Connect with us

Notícias

Estudo diz que utilização regular de canábis por jovens adultos revelou melhorias na funcionalidade cognitiva e diminuição na utilização de medicamentos

Publicado

em

Foto: D.R. | Create.Vista

Numa investigação inovadora centrada em adolescentes e jovens adultos susceptíveis de desenvolver perturbações psicóticas, um estudo recente conduzido em colaboração por três universidades norte-americanas refuta as afirmações que costumam ser feitas pelos críticos que relacionam a utilização da canábis recreativa com o aparecimento de psicoses. Os investigadores concluíram que o consumo regular de canábis durante um período de dois anos não conduziu ao aparecimento precoce de sintomas associados a doenças mentais. Pelo contrário, o estudo sublinha que esse consumo está associado a melhorias na funcionalidade cognitiva e a uma diminuição na utilização de medicamentos.

Conduzido em colaboração por especialistas do Hospital Zucker Hillside, da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, da Universidade do Michigan e da Universidade da Califórnia em Davis, este esforço de investigação abrangente foi documentado na revista Psychiatry Research. Os investigadores afirmam que “o consumo recreativo de canábis tornou-se um tema de grande interesse como catalisador natural para o início da psicose. No entanto, as provas que corroboram as consequências negativas da canábis para os indivíduos com elevado risco clínico (CHR) de psicose permanecem inconclusivas.”

Metodologia e resultados da investigação

Para aprofundar esta questão, a equipa de investigação acompanhou de perto 210 participantes com idades compreendidas entre os 12 e os 25 anos, todos eles identificados como doentes com CHR. Estes indivíduos foram inscritos no Programa de Deteção e Intervenção Precoce para a Prevenção da Psicose (EDIPPP). Ao longo de dois anos, foi realizado um exame minucioso para comparar o bem-estar mental e a utilização de medicamentos prescritos entre os consumidores regulares de canábis e os não consumidores.

O estudo produziu uma revelação significativa: “o consumo continuado de canábis ao longo de dois anos de acompanhamento não se correlacionou com um aumento da taxa de transição para a psicose. Além disso, não exacerbou os sintomas clínicos, os níveis de funcionalidade ou a neurocognição geral.”

Observações e implicações subtis

No entanto, os pesquisadores reconhecem que “as nossas descobertas indicam que o uso regular de canábis pode estar marginalmente ligado a níveis elevados, embora estatisticamente insignificantes, de sintomas positivos atenuados em comparação com os não utilizadores.” Salientam que “os indivíduos com CHR que mantiveram um padrão constante de consumo de canábis apresentaram uma trajectória ascendente na neurocognição e no funcionamento social ao longo do tempo, juntamente com uma redução simultânea da ingestão de medicamentos. Notavelmente, apesar da redução da medicação, houve uma melhoria observável nos sintomas clínicos ao longo do tempo.”

É essencial esclarecer que a intenção deste estudo não é defender a aprovação do uso de canábis entre indivíduos jovens ou propor a canábis como uma intervenção terapêutica para os indivíduos com tendência para desenvolver problemas psicóticos. Em vez disso, contribui para o conjunto da literatura científica que aborda a relação entre a canábis e a psicose. Isto é especialmente relevante no contexto da oposição à legalização da canábis, muitas vezes centrada na noção de que as variedades de canábis com elevado teor de THC poderiam desencadear doenças como a esquizofrenia.

Informações adicionais de estudos anteriores

Numa investigação distinta, mas pertinente, a Associação Médica Americana (AMA) divulgou um estudo em janeiro, analisando dados que englobam mais de 63 milhões de beneficiários de seguros de saúde. O estudo revelou que os estados onde a canábis foi legalizada não apresentam um “aumento estatisticamente significativo” nos diagnósticos relacionados com a psicose quando comparados com os estados onde a canábis continua a ser ilegal.

Em suma, o recente estudo fornece uma perspetiva valiosa sobre os potenciais efeitos do consumo regular de canábis em indivíduos em risco de desenvolver perturbações psicóticas. Os resultados desafiam os pressupostos prevalecentes e sublinham a importância de uma investigação científica contínua sobre a complexa relação entre o canábis e a saúde mental.

 

____________________________________________________________________________________________________

[Aviso: Por favor, tenha em atenção que este texto foi originalmente escrito em Português e é traduzido para inglês e outros idiomas através de um tradutor automático. Algumas palavras podem diferir do original e podem verificar-se gralhas ou erros noutras línguas.]

____________________________________________________________________________________________________

O que fazes com 3€ por mês? Torna-te um dos nossos Patronos! Se acreditas que o Jornalismo independente sobre canábis é necessário, subscreve um dos níveis da nossa conta no Patreon e terás acesso a brindes únicos e conteúdos exclusivos. Se formos muitos, com pouco fazemos a diferença!

Clique aqui para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Publicidade


Veja o Documentário "Pacientes"

Documentário Pacientes Laura Ramos Ajude-nos a crescer

Mais recentes

Internacional3 dias atrás

Utilizadores regulares de canábis podem necessitar de mais anestesia durante procedimentos médicos

Os utilizadores regulares de canábis podem necessitar de mais anestesia durante os procedimentos médicos para permanecerem sedados, se comparados com...

Internacional4 dias atrás

O futuro do CBD no Japão: Como as reformas legais irão moldar o mercado

No final do ano passado, o Japão deu um grande passo em direcção à reforma da canábis depois de aprovar...

Nacional5 dias atrás

Portugal: GreenBe Pharma obtém certificação EuGMP nas instalações de Elvas

A GreenBe Pharma, uma empresa de canábis medicinal localizada em Elvas, Portugal, obteve a certificação EU-GMP, ao abrigo dos regulamentos...

Nacional1 semana atrás

Álvaro Covões, da Everything is New, compra instalações da Clever Leaves no Alentejo por 1.4 milhões de euros

Álvaro Covões, fundador e CEO da agência promotora de espectáculos ‘Everything is New‘, que organiza um dos maiores festivais de...

Eventos1 semana atrás

ICBC regressa a Berlin a 16 e 17 de Abril

É uma das maiores e mais reconhecidas conferências de B2B sobre canábis da Europa e regressa a Berlim já nos...

Internacional2 semanas atrás

A legalização da canábis na Alemanha vista pelos olhos do hacker que criou um mapa essencial

Um hacker de Koblenz, uma cidade do estado da Renânia-Palatinado, criou um mapa com os locais onde, a partir de...

Nacional2 semanas atrás

André Ventura diz que quer “Limpar toda a canábis de Portugal”

André Ventura, o conhecido líder do partido político português de extrema-direita, Chega, disse que quer “limpar toda a canábis de...

Internacional2 semanas atrás

EUA: Kamala Harris diz que classificação actual da canábis é “absurda” e “manifestamente injusta”

A vice-presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Kamala Harris, defendeu na semana passada a desclassificação da canábis na tabela...

Eventos2 semanas atrás

EVO NXT: Festival de Produtos da Próxima Geração regressa a Málaga. Canábis estará em destaque

A 2ª edição do Festival de Negócios para os Produtos da Próxima Geração, EVO NXT, regressa a Málaga já na...

Internacional3 semanas atrás

É oficial: Alemanha é o terceiro país da Europa a legalizar o uso recreativo de canábis

O Bundesrat aprovou hoje, sexta-feira, o projecto de lei para regulamentar a utilização de canábis para fins recreativos no país....