Connect with us

Notícias

Estudo diz que utilização regular de canábis por jovens adultos revelou melhorias na funcionalidade cognitiva e diminuição na utilização de medicamentos

Publicado

em

Ouvir este artigo
Foto: D.R. | Create.Vista

Numa investigação inovadora centrada em adolescentes e jovens adultos susceptíveis de desenvolver perturbações psicóticas, um estudo recente conduzido em colaboração por três universidades norte-americanas refuta as afirmações que costumam ser feitas pelos críticos que relacionam a utilização da canábis recreativa com o aparecimento de psicoses. Os investigadores concluíram que o consumo regular de canábis durante um período de dois anos não conduziu ao aparecimento precoce de sintomas associados a doenças mentais. Pelo contrário, o estudo sublinha que esse consumo está associado a melhorias na funcionalidade cognitiva e a uma diminuição na utilização de medicamentos.

Conduzido em colaboração por especialistas do Hospital Zucker Hillside, da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, da Universidade do Michigan e da Universidade da Califórnia em Davis, este esforço de investigação abrangente foi documentado na revista Psychiatry Research. Os investigadores afirmam que “o consumo recreativo de canábis tornou-se um tema de grande interesse como catalisador natural para o início da psicose. No entanto, as provas que corroboram as consequências negativas da canábis para os indivíduos com elevado risco clínico (CHR) de psicose permanecem inconclusivas.”

Metodologia e resultados da investigação

Para aprofundar esta questão, a equipa de investigação acompanhou de perto 210 participantes com idades compreendidas entre os 12 e os 25 anos, todos eles identificados como doentes com CHR. Estes indivíduos foram inscritos no Programa de Deteção e Intervenção Precoce para a Prevenção da Psicose (EDIPPP). Ao longo de dois anos, foi realizado um exame minucioso para comparar o bem-estar mental e a utilização de medicamentos prescritos entre os consumidores regulares de canábis e os não consumidores.

O estudo produziu uma revelação significativa: “o consumo continuado de canábis ao longo de dois anos de acompanhamento não se correlacionou com um aumento da taxa de transição para a psicose. Além disso, não exacerbou os sintomas clínicos, os níveis de funcionalidade ou a neurocognição geral.”

Observações e implicações subtis

No entanto, os pesquisadores reconhecem que “as nossas descobertas indicam que o uso regular de canábis pode estar marginalmente ligado a níveis elevados, embora estatisticamente insignificantes, de sintomas positivos atenuados em comparação com os não utilizadores.” Salientam que “os indivíduos com CHR que mantiveram um padrão constante de consumo de canábis apresentaram uma trajectória ascendente na neurocognição e no funcionamento social ao longo do tempo, juntamente com uma redução simultânea da ingestão de medicamentos. Notavelmente, apesar da redução da medicação, houve uma melhoria observável nos sintomas clínicos ao longo do tempo.”

É essencial esclarecer que a intenção deste estudo não é defender a aprovação do uso de canábis entre indivíduos jovens ou propor a canábis como uma intervenção terapêutica para os indivíduos com tendência para desenvolver problemas psicóticos. Em vez disso, contribui para o conjunto da literatura científica que aborda a relação entre a canábis e a psicose. Isto é especialmente relevante no contexto da oposição à legalização da canábis, muitas vezes centrada na noção de que as variedades de canábis com elevado teor de THC poderiam desencadear doenças como a esquizofrenia.

Informações adicionais de estudos anteriores

Numa investigação distinta, mas pertinente, a Associação Médica Americana (AMA) divulgou um estudo em janeiro, analisando dados que englobam mais de 63 milhões de beneficiários de seguros de saúde. O estudo revelou que os estados onde a canábis foi legalizada não apresentam um “aumento estatisticamente significativo” nos diagnósticos relacionados com a psicose quando comparados com os estados onde a canábis continua a ser ilegal.

Em suma, o recente estudo fornece uma perspetiva valiosa sobre os potenciais efeitos do consumo regular de canábis em indivíduos em risco de desenvolver perturbações psicóticas. Os resultados desafiam os pressupostos prevalecentes e sublinham a importância de uma investigação científica contínua sobre a complexa relação entre o canábis e a saúde mental.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Clique aqui para comentar
Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional2 dias atrás

Alemanha aprova o primeiro clube social de canábis após a legalização

A Ministra da Agricultura da Baixa Saxónia, Miriam Staudte, anunciou esta segunda-feira que o seu gabinete autorizou o primeiro clube...

Cânhamo4 dias atrás

Tailândia cada vez mais perto de reclassificar a canábis e o cânhamo como substâncias controladas

A Tailândia deu mais um passo decisivo no sentido de voltar a proibir a canábis no país. Na passada sexta-feira,...

Internacional1 semana atrás

Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (OEDT) passa a ser Agência da União Europeia das Drogas (EUDA)

A 2 de Julho de 2024 o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência (EMCDDA) passará a ser a Agência...

Eventos2 semanas atrás

ICRS – International Cannabinoid Research Society reúne médicos e investigadores em Salamanca para o 34º Simpósio sobre Canabinoides

Se pensa que a investigação com canábis é algo recente e que inda não há estudos suficientes… pense outra vez! É...

Crónica2 semanas atrás

Terroir 101 – Uma Introdução

Este artigo inicia uma série sobre temas necessários para os que acreditam que esta planta merece ser reverenciada e elevada...

Eventos3 semanas atrás

Editora do CannaReporter®, Laura Ramos, nomeada “Jornalista do Ano” nos prémios Business of Cannabis

A indústria da canábis está prestes a reunir-se em Londres para dois dias de Cannabis Europa e uma noite de...

Comunicados de Imprensa3 semanas atrás

Cannabis Europa recebe líderes europeus e norte-americanos em Londres para capitalizar o mercado europeu da canábis

A indústria norte-americana de canábis está a criar um movimento significativo através do Atlântico, à medida que os líderes deste...

Internacional4 semanas atrás

Polícia alemã esclarece que não sugeriu consumo de canábis (em vez de álcool) aos adeptos ingleses do Euro 2024

A polícia de Gelsenkirchen, na Alemanha, foi citada numa notícia onde afirmou que as atenções estariam mais centradas nos adeptos...

Eventos4 semanas atrás

Substâncias sintéticas ameaçam enorme sucesso da Mary Jane Berlin

Era expectável que esta edição da Mary Jane Berlin fosse a maior concentração de sempre da comunidade da canábis na...

Nacional4 semanas atrás

ICAD promove inquérito europeu sobre consumo de drogas em Portugal

O Instituto para os Comportamentos Aditivos e as Dependências (ICAD) iniciou a 4ª edição do European Web Survey on Drugs...