensionista espanhol de 63 anos foi detido em Malta, depois de aterrar no aeroporto num voo proveniente de Lisboa,...

Cânhamo3 semanas atrás

Portugal: O futuro do cânhamo industrial discute-se amanhã em Beja

  O auditório EDIA, em Beja, vai receber amanhã, dia 30 de Janeiro, a partir das 14 horas, uma ronda...

Internacional4 semanas atrás

Espanha: Directora da Fiscalia Especial Antidroga propõe campanhas sobre o risco do consumo de canábis

A directora da Fiscalia Especial Antidroga, Rosa Ana Morán Martínez, alertou recentemente que Espanha se tornou ‘o principal produtor de...

Entrevistas1 mês atrás

Elena Battaglia, Veterinária: “Tenho pacientes oncológicos que se esperava que morressem há dois anos e ainda estão vivos”

Falámos com a veterinária italiana Elena Battaglia, que tem vasta experiência a utilizar canabinóides em animais, e nos explicou de...