Connect with us

Nacional

Eça de Queirós: “Pois venha o Hachisch!”

Publicado

em

Ouvir este artigo
Foto: D. R.

No final de Outubro de 1869, Eça de Queirós, então com 23 anos, partiu com um amigo, o Conde de Redondo, para uma viagem ao Egipto e à Palestina. Quanto ao Egipto, o futuro romancista registou as suas impressões em notas (postumamente coligidas num volume intitulado O Egipto: Notas de Viagem), cuja leitura torna claro que os dois jovens portugueses estavam apostados em aproveitar a ocasião para experimentar o haxixe, o qual no século XIX consubstanciava muito do fascínio exercido pelo exótico Oriente — e, em Portugal, poucos estariam tão a par como Eça das loas que em França cantavam aos “paraísos artificiais” os seus ídolos Gautier, Baudelaire e de Nerval, notórios membros do “Club des Haschischins”.

Assim, em O Egipto, ao relatar uma visita aos bazares do Cairo, na companhia de Redondo e um guia local, Eça de Queirós escreve sem rodeios:

Fomos apenas uma vez ao bazar das drogas: procurávamos hachisch.

Hachisch? — disse-nos Jonas Ali [o guia] — mas é proibido!*

Mas deve-o haver… sobretudo sendo proibido!

Em primeiro lugar — respondeu ele gravemente – há três qualidades de hachisch: hachisch em pastilhas…

— Pois venham as pastilhas!

— hachisch em bolo…

— Pois venham os bolos!

— Há hachisch em geleia…

— Então, venha a geleia!

Jonas Ali encolheu os ombros — e o olhar que nos lançou era cheio dum infinito desdém…

Em O Egipto, Eça não volta a referir o haxixe; mas relata como, durante a sua estadia no Cairo, participou com Redondo em duas sessões de fumo de narguilé, cujo efeito, explica, é mergulhar o consumidor “naquele estado a que os árabes chamam ‘kiéf. “[O] cérebro vazio de ideias e cheio de sonhos, abismámo-nos longo tempo naquele doce enlevo, no kief — no divino, mole, voluptuoso, inerte, pacífico kief!”, escreve Eça, que refere ainda “visões em que nos julgávamos Califas, comendo manjares admiráveis entre danças de escravas”.

Embora Eça de Queirós não explicite qual a substância que fumou no narguilé, tratava-se obviamente de kif, as inflores-cências secas da cannabis. Sendo o menos potente dos preparados psicoacti-vos de cannabis, o kif não fora proibido no Egipto junto com o haxixe, razão por que Eça pôde iniciar–se tranquilamente nos estados alterados de cons ciência em lugares públicos do Cairo.

Certas dúvidas quanto ao seguimento desta história são esclarecidas pelo escritor Jaime Batalha Reis, amigo de Eça de Queirós, na introdução que escreveu em 1903 à obra deste Prosas Bárbaras:

Na Primavera de [1870], estávamos uma tarde — o Antero de Quental e eu — na casa que então habitávamos a S. Pedro de Alcântara quando entrou o Eça de Queiroz, chegado havia pouco, do Oriente, mas que ainda não víramos”. E, continua Batalha Reis, ao pôr os amigos a par da viagem, Eça “(a)nalisou, minuciosamente, as sensações que lhe dera, no Cairo, o uso do haschisch, e as visões fantásticas que nos preparava — porque ele e o Conde de Redondo haviam-nos trazido haschisch misturado a geleia, a bolos, e a pastilhas que se fumavam em cachimbos especiais”.

Em resumo: não só Eça de Queirós e o Conde de Redondo satisfizeram no Cairo o desejo de experimentar o haxixe, como se entusiasmaram com os resultados a ponto de assumirem a responsabilidade moral e material de “iluminar” com cannabis o círculo intelectual que frequentavam — o qual, saliente-se, passaria à história como a geração de ouro das letras portuguesas.

Com a revelação da faceta haschaschin de Eça de Queirós, a bola fica seguramente no campo dos que consideram que a apetência por estados alterados de consciência como os proporcionados pela canábis merece o cárcere ou, mais civilizadamente, a intervenção de uma Comissão de Dissuasão da Toxicodependência.

Este texto foi originalmente publicado na edição portuguesa do livro “O Rei vai nú”, de Jack Herer, e reproduzido no #3 da Cannadouro Magazine.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

+ posts
+ posts
Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional2 dias atrás

EUA: Pediatra Bonni Goldstein lança petição contra a proibição de medicamentos de CBD natural na Califórnia

A pediatra norte-americana Bonni Goldstein está a alertar para a tentativa de proibição de medicamentos derivados de CBD natural na...

Internacional2 dias atrás

Europa tem quase 23 milhões de utilizadores de canábis, a mais consumida de todas as substâncias ilícitas

A canábis continua a ser, de longe, a substância ilícita mais consumida na Europa. Estas são as conclusões do “Relatório...

Eventos3 dias atrás

Mary Jane celebra a cultura da canábis legal pela primeira vez na Alemanha

É já no próximo fim-de-semana, de 14  16 de Junho, que se realiza a já habitual Mary Jane, na Messe...

Eventos1 semana atrás

CB Club reúne profissionais da canábis antecipando a Mary Jane, em Berlim

A antecipar a CB Expo (Cannabis Business Expo and Conference), que acontecerá em Dortmund, em Setembro, a CB Company vai...

Reportagem1 semana atrás

África do Sul: a legalização de uma indústria que já prospera

Nas semanas que antecederam as eleições para Assembleia Geral na África do Sul, na passada quarta-feira, 29 de Maio, havia...

Entrevistas1 semana atrás

Rui Reininho: “Eu acho esquisitíssimo andarem os meus colegas da GNR a meter o nariz nas propriedades das pessoas a ver o que é que esta planta faz”

Rui Reininho, músico português que ficou famoso enquanto vocalista dos GNR, dispensa apresentações. Ao contrário do que muitos pensam, não fundou...

Notícias2 semanas atrás

Canadá: Estudo demonstra que utilização de canábis reduz consumo de metanfetaminas

Os utilizadores de poli-drogas, indivíduos que consomem várias substâncias, recorrem frequentemente à canábis como forma de reduzir o seu consumo...

Eventos4 semanas atrás

CannaTrade regressa a Zurique de 24 a 26 de Maio

A CannaTrade – Feira e Festival Internacional do Cânhamo de Zurique atinge em 2024 a maioridade, celebrando a sua 18ª...

Comunicados de Imprensa4 semanas atrás

Grupo SOMAÍ e a sua subsidiária RPK Biopharma ampliam parceria com Cookies para incluir Europa e Reino Unido

LISBOA, PORTUGAL, 16 de maio de 2024 /EINPresswire.com/ — O Grupo SOMAÍ (“SOMAÍ”) e a sua subsidiária, RPK Biopharma expandiram...

Nacional4 semanas atrás

Portugal: Consumo estimado de CBD aumenta, apesar da proibição

O relatório “Cannabis in Portugal”, realizado pela Euromonitor International, divulgou os dados mais recentes sobre a indústria da canábis, os...