Connect with us
Publicidade
Publicidade

Internacional

Curaleaf obrigada a remover produtos em Nova Iorque por ter alterado métrica de THC no rótulo sem autorização

Publicado

em

A Curaleaf foi recentemente obrigada a retirar dezenas de milhares de unidades de frascos de flor seca de canábis das prateleiras dos dispensários de Nova Iorque. De acordo com o NY Cannabis Insider, a empresa mudou para uma forma não autorizada de rotular a potência, que levou os pacientes a acreditar que a canábis que compravam era muito mais forte do que o habitual. Esta não é a primeira vez que a Curaleaf tem problemas com os rótulos das suas embalagens. No ano passado, a empresa já tinha trocado rótulos de THC por CBD (e vice-versa) em produtos da marca “Select” e acabou a enfrentar sete acções judiciais federais nos Estados Unidos, tendo admitido na altura um “erro humano não intencional”. 

Desta vez, o problema verificou-se depois de a Curaleaf ter começado, no passado mês de Julho, a colocar nos rótulos as medidas do “peso seco”, sem a autorização do Office of Cannabis Management, o regulador do Estado de Nova Iorque. Em Nova Iorque, todos os produtos exibem no rótulo o “peso húmido”, mas o método do “peso seco” mostra percentagens de THC significativamente mais altas, tornando a canábis mais atraente para os compradores que procuram o maior retorno possível.

O alerta foi dado por um paciente, Tom, que afirmou à NY Cannabis Insider que teve dúvidas e portanto decidiu pedir o certificado de análise à Curaleaf: “Percebi que o THC no rótulo não correspondia ao THC no certificado de análise”. Depois de uma troca de e-mails entre Tom e a Curaleaf, o regulador interveio, a 26 de Julho, enviando um e-mail para a Curaleaf, reiterando que as medições de peso seco “são apenas para fins informativos e não podem ser aplicadas à rotulagem de produtos aprovados até que um método aprovado esteja disponível”.

Stephanie Cunha, porta-voz da Curaleaf, disse ao NY Cannabis Insider que o peso seco “é considerado a métrica mais precisa para o conteúdo de THC em qualquer tipo de amostra de canábis”. E acrescentou que os “estados vizinhos como Connecticut, Nova Jérsia e Maryland exigem testes com base no peso seco”. Cunha explicou ainda que a empresa fez a mudança para fornecer “uma métrica mais precisa e consistente do conteúdo de THC” aos consumidores, mas não respondeu porque é que a empresa não pediu a aprovação do regulador. “A Curaleaf mantém os seus produtos em altos padrões e lamentamos profundamente perante a nossa comunidade de pacientes por qualquer confusão que essa mudança na metodologia tenha causado”.

A Curaleaf disse ainda que removeu “temporariamente certos produtos do mercado, para redistribuir com a medição de peso húmido obrigatória de Nova Iorque”. No entanto, a empresa afirmou estar a trabalhar com o regulador e acredita que o estado de Nova Iorque irá mudar para a métrica do peso seco brevemente.

Consumidores procuram percentagens mais elevadas de THC 

Em questão está a tão polémica questão das percentagens de THC. O mesmo produto pode mostrar uma percentagem de THC de 20%, se usar a métrica do peso húmido, mas pode chegar aos 37% quando usa o teste do peso seco. De acordo com Geoff Brown, farmacêutico da MedMen em Buffalo e co-fundador da revista CannaBuff, “quanto maior a potência da flor, mais vendas desse item vemos”, disse ao NY Cannabis Insider. A mudança para o teste de peso seco resultou num “aumento considerável nas vendas” do produto da Curaleaf na sua loja, disse Brown, mas deixou a equipa do dispensário com dúvidas.

Bob Miller, COO da ACT Laboratories, explicou que do ponto de vista do laboratório, o peso seco permite comparações mais precisas de produto para produto ou de laboratório para laboratório. A desvantagem dessa abordagem é que ela é enganosa para os pacientes… por isso inflacciona a potência”.

Do lado dos pacientes, Timothy Mitchell, confessou ao NY Cannabis Insider que a rotulagem incorrecta da Curaleaf é problemática, tanto para a precisão como para a transparência: “os pacientes devem ser capazes de avaliar com precisão a sua dose. O uso medicinal é sobre o alívio dos sintomas e muitos de nós têm uma ideia clara do que é preciso para obter o resultado necessário. Por uma questão de transparência, é importante ter informações exactas, porque alguns usam a canábis medicinal depois de não obter resultados do sistema médico/farmacêutico e/ou após sentir-se enganado com promessas não cumpridas. Ter de questionar se os nossos dispensários estão ou não a enganar-nos conscientemente seria mais um revés”, disse.

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade

Mais recentes

Nacional5 horas atrás

Portugal: Exportações de canábis não param de crescer, mas Infarmed rectifica números divulgados em Março

A canábis produzida em Portugal já ruma para quatro continentes, de acordo com os dados do relatório divulgado pelo Infarmed,...

Nacional3 dias atrás

Em Portugal já foram prescritos mais de 10kg de canábis, mas só há 5 pedidos de ACM no Infarmed

As vendas de canábis para fins medicinais em Portugal ainda são pouco expressivas, mas mostram sinais de crescimento, de acordo...

Nacional3 dias atrás

Portugal: Infarmed já atribuiu 61 licenças e 172 pré-licenças relacionadas com canábis medicinal

O Infarmed — Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde I.P. atribuiu, até final de Junho de 2022, 61...

Internacional3 dias atrás

Espanha substitui multas de consumo e posse de drogas por “actividades de reeducação”

Os seis grupos parlamentares espanhóis (PSOE, Unidas Podemos, PNV, ERC, Junts e EH Bildu), chegaram a acordo para a reforma...

Nacional4 dias atrás

Infarmed publica relatório sobre a evolução da actividade da canábis medicinal em Portugal

O Infarmed — Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde I.P. publicou uma análise relativa às actividades desenvolvidas no sector da...

Corporações4 dias atrás

Snoop Dog e British American Tobacco investem no Sanity Group

O Sanity Group anunciou esta semana um dos maiores financiamentos numa empresa de canábis na Europa, com de 37.6 milhões de dólares...

Internacional4 dias atrás

Austrália: 1 milhão de dólares em multas por “falsas” alegações de saúde

A entidade reguladora de medicamentos australiana, a Therapeutic Goods Administration (TGA), emitiu 73 notificações de infracção sobre as alegações das...

Comunicados de Imprensa4 dias atrás

Cannadouro Magazine: Número 7 já está nas bancas. Veja aqui como receber a revista em casa

O número 7 da Cannadouro Magazine já está nas bancas, com muita informação em português sobre a actualidade do mundo...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

Portugal: Mais um arguido por tráfico de estupefacientes

O Comando Territorial de Braga, através do Posto Territorial do Braga, ontem, dia 27 de setembro, deteve um homem de...

Comunicados de Imprensa5 dias atrás

Akanda vai exportar uma tonelada de canábis de Portugal para a Alemanha

O acordo entre a portuguesa Akanda e a Cansativa GmbH vai arrancar com a exportação de uma tonelada de canábis...